Menu
Busca terça, 25 de janeiro de 2022
(67) 99647-9098
TJMS Jan22
Economia

Bolsonaro veta renegociação de dívida para MEIs e empresas do Simples Nacional

Decisão foi publicada no DOU desta sexta-feira

07 janeiro 2022 - 17h53Méri Oliveira, com FOLHAPRESS

Depois de muita disputa entre o Palácio do Planalto e a Economia, o presidente Jair Bolsonaro (PL) vetou integralmente, nesta sexta-feira (7), o projeto de lei que pretendia abrir um programa de renegociação de débitos tributários para MEIs (microempreendedores individuais) e empresas do Simples Nacional.

O chefe do Executivo atendeu ao Ministério da Economia e à AGU (Advocacia-Geral da União), que apontaram risco de violação da LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal) e de dispositivos da LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias) e da Constituição.

A decisão foi publicada no Diário Oficial da União desta sexta-feira (7). Na volta do ano Legislativo, em fevereiro, parlamentares analisarão o veto, podendo derrubá-lo.

"A proposição legislativa incorre em vício de inconstitucionalidade e contrariedade ao interesse público, uma vez que, ao instituir o benefício fiscal, implicaria em renúncia de receita, em violação ao disposto no art. 113 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, no art. 14 da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000 - Lei de Responsabilidade Fiscal, e nos art. 125, art. 126 e art. 137 da Lei nº 14.116, de 31 de dezembro de 2020 - Lei de Diretrizes Orçamentárias 2021", diz a justificativa da Economia e da AGU.

Segundo interlocutores, a possibilidade de um veto parcial, para evitar o ingresso de empresas que não foram afetadas pela pandemia no programa de renegociação, foi aventada, mas sem sucesso. Ao conceder descontos aos devedores, o programa aprovado pelo Congresso Nacional geraria uma renúncia de receitas. O impacto, no entanto, não está previsto no Orçamento de 2022. Segundo fontes da área econômica, o impacto na arrecadação deste ano seria de aproximadamente R$ 600 milhões. O governo estima que R$ 50 bilhões poderiam ser negociados.

O dia de idas e vindas no Palácio quanto ao projeto de lei também repercutiu no Congresso

Antes do veto publicado nesta sexta, o deputado Marco Bertaiolli (PSD-SP), que foi o relator da proposta na Câmara e coordena a Frente Parlamentar do Empreendedorismo, criticou a intenção do governo de vetar o texto, pois segundo ele, o governo deixaria de beneficiar 4,5 milhões de empresas do Simples. "Estamos muito decepcionados com essa notícia. Somos as maiores prejudicadas economicamente com a pandemia. As empresas ficaram fechadas, acumulando dívidas", disse Bertaiolli.

Para o deputado, o veto impossibilita que empreendedores de todo o país ganhem fôlego para atravessar 2022. "Os microempresários não têm as mesmas condições das grandes empresas e precisam de ajuda para reverter quase dois anos de prejuízos em suas atividades", afirmou.

Antes da decisão final de Bolsonaro, Bertaiolli já prometeu trabalhar para derrubar o veto, caso essa fosse a escolha. Ele destacou que só a Frente Parlamentar do Empreendedorismo tem mais de 200 parlamentares, entre deputados e senadores.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
IPVA 2022 terá 15% de desconto para pagamento à vista
Economia
50 + 50: Sebrae aposta no empreendedorismo
Economia
Caixa paga Auxílio Brasil a cadastrados com NIS final 5
Economia
Simples tem pagamentos prorrogados até 31 de março
Economia
Auxílio Brasil: Caixa paga hoje famílias cadastradas com NIS final 3
Economia
Caixa paga hoje Auxílio Brasil para cadastrados com NIS terminado em 2
Economia
Brasil encerrou 2021 com recorde de endividados
Economia
Artesanato sul-mato-grossense é vendido para loja de decorações em Minas Gerais
Economia
Auxílio Brasil: Benefício começa a ser pago hoje
Economia
Empresas do Simples podem ganhar dois meses para regularizarem débitos

Mais Lidas

Polícia
Mulher é encontrada morta em motel de luxo da Capital
Polícia
Médico de MS morre em praia da Bahia
Polícia
Perita teria recebido visita antes de ser encontrada morta em motel de luxo
Polícia
JD1TV: Mulher encontrada morta em motel de luxo era agente do Imol