Menu
Busca sábado, 19 de setembro de 2020
(67) 99647-9098
TJMS setembro20
Economia

Inflação da baixa renda ganha força em janeiro, mostra FGV

05 fevereiro 2014 - 10h46Via G1
Os preços para a população de baixa renda do país subiram mais em janeiro do que no mês anterior, segundo pesquisa da Fundação Getulio Vargas (FGV) divulgada nesta quarta-feira (05).

O Índice de Preços ao Consumidor – Classe 1 (IPC-C1), que mede a variação de preços para famílias com renda de até 2,5 salários mínimos mensais, ficou em 0,71% no mês passado, após alta de 0,56% em dezembro. Com este resultado, o indicador acumula alta de 4,70%, nos últimos 12 meses.

Apesar da aceleração na passagem de dezembro para janeiro, as taxas de inflação para a baixa renda ficaram abaixo das registradas para o conjunto da população, calculadas pelo IPC – de 0,99% no mês passado e 5,61% no acumulado em 12 meses.

Produtos e grupos
O item que mais pesou na alta da inflação pelo IPC-C1 em janeiro foi o cigarro, cujo preço subiu 6,59% no mês, após uma alta de 0,68% em dezembro. Também pesaram na conta as altas da cebola (28,9%), do aluguel (0,84%), das refeições fora de casa (0,88%) e da cenoura (39,42%).

Já o preço do leite longa vida foi o que mais ajudou a conter a alta da inflação, com queda de 5,77% no mês, seguindo outra queda, de 6,51%, no mês anterior. O tomate – que foi o "vilão" da inflação no início do ano passado – agora veio na direção contrária, e ficou 9,58% mais barato no mês passado. Também ajudaram a conter o IPC-C1 as quedas nos preços da tarifa de táxi (-7,15%), da batata inglesa (-4,18%) e do feijão carioca (-6,05%).

Entre os oito grupos pesquisados, cinco viram suas taxas de inflação subir de dezembro para janeiro: despesas diversas (de 0,48% para 3,80%), educação, leitura e recreação (de 0,45% para 2,99%), alimentação (de 0,71% para 0,80%), habitação (de 0,54% para 0,56%) e comunicação (de -0,02% para 0,13%).

Na outra ponta, ficaram menores, na mesma comparação, as taxas dos grupos vestuário (de 0,52% para -0,28%), transportes (de 0,67% para 0,30%) e saúde e cuidados pessoais (de 0,37% para 0,24%).

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Nascidos em julho recebem auxílio hoje e poderão sacar em outubro
Economia
Brasil e Paraguai assinam acordo para reabrir a fronteira
Economia
Pagamentos do Ciclo 1 do auxílio emergencial estão concluídos
Economia
Sidrolândia ganha unidade produtora de leitões que vai gerar 100 empregos
Economia
Caixa paga auxílio para 3,9 mi de beneficiários hoje; veja quem recebe
Economia
Comércio na fronteira terá liberação "meia boca"
Economia
Caixa paga abono salarial nesta segunda; veja quem recebe
Economia
FGTS: Caixa deposita hoje para trabalhadores nascidos em novembro
Economia
Economista aponta três fatores para aumento no preço dos alimentos
Economia
Veja quem recebe o auxílio emergencial nesta sexta

Mais Lidas

Saúde
Saiba quais UPAs contam com clínico geral e pediatras neste sábado
Justiça
Candidatos à eleição podem tirar certidões on-line pelo TJMS
Geral
Confira a agenda de lives para esta sexta-feira
Geral
CRMV-MS traz veterinários que atuaram em Brumadinho para ajudar no combate ao incêndio do pantanal