Menu
Busca sexta, 24 de setembro de 2021
(67) 99647-9098
Gov - Estado que Cresce (set21)
Economia

Fed volta a reduzir estímulos para economia dos Estados Unidos

20 março 2014 - 10h21Via Agência Brasil
O Federal Reserve (Fed), Banco Central norte-americano, reduziu o programa de estímulos à economia dos Estados Unidos em mais US$ 10 bilhões. A diminuição ocorreu apesar da recente queda da maior economia do mundo provocado, “em parte”, pelo inverno rigoroso.

O Comitê Federal do Mercado Aberto do Fed decidiu reduzir para US$ 55 bilhões de dólares por mês os gastos com as compras de títulos públicos, que injetam dinheiro na economia. Para a autoridade monetária norte-americana, a economia do país, como um todo, tem “força subjacente suficiente” para sustentar a melhora contínua no mercado de trabalho.

No entanto, a nova presidenta do Fed, Janet Yellen, indicou que o Banco Central pode voltar a subir os juros a partir do próximo ano. Segundo ela, a autoridade monetária pretende manter a taxa inalterada, desde que o desemprego permaneça demasiado alto; e a inflação, bem controlada. “Sabemos que não estamos próximos do pleno emprego”, declarou a responsável pelo Fed.

Na reunião dessa quarta-feira, o Fed destacou a desaceleração do crescimento durante os meses de inverno e a demorada recuperação do setor imobiliário. Já os indicadores relativos ao mercado de trabalho foram apelidados de “mistos”, apesar de sinais de melhoras.

Apesar do recuo no ritmo de crescimento econômico, a autoridade monetária norte-americana considerou que os progressos acumulados na economia e no mercado de trabalho justificam o novo corte no seu programa de compra. As ajudas começaram a ser reduzidas em dezembro, quando o Fed injetava US$ 85 bilhões por mês na maior economia do planeta.

O Fed revisou ainda para baixo as estimativas sobre o crescimento econômico dos Estados Unidos para este ano e o próximo, mas considerou que a taxa de desemprego vai baixar mais rapidamente do que tinha previsto. As projeções para o Produto Interno Bruto (PIB) norte-americano foram reduzidas para um intervalo entre 2,8% e 3% em 2014 e entre 3% e 3,2% em 2015, redução de 0,2 ponto percentual nas estimativas mais altas para ambos os anos.

Já a taxa de desemprego deverá, segundo o Fed, baixar para um intervalo de 6,1% a 6,3% este ano, melhor em relação à projeção anterior, entre 6,3% e 6,6%. Para 2015, a previsão ficou entre 5,6% e 5,9%. O Banco Central dos Estados Unidos deixou inalterada a estimativa para a inflação, que deverá atingir até 1,6% este ano e 2% no próximo ano.
Unica - inverno

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Em protesto contra a fome, MSTS faz ocupação em prédio de bolsa de valores
Economia
Mega-Sena acumula em R$ 7 milhões, 34 moradores de MS acertaram a quadra
Economia
Caixa paga hoje auxílio emergencial a nascidos em março
Economia
Pesquisa divulgada pelo Procon mostra variação de preços dos produtos da Csta básica
Economia
Fiems recebe delegação paraguaia para rodada de negócios
Economia
Caixa paga hoje auxílio emergencial a nascidos em fevereiro
Economia
Auxílio emergencial: nascidos em janeiro recebem 6ª parcela
Economia
Possível calote em empresa chinesa faz bolsas despencarem
Economia
Decreto regulamenta reconhecimento de dívidas da União junto à Caixa
Economia
Trabalhadores nascidos em dezembro podem sacar auxílio emergencial

Mais Lidas

Polícia
Vídeo: Corpo seminu encontrado em córrego no Santo Eugênio é de uma mulher
Geral
'Zé Calango' tem mal súbito e morre enquanto pilotava moto
Geral
Corpo é encontrado em córrego perto da rodoviária de Campo Grande
Polícia
Polícia flagra adolescentes de 13 e 17 fazendo programa sexual em bar