Menu
Busca sexta, 05 de março de 2021
(67) 99647-9098
Economia

Prefeitura decide licitar nova concessão de transporte coletivo na Capital

11 agosto 2011 - 11h27Arquivo

A Prefeitura de Campo Grande decidiu iniciar nesta quarta-feira o procedimento de abertura para novo processo de licitação para concessão do transporte coletivo urbano e, em consequência, a rescisão antecipada do contrato com as empresas permissionárias do transporte urbano que integram a Assetur, previsto para terminar em julho de 2014.

As informações foram dadas nesta quarta-feira, no Paço Municipal, pelo procurador jurídico do Município, Ernesto Borges. Segundo ele, as decisões foram tomas pelo prefeito Nelsinho Trad (PMDB) que se mostrou insatisfeito com o rumo das negociações.

O certame não deve ficar pronto em menos de seis meses. Até lá, conforme Borges, a prefeitura tem todos os mecanismos jurídicos de garantir a manutenção da qualidade do serviço na Capital, inclusive, com aplicação de multas.

"É uma fase de briga. Caso o sistema sofra qualquer tipo de problema o município tem ferramentas para restabelecer a ordem", ameaçou Borges.

A cúpula da administração de Campo Grande ficou irritada com a dificuldade em negociar com a Assetur, já que contrato atual com a empresa foi regido há 13 anos e a empresa se mostrou irredutível durante a negociação ao avisar que só faria os investimentos exigidos pela Prefeitura caso o contrato fosse prorrogado ou a tarifa reajustada, hipótese rejeitada pelo município.

Além disso, prossegue Borges, uma nova licitação definiria projeto para o transporte coletivo de Campo Grande mais moderno, acompanhando o PAC 2 (Programa de Aceleração do Crescimento) da Mobilidade Urbana.

Ainda conforme o procurador, a ruptura do contrato e a abertura do certame não comprometerão o pleito para a cidade receber os investimentos do PAC. "Pelo contrário vamos mostrar que estamos atitude", garantiu.

Borges esteve reunido nesta tarde com o diretor presidente da Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito), Rudel Trindade, e Marcelo Amaral, da Agência de Regulação e Serviços, para debaterem o assunto.

Segundo Rudel, a decisão foi tomada para antecipar a melhoria do transporte coletivo urbano da Capital, ao invés de aguardar o término do contrato atual em 2014. "O contrato atual tem 13 anos, a cidade cresceu, surgiram novos elementos, sobretudo de modernização. O transporte coletivo ainda será cobrado sobre outros pontos, como o comprometimento com o meio ambiente, enfim, não poderíamos esperar", comentou.

Rudel e Ernesto Borges falam do embate jurídico criado entre prefeitura e Assetur. (Foto: João Garrigó) O Campo Grande News entrou em contato com a Assetur. A entidade informou, por meio de sua assessoria, que não vai se pronunciar sobre o assunto.

Entenda

A proposta das empresas que detêm o controle do transporte coletivo urbano de Campo Grande apresentada ontem à tarde à Prefeitura teria proposto tarifa que passaria dos R$ 3. O documento, que causou irritação ao prefeito, faz parte da negociação entre empresas e prefeitura, que já se arrasta há meses.

Campo Grande pleiteia recursos para o PAC 2 da Mobilidade Urbana, projeto orçado em R$ 280 milhões para viabilização de corredores de ônibus. Em contrapartida, as empresas de transporte coletivo urbano do município devem fazer investimento que gira em torno de R$ 40 milhões e aí que está o ponto de discórdia.

Os empresários argumentam que os valores exigidos pela Prefeitura para execução do projeto, como ampliação da frota, com ônibus articulados e veículos com câmera, são altos para o contrato que dura mais três anos. Eles querem ou a renovação do contrato ou novo aumento da tarifa, que já ocorreu este ano.

PAC 2

No início de julho, Nelsinho foi ao Ministério das Cidades para pleitear R$ 280 milhões em projetos no PAC da Mobilidade Urbana. Do total solicitado, R$ 160 milhões são para implantação de 68 km de corredor para o transporte coletivo.

Os projetos selecionados serão anunciados em agosto, provavelmente no dia 26, mas o ministério já exigiu mudanças no transporte coletivo campo-grandense com custo orçado em R$ 40 milhões. Pelos corredores de ônibus, devem circular linhas como Aero Rancho/Centro, Nova Bahia/Centro e Guaicuru/Shopping.

Para atender o Ministério das Cidades, a frota deverá ser ampliada em 30%, além de mais 20 ônibus articulados e todos os veículos com câmera. Também foi exigido acessibilidade em 100% da frota, que hoje chega a 75% dos veículos. Os ônibus deverão ser dotados de GPS e as empresas deverão disponibilizar informações aos usuários, inclusive, por meio do celular.

Peniel - amigos da pizza

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Crise: PIB recua 4,1% em 2020 com 3ª pior queda da história
Economia
Painéis solares vão garantir energia elétrica a 5 mil no Pantanal
Economia
Salário de fevereiro já está na conta dos servidores públicos
Economia
Primeira parcela do novo auxílio será paga neste mês, diz Arthur Lira
Economia
Governo do Estado paga servidores nesta segunda-feira
Economia
Governo congela pauta da gasolina por 15 dias e prevê economia de R$ 0,15
Economia
Governo Federal obriga postos a detalharem preço dos combustíveis
Economia
Para acabar com ICMS, Reinaldo quer fundo de compensação
Economia
Para Longen, 2021 será o ano de retomada da economia
Economia
Petrobras anuncia 4º aumento de gasolina no ano; diesel tem 3ª alta

Mais Lidas

Polícia
Jacaré é capturado dando 'rolê' em cidade de MS
Internacional
Estados Unidos inicia vacinação contra a Covid-19 em Nova York
Polícia
Morador de rua tenta matar desafeto a pauladas no interior do Estado
Polícia
Briga por capacete acaba em tentativa de homicídio