Menu
Busca sexta, 18 de setembro de 2020
(67) 99647-9098
TJMS setembro20
Economia

EUA decidem nesta semana como honrarão dívida trilionária

14 outubro 2013 - 12h19Via Terra com informações de Reuters, BBC Brasil e Agência Brasil.
Um possível calote dos EUA em suas dívidas com credores internacionais – que é o que deve ocorrer caso o Congresso americano não aprove até o dia 17 a ampliação do teto da dívida - vai trazer implicações catastróficas para a economia e atingirá em efeito cascata os outros países. Banqueiros apontam que um calote teria consequências dramáticas sobre o valor do dólar e provavelmente iria mergulhar o mundo em outra recessão.

O Departamento do Tesouro dos EUA disse que espera chegar no nível máximo de sua capacidade de empréstimo nesta próxima semana e não será capaz de priorizar os pagamentos da dívida sobre obrigações como a Segurança Social. Isso significa não pagar os credores internacionais, ou seja, investidores e bancos que compraram títulos do governo americano.

O teto de endividamento atualmente é de US$ 16,7 trilhões e o Tesouro precisa da autorização do Congresso para continuar rolando os compromissos através de novos empréstimos. Se os congressistas não chegarem a um acordo até o próximo dia 17, o órgão ainda poderia saldar seus compromissos por cerca de duas semanas. Mas sem um acordo final acabaria decretando o calote dos seus títulos.

No entanto, legisladores estão em um impasse sobre o aumento do limite da dívida. Democratas querem reabrir agências federais que foram parcialmente fechadas desde que o financiamento acabou em 1º de outubro, enquanto republicanos insistem que qualquer acordo teto da dívida inclui planos para cortar os gastos do governo.

Segundo pesquisa da IHS a paralisação deve custar ao país US$ 300 milhões (equivalente a R$ 658 milhões) por dia. Cerca de 800 mil funcionários públicos federais que atuam em setores considerados não essenciais estão em casa por tempo indeterminado, sem receber salários. Parques nacionais estão fechados e serviços importantes como a renovação de passaportes estão atrasados.

Efeitos para a economia

A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, fez pressão sobre o Congresso americano para que negocie a elevação do teto da dívida. "A paralisação do governo é ruim o suficiente, mas o fracasso em elevar o teto da dívida seria muito pior", disse Lagarde. "Poderia prejudicar seriamente não apenas a economia americana, mas toda a economia global."

"Os mercados creditícios podem congelar, o valor do dólar pode despencar e as taxas de juros nos Estados Unidos podem disparar, potencialmente resultando em uma crise financeira e uma recessão que ecoariam os eventos de 2008 ou pior", alertou nesta na quinta-feira o Tesouro em relatório.

Segundo o presidente do JPMorgan Chase, Jamie Dimon, os bancos já estão gastando "enormes quantidades" de dinheiro se preparando para a possibilidade de um “default”, o que segundo ele, ameaça a recuperação global após a crise financeira de 2007-2009. "Isto iria se espalhar muito rapidamente, uma doença fatal", concordou o presidente-executivo do Deutsche Bank, Anshu Jain.

Brasil
Para o professor de Economia Internacional da PUC-SP Antônio Carlos Alves dos Santos, será o primeiro caso de calote na dívida de um país com a importância dos Estados Unidos. "As consequências seriam desastrosas para a economia mundial como um todo. No caso do Brasil a situação seria complicada, porque a situação econômica do país já não é muito boa, e não queremos um choque externo que teria ainda mais impacto na economia brasileira", disse à BBC Brasil. O panorama da economia mundial, ele argumentou, é "grave" comparado a 2011: Grécia, Portugal e Irlanda são fonte de instabilidade na União Europeia (EU) e a economia brasileira registra um crescimento "medíocre".

Reincidência
Não é a primeira vez que uma paralisação desse tipo ocorre nos EUA. Na última vez, em 1995, época do governo Bill Clinton, do mesmo partido de Obama, o fechamento custou US$ 1,5 bilhão (R$ 3,2 bilhões) ao país. Em valores corrigidos, seriam hoje US$ 2,1 bilhões (R$ 4,6 bilhões). O banco Goldman Sachs estima que uma paralisação de três semanas pode vir a custar 0,9% do Produto Interno Bruto (PIB) americano neste trimestre.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Brasil e Paraguai assinam acordo para reabrir a fronteira
Economia
Pagamentos do Ciclo 1 do auxílio emergencial estão concluídos
Economia
Sidrolândia ganha unidade produtora de leitões que vai gerar 100 empregos
Economia
Caixa paga auxílio para 3,9 mi de beneficiários hoje; veja quem recebe
Economia
Comércio na fronteira terá liberação "meia boca"
Economia
Caixa paga abono salarial nesta segunda; veja quem recebe
Economia
FGTS: Caixa deposita hoje para trabalhadores nascidos em novembro
Economia
Economista aponta três fatores para aumento no preço dos alimentos
Economia
Veja quem recebe o auxílio emergencial nesta sexta
Economia
Retomada do Turismo gera expectativa no setor

Mais Lidas

Geral
Em pesquisa do Procon, Folha Verde é o hortifrúti com maiores preços
Polícia
Motoentregador é assaltado no Centenário e cliente reclama da demorada da entrega
Oportunidade
Prefeitura oferece cursos online gratuitos e com certificado
Saúde
Quinze pediatras atenderão nas unidades de saúde da capital nesta manhã