Menu
Busca terça, 14 de julho de 2020
(67) 99647-9098
TJMS julho20
Economia

Licitação de R$ 42 milhões para obras do Anhanduí sai nessa semana

28 novembro 2011 - 09h13Pedro Peralta

O secretário de Infraestrutura, Transporte e Habitação, João Antônio De Marco, disse em entrevista ao programa Tribuna Livre, da FM Capital, que as propostas da licitação das obras de revitalização do córrego Anhanduí serão abertas nessa semana. As intervenções para contenção da erosão nas margens e canalização vão custar R$ 42 milhões. O dinheiro sairá do PAC 2 (Programa de Aceleração do Crescimento segunda etapa).

Campo Grande tem R$ 150 milhões consignados no PAC 2, incluindo os R$ 42 milhões para o Anhanduí, em toda extensão da avenida Ernesto Geisel. O secretário explicou que a revitalização inclui tratamento das margens (com concreto, gabião, estruturas armadas flexíveis ou grama). Somente depois dessa intervenção é que os problemas das enchentes mos bairros Marcos Roberto e Jóquei Clube serão resolvidos.

De Marco disse que o Plano Diretor de Drenagem prevê várias etapas de obras na Capital para resolver o problema de enchentes, como na região do shopping na avenida Afonso Pena. Nessa área, desde a primeira bacia de "detenção" e barreiras de contenção no Parque das Nações Indígenas, já foram construídas mais quatro, a última na rua Nelly Martins.

Outras regiões com processos de erosão, como no Nova Lima, saída para Rochedo, saída para São Paulo e Rádio Clube terão projetos específicos e a Prefeitura vai buscar outras fontes de recursos para iniciá-las.

No caso do Anhanduí, os recursos estão garantidos no PAC 2, mas as outras obras ainda dependem da alocação de verbas. O projeto do Nova Lima tem a promessa de R$ 5 milhões do Ministério da Integração. Como é uma área federal, do Ministério da Defesa, a liberação não demoraria. Nesta segunda-feira a Câmara Municipal faz audiência para discutir o problema.

O secretário de Infraestrutura disse que o prefeito Nelsinho Trad está preocupado com o retardamento na liberação de verbas federais. No caso do dinheiro da situação de emergência em razão das chuvas, até agora o Ministério da Integração não liberou nenhum centavo. "O prefeito estuda outras fontes de recursos, inclusive em outros ministérios", afirmou De Marco.

O dinheiro do PAC 2 será utilizado para resolver os problemas de alagamento da região do Jockey Clube e Marcos Roberto, no conjunto de obras do Anhanduí. A prefeitura pretende começar o trabalho de contenção na avenida Spipe Calarge, "instalando galerias para beber a água". O projeto deve ser executado em 10 meses.

O PAC 2 também vai garantir a continuidade da obra do Segredo, fazendo com que se efetive a ligação da Capital no sentido Norte/Sul. Atualmente a obra chegou no bairro Estrela do Sul. A prefeitura pretende abrir a avenida até a saída para Cuiabá. O secretário garantiu ainda que a prefeitura deve entregar todo o Complexo Buriti-Lagoa até o mês de dezembro, ligando a Via Morena à saída para Aquidauana.

Vacinne

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
FGTS: Caixa credita saque emergencial para nascidos em março
Economia
Confira: Caixa libera saque do 3º lote para nascidos em julho
Economia
Novo Toque de Recolher muda funcionamento dos shoppings de CG
Economia
Valor do leite sofre reajuste de 18% em MS durante a pandemia
Economia
230 mil empresários receberam indevidamente o auxílio de R$600, aponta TCU
Economia
Junho tem o maior volume de vendas do ano, diz Receita Federal
Economia
BNDES disponibiliza R$5 bi para micro, pequenas e médias empresas
Economia
Fiems e Banco do Brasil anunciam linha de crédito emergencial para empresários
Economia
Procon encontra variações de até 897% nos preços de produtos de inverno
Economia
Produção de petróleo em maio caiu devido pandemia

Mais Lidas

Política
Capital: Câmara testa plataforma de sessão remoto nesta quarta
Saúde
Justiça derruba liminar que obriga convênios a cobrirem o teste da Covid-19
Cidade
Com lockdown descartado, Abrasel quer restaurantes como atividade essencial
Internacional
Trump cita Brasil com grande problema na pandemia: “Não testa como nós”