Menu
Busca domingo, 20 de setembro de 2020
(67) 99647-9098
TJMS setembro20
Economia

Investidor estrangeiro não deve ter medo do Brasil, afirma Lula em NY

13 fevereiro 2014 - 10h38Via Folha
Diante de uma plateia de investidores americanos e empresários brasileiros ontem, em Nova York, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tentou convencer os estrangeiros de que não é preciso ter medo de colocar o seu dinheiro no Brasil.

No dia anterior, o Fed (banco central americano) colocou o país como o segundo emergente mais vulnerável a choques externos. Entre 15 nações, o Brasil só perde em "fragilidade" para a Turquia.

Lula, no entanto, disse aos investidores que as recentes previsões de economistas sobre a vulnerabilidade do Brasil têm sido exageradas e destacou o crescimento do país nos últimos 11 anos - desde que o Partido dos Trabalhadores assumiu a Presidência.

"A principal mensagem de Lula foi: vocês não precisam ter medo de investir no Brasil", disse à Folha, no fim do evento, um empresário que não quis se identificar.

Como a palestra foi fechada a membros do Americas Society e do Council of the Americas (responsáveis pelo evento) e a convidados, a maioria dos participantes não quis comentar a fala de Lula.

O Council reúne representantes de importantes bancos dos EUA e do mundo, como JPMorgan, Bank of America, Citi e Santander, além de grandes empresas (Microsoft, GM e Boeing, por exemplo).

Segundo um empresário de um grande banco que esteve presente à palestra, Lula ofereceu uma visão "muito positiva" e "confiante" sobre a economia brasileira.

Para ele, o ex-presidente foi "bastante convincente".

Lula, contudo, não destacou aos convidados números que evidenciassem a aparente tranquilidade da economia brasileira relatada por ele.

Em janeiro, o FMI voltou a reduzir a previsão de crescimento do PIB do país para 2014: para 2,3%, 0,2 ponto percentual menos do que na estimativa anterior.

Em 2013, o Brasil também registrou um rombo histórico nas suas contas externas de US$ 81,4 bilhões - isto é, 3,66% do PIB, o pior resultado desde 2001.

Entre os indicadores usados pelo BC dos EUA para medir a fragilidade dos emergentes, estão o tamanho das reservas externas em relação ao PIB, a dívida bruta do governo na comparação com o PIB e a taxa média de inflação nos últimos três anos.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Nascidos em julho recebem auxílio hoje e poderão sacar em outubro
Economia
Brasil e Paraguai assinam acordo para reabrir a fronteira
Economia
Pagamentos do Ciclo 1 do auxílio emergencial estão concluídos
Economia
Sidrolândia ganha unidade produtora de leitões que vai gerar 100 empregos
Economia
Caixa paga auxílio para 3,9 mi de beneficiários hoje; veja quem recebe
Economia
Comércio na fronteira terá liberação "meia boca"
Economia
Caixa paga abono salarial nesta segunda; veja quem recebe
Economia
FGTS: Caixa deposita hoje para trabalhadores nascidos em novembro
Economia
Economista aponta três fatores para aumento no preço dos alimentos
Economia
Veja quem recebe o auxílio emergencial nesta sexta

Mais Lidas

Geral
MS aumenta rigor e autuações contra queimadas já superam ano de 2019
Polícia
Queda de árvore queimada em rodovia causa acidente que deixa 12 mortos
Clima
Chuva foi pequena, mas ocorreu em 21 municípios de MS
Vídeos
AO VIVO: Acompanhe a 1ª Parada online da Cidadania e do Orgulho LGBTQIA+/MS