Menu
Busca terça, 27 de julho de 2021
(67) 99647-9098
Governo - covid atitudes
Economia

FMI prevê América Latina com meses de turbulência à frente

31 janeiro 2014 - 10h32Via Folha
Diante de um cenário de volatilidade entre os mercados emergentes, o FMI (Fundo Monetário Internacional) prevê um período de "turbulência" para a América Latina nos próximos meses.

Apesar da estimativa de uma pequena aceleração no crescimento na região ­- de 2,6% em 2013 para 3% em 2014 -, o fundo afirma que os investidores podem começar a abandonar os mercados mais vulneráveis se eles não se protegerem a tempo.

Segundo o diretor do FMI para a América Latina, Alejandro Werner, é melhor os governos da América Latina e do Caribe "não relaxarem por enquanto".

O primeiro risco para a região é a decisão do Fed (banco central americano), anunciada esta semana, de seguir cortando seu programa de estímulos em razão de um avanço da economia americana.

Apesar do argumento do Fed de que uma economia mais sólida nos EUA beneficia os emergentes, Werner afirma que o impacto positivo ficaria restrito a México - que deve ser um dos destaques neste ano e se expandir 3%, acima do 1,2% de 2013 - e países da América Central.

Para ele, o Brasil e o resto da América do Sul veriam menos benefícios imediatos da recuperação americana.

Outro risco seria a queda na demanda por matéria-prima desses países, considerando, especialmente, a suave desaceleração da China, seu grande importador.

"As perspectivas de crescimento da China são particularmente importantes para os países exportadores da América Latina", disse o diretor.

Para Werner, o Brasil não está imune à volatilidade dos demais emergentes, mas suas perspectivas dependerão mais das "condições internas", como a recuperação do crescimento a médio prazo.

Segundo o FMI, o país, que tem um crescimento de 2,3% previsto para este ano, precisa melhorar sua política fiscal para crescer e combater gargalos na infraestrutura. "O Brasil está correndo contra restrições da oferta que estão limitando a expansão do produto e empurrando para cima a inflação", disse Werner.

Os casos de Argentina e Venezuela, no entanto, são considerados "menos favoráveis", segundo o fundo.

"Na Argentina e na Venezuela, começaram a surgir, em 2013, pressões sobre inflação, balança de pagamentos e mercados cambiários. Essas pressões estão afetando negativamente a confiança e a oferta agregada", afirmou.

O FMI, porém, não mostra preocupação com os efeitos da turbulência na Argentina entre os vizinhos. Segundo Werner, a relação comercial entre os países da região não está mais tão conectada e nações menores como Uruguai e Paraguai já estão mais preparados contra o "contágio" por terem diversificado seus parceiros comerciais.
Cruzeiro do Sul - 44 anos

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Governo destina R$ 25,2 milhões de emendas parlamentares para saúde
Economia
Nascidos em setembro recebem auxílio emergencial nesta terça
Economia
Auxílio emergencial é pago a beneficiários do Bolsa Família com NIS 6
Economia
Preços de itens de cesta básica tem diferença de até 80,20%
Economia
Caixa paga hoje auxílio emergencial a nascidos em junho
Economia
Caixa paga hoje auxílio emergencial a nascidos em maio
Economia
Caminhoneiros avaliam paralisação nacional a partir de domingo
Economia
Auxílio Emergencial: Nascidos em abril recebem hoje
Economia
Dia dos Pais: mais pessoas pretendem presentear este ano
Economia
Caixa paga quarta parcela do auxílio emergencial para nascidos em março

Mais Lidas

Polícia
Homem enforca familiar após piada com derrota do São Paulo para o Flamengo
Polícia
Nem após cometer suicídio jovem escapa de assalto no Jardim Noroeste
Cidade
Foi selecionado? Prefeitura convoca aprovados em dois processos
Geral
Homem fuma maconha, escala montanha e cai de altura de 12 metros; veja vídeo