Menu
Busca domingo, 18 de agosto de 2019
(67) 99647-9098
Economia

Habitação e alimentos impactaram inflação anual em Campo Grande

Parecer do Núcleo de Estudos e Pesquisas Econômicas e Sociais da Uniderp aponta que índice acumulado de 2018 é de 3,70%

18 janeiro 2019 - 17h17Da redação com assessoria

O acumulado da inflação de 2018 em Campo Grande ficou em 3,70%, abaixo da meta inflacionária de 4,5%, estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). A taxa faz parte do levantamento do Núcleo de Estudos e Pesquisas Econômicas e Sociais (Nepes) da Uniderp, que calcula o Índice de Preços ao Consumidor de Campo Grande (IPC/CG) há 16 anos. O resultado incluiu também a inflação de dezembro, 0,14%, o menor indicador para o mês desde o ano de 2007, quando foi de (-0,02%).

"Há vários motivos que ajudaram nesse resultado da inflação acumulada. A estabilização do valor do dólar frente ao real após as eleições pode ter impactado em quedas de preços de alguns produtos importados como o trigo, máquinas de alta precisão, eletroeletrônicos, gasolina e produtos natalinos em geral. Outros fatores que influenciaram foram o alto desemprego no país, os juros ainda elevados e o grande endividamento da população", explica o coordenador do Nepes/Uniderp, Celso Correia de Souza. Outro destaque que inibiu o crescimento da inflação durante o ano foram as frequentes quedas nos preços dos combustíveis, de acordo com o professor.

Em 12 meses, os grupos Habitação e Alimentação tiveram as variações mais altas: 6,42% e 4,66%, respectivamente. Nesse período, o grupo Transportes apresentou uma forte deflação, da ordem de -3,53% e os outros grupos, Educação, Despesas Pessoais, Saúde e Vestuário ficaram com taxas dentro da normalidade.

Dezembro

Na análise apenas do último mês de 2018, os principais responsáveis pela inflação de dezembro foram os grupos: Habitação, com inflação de 0,91% e contribuição de 0,29% para o índice geral de inflação; Alimentação, com 0,90% e colaboração de 0,18%; e Saúde, com inflação de 0,09% e participação de 0,01%.

Com deflações, ficaram: Transportes, com deflação de (-1,85%) e contribuição de (-0,28%), Educação com deflação de (-0,12%) e contribuição de (-0,01%), Despesas Pessoais, com deflação de (-0,61%) e contribuição de (-0,05%) e Vestuário, com deflação de (-0,10%) e contribuição de (-0,01%).

O Índice de Preços ao Consumidor de Campo Grande (IPC/CG) é um indicador da evolução do custo de vida das famílias dentro do padrão de vida e do comportamento racional de consumo. O IPC busca medir o nível de variação dos preços mensais do consumo de bens e serviços, a partir da comparação da situação de consumo do mês atual em relação ao mês anterior, de famílias com renda mensal de 1 a 40 salários mínimos.

Prefeitura - Niver CG

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Com recursos bloqueados, Exército pode cortar um terço dos recrutas
Economia
PIS/Pasep para nascidos em agosto já está liberado
Economia
Instituições reduzem previsão para déficit nas contas públicas
Economia
IBGE divulga queda da taxa de desemprego no país
Economia
Receita paga restituições do 3º lote do IR 2019 nesta quinta
Economia
Economia tem alta de 0,2% no segundo trimestre
Economia
Maracaju ganha parceiro comercial de renome mundial
Economia
Nelsinho associa Bioceânica com crescimento econômico
Economia
Consumo de bens industriais tem queda de 0,5% em junho
Economia
Mega-Sena pode sortear prêmio de R$ 5 mi neste sábado

Mais Lidas

Cidade
AO VIVO – Emha sorteia 160 unidades habitacionais em Campo Grande
Política
PSDB tem três nomes para vice de Marquinhos
Geral
Mãe e filha de 5 anos que tiveram a casa queimada pedem doações
Polícia
BMW capota e bombeiros cortam teto para retirar vítimas