Menu
Busca sexta, 25 de setembro de 2020
(67) 99647-9098
TJMS setembro20
Economia

Produção industrial cresce em 7 de 14 regiões em agosto, diz IBGE

08 outubro 2013 - 11h18Via G1
Em agosto, a produção industrial cresceu em 7 dos 14 locais pesquisados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), conforme pesquisa divulgada nesta terça-feira (08). No oitavo mês do ano, a produção industrial brasileira ficou estagnada na comparação com julho e recuou 1,2% em relação a agosto de 2012.

Paraná (3,6%), Goiás (1,7%) e Santa Catarina (1,6%) tiveram os maiores avanços, seguidos por Ceará (1,0%), São Paulo (0,6%), Minas Gerais (0,3%) e Rio Grande do Sul (0,2%).

Na contramão, entre os que mostraram recuo, a Bahia registrou a queda mais intensa no mês, de 8,6%, e interrompeu a sequência de cinco altas. Também foram verificadas baixas no Rio de Janeiro (-4,2%), na Região Nordeste (-2,2%), no Pará (-1,6%) e no Espírito Santo (-1,4%). Tiveram taxas negativas, mas menores, Pernambuco (-0,8%) e Amazonas (-0,7%).

 Em relação ao mesmo período de 2012, a indústria recuou 1,2%, mostrando baixas em nove dos 14 locais pesquisados. As quedas partiram do Espírito Santo (-5,9%), de Minas Gerais (-4,5%), do Rio de Janeiro (-3,9%), de São Paulo (-3,4%), do Amazonas (-3,2%), do Pará, de Pernambuco (-0,4%), da Bahia (-0,3%) e da Região Nordeste (-0,2%).

Por outro lado, Paraná (12,3%), Rio Grande do Sul (5,8%), Ceará (5,6%), Goiás (2,0%) e Santa Catarina (1,5%) registraram os resultados positivos nessa comparação.

No indicador acumulado no ano, 11 dos 14 locais pesquisados apontaram alta na produção: Rio Grande do Sul (6,0%), Bahia (5,9%), Paraná (3,1%), Goiás (3,0%), Ceará (2,7%), Amazonas (2,3%) e Região Nordeste (2,0%). Já São Paulo (1,6%), Santa Catarina (1,0%), Rio de Janeiro (0,9%) e Pernambuco (0,9%) foram os demais locais com acumulados no ano positivos.

De acordo com o IBGE, nesses locais, o maior dinamismo foi influenciado pelo aumento na fabricação de bens de capital e de bens de consumo duráveis, além da maior produção no refino de petróleo, na produção de álcool, produtos têxteis, calçados e artigos de couro e alimentos.

Por outro lado, Espírito Santo (-8,4%) e Pará (-7,7%) assinalaram as perdas mais acentuadas, refletindo a menor produção de metalurgia básica e alimentos, no primeiro local, e de indústrias extrativas e metalurgia básica, no segundo. Minas Gerais também teve resultado negativo (-0,8%) no índice acumulado no ano.
Rota do Pantanal

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Abertura da fronteira depende de Bolsonaro
Economia
Sebrae lança cartilha para estimular debate do empreendedorismo na campanha
Economia
Caixa deposita auxílio para 4 milhões de brasileiros hoje
Economia
Beneficiários do Bolsa Família recebem hoje parcela de R$ 300 do auxílio
Economia
Vídeo mostra protesto em Pedro Juan
Economia
FGTS está na conta dos trabalhadores nascidos em dezembro
Economia
Nascidos em julho recebem auxílio hoje e poderão sacar em outubro
Economia
Brasil e Paraguai assinam acordo para reabrir a fronteira
Economia
Pagamentos do Ciclo 1 do auxílio emergencial estão concluídos
Economia
Sidrolândia ganha unidade produtora de leitões que vai gerar 100 empregos

Mais Lidas

Cidade
Prefeitura libera apresentação de artistas de outros estados, na capital
Geral
Sexta-feira terá live de Gusttavo Lima e Daniel, Duda Beat e Nando Reis
Cidade
Mais de 5 mil aulas para 1º CNH foram realizadas de forma online em MS
Política
Chapa do PSDB quer “dar voz” a sociedade