Menu
Busca quarta, 25 de novembro de 2020
(67) 99647-9098
Sesi_protocolo de atendimento
Economia

Nacionalização não irá baratear os carros

18 junho 2012 - 11h48Reprodução

"O Brasil é um mercado estratégico para a nossa empresa." A frase é repetida quase como um mantra por executivos de grandes montadoras.

Com a venda de veículos em queda na Europa e a receptividade da economia brasileira, os fabricantes globais se preparam para intensificar sua atuação no país - vários importadores estão erguendo fábricas por aqui com o objetivo de nacionalizar seus modelos mais populares.

Entre eles estão as chinesas JAC Motors e a Chery, e a sul-coreana Hyundai.

As recentes medidas promovidas pelo governo, que elevaram os impostos de carros estrangeiros para até 55%, catalisam essa tendência.

A Folha consultou especialistas para saber até que ponto a nacionalização trará vantagens ao consumidor.

Com relação aos preços, a maioria acredita que a "tropicalização" não irá baratear os automóveis que passarão a ser produzidos aqui, porque a maioria já é comercializada a preço competitivo.

A principal explicação para esse fenômeno é creditada ao alto custo de produção local. Estudo da consultoria PwC feito em 2011 e patrocinado pela Anfavea (associação dos fabricantes) revelou que fabricar um carro no Brasil sai 60% mais caro do que um confeccionado na China, onde a mão de obra é farta.

A nacionalização, no entanto, desonera o produto de impostos e o livra do frete internacional, que exige logística sofisticada (e cara).

"E, mesmo que haja alguma redução [de custos], será preciso cobrir os investimentos na construção da fábrica", diz Luís Curi, vice-presidente da Chery. A marca está construindo uma linha em Jacareí, no interior do estado.

Para Sérgio Habib, presidente da JAC Motors, quando o volume de uma marca estrangeira chega a 100 mil carros por ano, "não dá para depender do câmbio ou ficar sujeito a mudanças repentinas nas regras de importação". Além disso, a logística para trazer esse volume de carros do exterior se torna mais complexa, diz.

Segundo José Carporal, da Megadealer, consultoria especializada no mercado automotivo, a chegada de novos fabricantes deve estimular a concorrência no setor.

Com produção local, o veículo tende ainda a deixar de sofrer com a carência de peças de reposição. Outra benesse é que ele passa a incorporar tecnologias regionais, como o motor flex.

Lucros
Apesar de os fabricantes afirmarem que o preço elevado dos carros feitos no país deve-se ao alto custo de produção e impostos, no ano passado, a indústria alcançou recorde histórico de lucros e dividendos remetidos ao exterior. Segundo balanço do Banco Central, em 2011 foram enviados US$ 5,58 bilhões -- 36,1% a mais que no ano anterior.

O governo avalia a possibilidade de cobrar reduções mais agressivas de preços, sobretudo quando houver incentivos como o anunciado em maio, que reduziu o IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados). Por lei, companhias de capital fechado, a maioria do setor, não são obrigadas a divulgar balancetes.

Via Folha

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Veja quem são os beneficiário que recebem parcela do auxílio nesta quarta
Economia
Caixa libera saques do auxílio emergencial para nascidos em junho
Economia
Nascidos em fevereiro recebem auxílio emergencial nesta segunda
Economia
Caixa faz novo pagamento do auxílio emergencial neste domingo
Economia
Mega-Sena pode pagar prêmio de R$ 75 milhões neste sábado
Economia
Com novo sistema, apostas nas lotéricas podem ser pagas com Pix
Economia
Veja quem são os beneficiários que recebem auxílio nesta sexta
Economia
MS impulsionará retomada da economia
Economia
Caixa paga 3ª parcela do auxílio para beneficiários do Bolsa Família
Economia
Mega-Sena sorteia hoje prêmio acumulado de R$ 50 milhões

Mais Lidas

Internacional
Morre Maradona, um dos gênios do futebol
Geral
Santa Casa suspende visitas hospitalares na unidade
Geral
MS tem melhor resultado na produção industrial já registrado em outubro
Saúde
Campo Grande passa de 43 mil infectados por coronavírus