Menu
Busca segunda, 17 de maio de 2021
(67) 99647-9098
TJMS - maio21
Economia

Piketty lamenta que Brasil não mostre dados da desigualdade

10 junho 2014 - 10h47Via G1
Autor do livro “Capital no século XXI”, o economista francês Thomas Piketty ficou conhecido mundialmente ao defender a tese de que a desigualdade aumentou nas últimas décadas, em alguns casos produzindo números mais próximos do Século XIX. No programa Milênio, da GloboNews, Piketty conversou com o repórter Jorge Pontual sobre a desigualdade econômica e lamentou que os dados da Receita Federal sobre distribuição de renda e riqueza no Brasil não estejam disponíveis para pesquisadores como ele. “A falta de transparência sobre a desigualdade da renda e do patrimônio representa um problema para a democracia”, afirmou Piketty.

O economista, que não se opõe à globalização, admitiu que um certo nível de desigualdade pode existir sem que isso seja um problema em si. Mas ele alertou, no entanto, para os riscos do acúmulo excessivo de riqueza por parte de uma pequena minoria. "A desigualdade pode ser necessária, útil para a inovação, para o crescimento, contanto que ela seja razoável. O problema é quando a desigualdade se torna extrema", explicou Piketty.

Thomas Piketty fez questão de frisar que não é marxista. “Faço parte da primeira geração pós-Guerra Fria que pode reexaminar essa questão de desigualdade no capitalismo de um jeito, talvez, um pouco menos ideológico do que as gerações anteriores”, diz o economista. “Marx considerava que existia uma lei no capitalismo que iria levá-lo ao desmoronamento: por meio da baixa tendencial da taxa de lucro. Ele dizia que o rendimento vai a zero e tudo vai desmoronar. Já eu digo que, do ponto de vista estritamente econômico, pode-se perfeitamente ter um rendimento do capital que para sempre será, digamos, de 5% por ano, e uma taxa de crescimento que será sempre em torno de 1% por ano, e isso não causa problema do ponto de vista puramente econômico”, acrescentou.

Em relação ao Brasil, Piketty avaliou que, nos últimos 20 anos, houve um crescimento econômico relativamente bem distribuído que permitiu o aumento do poder aquisitivo e dos salários. Mas ressaltou que praticamente não se sabe como evoluiu o topo da pirâmide social em relação à média. E afirmou: “O Brasil, apesar do bom desempenho econômico e social nos últimos anos, segue sendo um país com um grau de desigualdade na distribuição extremamente forte”.
Girafa

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Saque do auxílio está disponível para beneficiários nascidos em dezembro
Brasil
Caixa inicia pagamento da 2ª parcela do auxílio; confira o calendário
Economia
Caixa antecipa 2ª parcela do auxílio emergencial; veja o calendário
Economia
Saque do auxílio emergencial está disponível para novo grupo
Economia
Beneficiários nascidos em setembro podem sacar auxílio emergencial
Economia
Beneficiários nascidos em julho podem sacar auxílio emergencial
Cidade
Véspera do Dia das Mães lota centro da Capital
Economia
Beneficiários nascidos em junho podem sacar auxílio emergencial nesta sexta
Economia
Nascidos em maio podem sacar auxílio emergencial
Economia
Beneficiários nascidos em abril podem sacar auxílio emergencial

Mais Lidas

Polícia
Jacaré é capturado dando 'rolê' em cidade de MS
Internacional
Estados Unidos inicia vacinação contra a Covid-19 em Nova York
Polícia
Morador de rua tenta matar desafeto a pauladas no interior do Estado
Polícia
Briga por capacete acaba em tentativa de homicídio