Menu
Busca segunda, 25 de janeiro de 2021
(67) 99647-9098
Governo Futebol
Economia

Quase 70% dos bancários de Campo Grande aderem à greve

28 setembro 2011 - 15h19Divulgação

No primeiro de dia da greve dos Bancários de Campo Grande e Região, ontem, a adesão foi de 69% de todos os trabalhadores ativos, números contabilizados na avaliação do comando da greve na Capital no final da tarde. Do universo de 2.500 bancários, 1.650 cruzaram os braços e das 100 agências, 69 não funcionaram na terça-feira, dia 27.

O comando da greve avalia como positiva esta situação, em função da paralisação estar apenas começando e mesmo aqueles bancários que foram trabalhar e aquelas agências, muitas delas fora do centro da cidade, que não foram alcançadas pelo movimento grevista, a partir de amanhã, este número pode mudar.

"Esperamos que a força da greve faça com que os bancos apresentem uma proposta que garanta emprego decente aos bancários. Com lucros acima de R$ 27,4 bilhões obtidos somente no primeiro semestre deste ano, os bancos possuem todas as condições de atender as reivindicações da categoria, de modo a valorizar o trabalhador, distribuir renda, reduzir desigualdades e contribuir para o desenvolvimento do país", avalia Iaci Terezinha Azamor, presidente do Sindicato dos Bancários de Campo Grande.

A greve aprovada pela categoria, no último dia 22, teve a chance de não acontecer, na sexta-feira, quando mais uma rodada de negociação foi realizada com a Fenaban (Federação Nacional dos Bancos), na esperança de haver uma melhora na proposta anterior que foi de 7,8% sobre todos os itens econômicos da pauta de reivindicação. Ao invés disso, os banqueiros menosprezaram a categoria, oferecendo apenas 8% de reajuste, ou seja, apenas 0,56% de aumento real, ficando muito aquém do que a categoria deseja nesta negociação, que é uma reivindicação de 12,8% de reajuste (sendo 5% de ganho real mais a inflação do período). Além de lutar por um índice reajuste de 12,8%, a categoria reivindica ainda o fim da rotatividade nos postos de trabalho, mais contratações, fim das metas abusivas, combate ao assédio moral, mais segurança, igualdade de oportunidades e inclusão bancária sem precarização, dentre outros itens.

Sabendo dos transtornos que isso causaria a população, os bancários estão nas portas dos bancos explicando os motivos da greve e pedindo apoio e a compreensão dos clientes e usuários, que sofrem com as altas taxas de juros, as tarifas exorbitantes, as filas intermináveis pela falta de funcionários, a insegurança e a precarização do atendimento bancário.

senar janeiro21

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Loja virtual terá produtos excluvisos de profissionais de MS
Economia
Repasses a municípios de MS cresceram 10% em 2020
Economia
Governo autoriza cessão da Gruta do Lago Azul ao município de Bonito
Economia
Governo federal lança sistema para simplificar a abertura de empresas
Economia
Nascidos em setembro podem sacar parcela do auxílio nesta quarta
Economia
Pagamento do calendário 2021 do Bolsa Família começa nesta segunda
Economia
Caixa libera saque do auxílio emergencial para nascidos em agosto
Economia
Mega-Sena acumula e próximo concurso deve pagar R$ 17 milhões
Economia
Depois de 17 anos, Paulo Ponzini volta à Presidência do Corecon-MS
Economia
Número de pessoas inadimplentes cai no fim de 2020

Mais Lidas

Polícia
Jacaré é capturado dando 'rolê' em cidade de MS
Internacional
Estados Unidos inicia vacinação contra a Covid-19 em Nova York
Polícia
Morador de rua tenta matar desafeto a pauladas no interior do Estado
Polícia
Briga por capacete acaba em tentativa de homicídio