Menu
Busca sábado, 18 de setembro de 2021
(67) 99647-9098
Gov - Estado que Cresce (set21)
Economia

Juros de empréstimos para obras de estádios pagariam dois Itaquerões

07 julho 2014 - 11h09Via Folha
Assim que o apito final soar no Maracanã no próximo domingo (13), a maior parte da fatura da Copa começa a ser cobrada de estados, empresas e clubes de futebol que se endividaram para construir ou reformar os estádios usados durante o Mundial.

O carnê é caro. Para garantir arenas com o padrão Fifa, os responsáveis pelas obras pegaram emprestados R$ 4,3 bilhões de bancos públicos e de um fundo de desenvolvimento regional.

O valor total do financiamento chegará a R$ 6,7 bilhões, considerando os juros que serão cobrados nos próximos 13 anos.

A estimativa de gastos com juros – R$ 2,4 bilhões – foi feita à pedido do jornal Folha de São Paulo por Jorge Augustowski, diretor-executivo de economia da Anefac (Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade), com base na cópia dos contratos disponíveis na página da Transparência do governo federal na internet.

Com esse dinheiro, seria possível construir duas arenas como o Itaquerão.

Dos 12 estádios usados durante o torneio, 11 tiveram suas obras bancadas, em parte, com o dinheiro emprestado pelos bancos. Apenas o Mané Garrincha, o mais caro (R$ 1,4 bilhão), foi erguido usando somente recursos do caixa do Distrito Federal.

No total, os 11 estádios custaram R$ 7,1 bilhões. Nessa conta está incluído o custo dos juros de quatro arenas.

O dinheiro dos primeiros empréstimos começou a ser liberado em 2011. Como os contratos previam carência de dois a três anos (prazo para o início do pagamento), as prestações só começaram a ser cobradas neste ano.

Para os que bateram na porta dos bancos mais tarde – como Corinthians, Internacional e Atlético Paranaense –, a conta só começará a ser cobrada em 2015.

E ela não será barata. A primeira parcela do Corinthians terá de ser quitada em junho do ano que vem. O valor é estimado em R$ 4,8 milhões. Se a taxa de juros não mudar, o clube pagará o valor até o fim do contrato, de 155 meses.

Apesar da conta salgada, o governo federal destaca que as obras geraram empregos e garantiram a realização de um evento que trouxe dividendos para a economia.

Segundo o Ministério do Esporte, a construção e a reforma das arenas geraram 50 mil empregos diretos. A projeção de renda que será adicionada à economia brasileira com a Copa é de R$ 30 bilhões.

Mesmo critério
Os empréstimos para a construção dos estádios foram feitos com o mesmo critério de juros.

Os bancos cobrarão a variação da TJLP (Taxa de Juros de Longo Prazo), calculada a cada três meses pelo governo federal, mais uma taxa de 1,9% a 3,4%.

Se a TJLP ficar acima de 6% no ano, esse percentual extra só será cobrado ao final do empréstimo.

Atualmente, a TJLP está em 5% ao ano. Se ela se mantiver assim, o Corinthians terá que desembolsar R$ 57,4 milhões nos primeiros 12 meses de pagamento do empréstimo feito para levantar sua arena.

Os governos estaduais que pegaram empréstimos vão pagar taxa de juros menor (TJLP mais 1,9%).

O governo do Amazonas, por exemplo, que pegou R$ 400 milhões para construir a arena de Manaus, começou a pagar em fevereiro o empréstimo.

Só nos primeiros 12 meses, o estado gastará R$ 59,4 milhões para pagar a conta do estádio que recebeu quatro jogos da Copa.

Linha Especial
Nos estados em que a construção se deu em parceria com o setor privado (PPP), os empréstimos foram feitos em nome das empresas responsáveis pelas obras. Mas os governos estaduais repassarão os recursos para quitar a conta.

Como os empréstimos foram por meio de uma linha especial do governo, os juros estão abaixo do mercado. A taxa básica de juros do país hoje é de 11%.

Por causa disso, o BNDES, que é o principal financiador, é compensado pelo governo pela diferença entre a taxa que aplica no contrato e o que é praticado no mercado.

Em recente relatório, o TCU (Tribunal de Contas da União) estimou, com base em números do Ministério da Fazenda, que essa compensação custou aos cofres do governo federal cerca de R$ 400 milhões, entre 2011 e 2013.
Unica - inverno

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Governo cogita possibilidade de volta do horário de verão
Economia
Beneficiários do Bolsa Família começam a receber 6ª parcela do auxílio
Economia
Trabalhadores nascidos em novembro podem sacar auxílio emergencial
Economia
Projeto do Governo para reduzir conta de energia é aprovado na Assembleia
Economia
Motoristas de apps vão ter incentivos, o que deve melhorar a vida dos passageiros
Economia
Trabalhadores nascidos em outubro podem sacar auxílio emergencial
Economia
Procon-MS devolve quase meio milhão a consumidor no primeiro semestre de 2021
Economia
Trabalhadores nascidos em setembro podem sacar auxílio emergencial
Economia
Funcionário diz que JBS está sem realizar abate
Economia
Segundo Ministro das Comunicações, tecnologia 5G pode trazer U$ 1,2 tri em investimentos

Mais Lidas

Vídeos
Vídeo: Corna arrasta 'Ruivinha' pelos cabelos após descobrir traição
Geral
Mãe lamenta morte de jovem que bateu em caçamba de entulhos
Geral
Abandonada por amigos em deserto, brasileira morre de fome e sede
Polícia
Idoso de 68 anos toma muito 'azulzinho' e morre em motel