Menu
Busca sábado, 26 de setembro de 2020
(67) 99647-9098
Economia

Infraestrutura precisa de R$ 2 tri em 20 anos

05 maio 2014 - 09h19Via Brasil Econômico
O Brasil precisará investir R$ 2 trilhões em infraestrutura nos próximos 20 anos para conseguir impulsionar a atividade econômica como projeta o governo e alcançar o nível de competitividade de países emergentes que despontaram no setor nos últimos anos — como a Coreia do Sul, na Ásia, e Chile e Colômbia, na América Latina. As contas são de Armando Castelar, economista do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV/Ibre), e de Cláudio Frischtak, presidente da consultoria Inter.B — organizadores do recém-lançado livro “Gargalos e soluções na infraestrutura de transporte”.

“Se, em um passe de mágica, o investimento em infraestrutura passasse de 2,5% para 4,5% do Produto Interno Bruto (PIB), o país poderia crescer neste ano, em vez de 1,8% (como projeta o Ibre), mais de 3%”, diz Frischtak. Ele ressalta que, para compensar a depredação natural da infraestrutura existente, são necessários investimentos de, pelo menos, 3% do PIB.

Ao ano, a defasagem entre o Brasil e os países com investimento de ponta no setor é de R$ 100 bilhões, revela o estudo. Para suplantar essa lacuna, seria necessário ampliar em 11% a taxa de investimento atual, de 18,3%, “meta coincidente com a do governo”, salienta Frischtak. Elevar a participação da Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF, medida de investimento) no PIB para além de 20% tem sido uma intenção reiterada continuamente pelo presidente do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho. Assim como o ministro da Fazenda, Guido Mantega, anunciou inúmeras vezes a vontade de transformar o investimento em infraestrutura em vetor do crescimento já a partir de 2014, uma compensação ao projeto de expansão baseado no consumo, que já demonstra estar próximo do esgotamento e tem efeitos diretos sobre a inflação.

“Nosso objetivo é fazer (a concessão de) mais três ou quatro rodovias este ano; fazer, pelo menos, (a concessão de) duas ferrovias; os aeroportos, e os portos também”, afirmou Mantega, em setembro do ano passado, para, em seguida, completar: “No próximo ano, teremos todos os investimentos sendo realizados. É a maneira que nós poderemos aumentar o nosso PIB no próximo ano, puxado por investimentos em infraestrutura”.

A ideia era, com isso, chegar a um crescimento da atividade de 3%. Mas os planos não ocorreram como previsto e, na semana passada, o ministro foi a público rever sua projeção de expansão do PIB em 2014 para 2,3%. Paulo Fleury, especialista da UFRJ e diretor-geral do Instituto de Logística e Supply Chain (Ilos), projeta que apenas em 2015 a economia começará a sentir os efeitos das concessões de rodovias e aeroportos em 2012 e 2013. “O prazo é de dois a três anos (desde a concessão) para que o investimento apareça”, diz.

Em rodovias, os contratos preveem prazo de seis meses a um ano para o início das obras e mais um para a conclusão. Hoje, as concessionárias dos leilões de 2013 estão na fase de contratação da engenharia básica. E apenas em um ano começarão a construir.

Além disso, destaca Fleury, o número de leilões ficou aquém do entusiasmo do governo. “A grande maioria das rodovias não tem fluxo suficiente para justificar concessões. O modelo teria que ser de PPP (Parceria Público-Privada), por isso não decolou. E o governo no início errou feio, não houve interesse da iniciativa privada. No início, foi estabelecida taxa de retorno, para, em seguida, o governo voltar atrás”, analisa Fleury.

Mesmo o sucesso de todos os leilões não seria suficiente para elevar o PIB no patamar almejado pelo governo, segundo Castelar, do Ibre. Caso o Programa de Investimento em Logística (PIL) tivesse saído do papel como previsto e os efeitos sentidos no curto prazo, o reflexo sobre o PIB seria de 0,05% ao ano, uma proporção considerada pequena pelo economista.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Abertura da fronteira depende de Bolsonaro
Economia
Sebrae lança cartilha para estimular debate do empreendedorismo na campanha
Economia
Caixa deposita auxílio para 4 milhões de brasileiros hoje
Economia
Beneficiários do Bolsa Família recebem hoje parcela de R$ 300 do auxílio
Economia
Vídeo mostra protesto em Pedro Juan
Economia
FGTS está na conta dos trabalhadores nascidos em dezembro
Economia
Nascidos em julho recebem auxílio hoje e poderão sacar em outubro
Economia
Brasil e Paraguai assinam acordo para reabrir a fronteira
Economia
Pagamentos do Ciclo 1 do auxílio emergencial estão concluídos
Economia
Sidrolândia ganha unidade produtora de leitões que vai gerar 100 empregos

Mais Lidas

Cidade
Prefeitura libera apresentação de artistas de outros estados, na capital
Geral
Sexta-feira terá live de Gusttavo Lima e Daniel, Duda Beat e Nando Reis
Cidade
Mais de 5 mil aulas para 1º CNH foram realizadas de forma online em MS
Política
Chapa do PSDB quer “dar voz” a sociedade