Menu
Busca sábado, 24 de julho de 2021
(67) 99647-9098
TJMS julho-21
Economia

Inflação leva impacto ás classes mais baixas em outubro

O Resultado foi puxado pelos reajustes dos alimentos e da energia elétrica

19 novembro 2018 - 13h45Da redação com assessoria

O Indicador de Inflação por Faixa de Renda publicado nesta segunda-feira (19), pelo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), revela que os reajustes dos preços dos alimentos e da energia elétrica, ao longo dos últimos meses, tiveram maior impacto sobre a inflação das famílias mais pobres. No acumulado em 12 meses, os dados mostram que, em janeiro de 2018, a inflação das famílias de renda mais baixa registrava alta de 2,1%, ou seja, 1,6 ponto percentual abaixo da taxa apontada pela faixa mais alta (3,7%). “Em outubro, entretanto, essa diferença recuou para 0,99 p.p.”, informa a autora do trabalho, a técnica de planejamento e pesquisa Maria Andreia Parente Lameiras, do Grupo de Conjuntura do Ipea.

O indicador mostra que, em outubro, a classe de renda muito baixa observou o maior incremento na inflação na comparação com outubro de 2017. Para essa classe, a variação no mês foi de 0,49%. No mesmo período, o aumento foi de 0,42% para as famílias de renda alta. A alta de 0,9% da alimentação no domicílio e de 0,12% na energia pressionou mais fortemente a inflação das famílias de menor poder aquisitivo, para quem o peso desses itens na cesta de consumo é maior.

No acumulado do ano, a inflação das famílias mais pobres aponta variação de 3,5%, abaixo da registrada pelas faixas de renda mais alta (4,06%). Em outubro passado, a maior contribuição para inflação das famílias mais ricas veio do aumento de 2,2% no preço da gasolina.

Os destaques foram os reajustes dos preços dos combustíveis – em virtude da desvalorização cambial e da alta da cotação do petróleo – e da energia elétrica, impactada pelo baixo nível dos reservatórios das hidrelétricas e pelos reajustes das distribuidoras. Em contrapartida, os preços livres continuam surpreendendo positivamente por meio da continuidade da desaceleração da inflação de serviços e pelo crescimento abaixo do esperado dos preços dos alimentos.

 Para os próximos meses, a expectativa é de desaceleração da inflação acumulada em 12 meses, possibilitada pelo recuo dos preços dos alimentos, dos combustíveis, e da energia (a adoção da bandeira amarela em novembro aliada à possibilidade de estabelecimento da bandeira verde em dezembro).
 
 

 

Cruzeiro do Sul - 44 anos

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Preços de itens de cesta básica tem diferença de até 80,20%
Economia
Caixa paga hoje auxílio emergencial a nascidos em junho
Economia
Caixa paga hoje auxílio emergencial a nascidos em maio
Economia
Caminhoneiros avaliam paralisação nacional a partir de domingo
Economia
Auxílio Emergencial: Nascidos em abril recebem hoje
Economia
Dia dos Pais: mais pessoas pretendem presentear este ano
Economia
Caixa paga quarta parcela do auxílio emergencial para nascidos em março
Economia
Nascidos em dezembro podem sacar auxílio emergencial
Economia
Caixa paga hoje auxílio emergencial a nascidos em fevereiro
Economia
Quarta parcela do auxílio emergencial começa a ser paga neste sábado

Mais Lidas

Polícia
Corpo encontrado em Maracaju é de homem desaparecido em Campo Grande
Polícia
Mulher vai visitar o namorado e morre atacada por seis pitbulls
Polícia
Ladrão causa curto-circuito ao furtar fios de um poste de energia no centro de Campo Grande
Polícia
Vídeo: Entregador filma dados do cartão de cliente para cometer fraudes