Menu
Busca segunda, 10 de maio de 2021
(67) 99647-9098
Gov_MS-Cresce_Maio21
Economia

Lâmpadas mais usadas no Brasil vão sumir das lojas em até um ano

10 junho 2014 - 11h29Via Folha
As lâmpadas incandescentes de 60 watts, as mais tradicionais para uso doméstico no Brasil, vão começar um gradual desaparecimento das lojas a partir do dia 1º de julho, em razão de uma determinação do governo. Daqui a um ano, não será permitido oferecê-las no varejo.

Isso acontece por causa de uma portaria de 2010 dos ministérios de Minas e Energia, Ciência e Tecnologia e Desenvolvimento que estipulou índices de eficiência para esses produtos. Mas os valores indicados são impossíveis de serem atingidos, o que inviabiliza a produção, explica Fábio Oliveira, engenheiro de produto da Lâmpadas Golden.

Outros países como Argentina e Estados Unidos e os da União Europeia já adotaram medida semelhante.

A partir do mês que vem, não será permitida a importação ou a fabricação de lâmpadas incandescentes que tenham entre 41 watts e 60 watts de potência – modelos acima de 61 watts já passaram por esse veto. A comercialização no varejo será vetada daqui a um ano, mas a expectativa no mercado é que os estoques terminem em cerca de seis meses.

Pelo cronograma, a partir de julho de 2016 não será possível comprar qualquer lâmpada incandescente, categoria que é a mais vendida no país. Foram 250 milhões de unidades comercializadas em 2013, de acordo com a Abilux (associação da indústria de iluminação), volume estável em relação a 2012 e 16% menor na comparação com 2011.

Na contramão, as vendas de lâmpadas de LED, que são praticamente todas importadas no Brasil, mais que duplicaram entre 2012 e 2013, chegando a 16,8 milhões de unidades.

Segundo a ABilumi (associação de importadores do setor), um dos motivos desse crescimento é a queda do preço. A entidade estima que o valor do produto, hoje em torno de R$ 40 nas de uso residencial, venha caindo 50% por ano.

"No primeiro momento, olhando o perfil do consumidor, as pessoas devem migrar primeiro para a fluorescente compacta, por causa do preço. Mas eles vão experimentar uma de LED", afirma Georges Blum, presidente da Abilumi.

De acordo com Oliveira, devem ser bastante procurados os modelos fluorescentes compactos de 15 watts, que hoje custam por volta de R$ 15, e de LED de 7 watts, que dão iluminação similar às de 60 watts incandescentes.

Entidades do setor afirmam que, apesar de custarem mais caro, esses modelos fazem com que o usuário gaste menos na conta de luz - são modelos mais eficientes do ponto de vista de energia e reduzem o desperdício, afirmam.

Nas contas de Isac Roizenblatt, diretor-técnico da Abilux, a migração de dez lâmpadas incandescentes para fluorescentes compactas gera uma economia de cerca de R$ 150 por ano na conta. No caso do LED, a redução é de R$ 200.
Girafa

Deixe seu Comentário

Leia Também

Cidade
Véspera do Dia das Mães lota centro da Capital
Economia
Beneficiários nascidos em junho podem sacar auxílio emergencial nesta sexta
Economia
Nascidos em maio podem sacar auxílio emergencial
Economia
Beneficiários nascidos em abril podem sacar auxílio emergencial
Economia
Trabalhadores nascidos em março podem sacar auxílio emergencial
Economia
Beneficiários nascidos em fevereiro podem sacar auxílio emergencial
Economia
Beneficiários com NIS final 0 recebem auxílio emergencial
Economia
MS tem alto índice de geração de empregos
Economia
Nascidos em dezembro recebem primeira parcela do auxílio emergencial
Economia
Auxílio emergencial é pago para nascidos em novembro

Mais Lidas

Polícia
Jacaré é capturado dando 'rolê' em cidade de MS
Internacional
Estados Unidos inicia vacinação contra a Covid-19 em Nova York
Polícia
Morador de rua tenta matar desafeto a pauladas no interior do Estado
Polícia
Briga por capacete acaba em tentativa de homicídio