Menu
Busca quinta, 22 de outubro de 2020
(67) 99647-9098
Governo/Dengue
Economia

Quase 70% dos bancários de Campo Grande aderem à greve

28 setembro 2011 - 15h19Divulgação

No primeiro de dia da greve dos Bancários de Campo Grande e Região, ontem, a adesão foi de 69% de todos os trabalhadores ativos, números contabilizados na avaliação do comando da greve na Capital no final da tarde. Do universo de 2.500 bancários, 1.650 cruzaram os braços e das 100 agências, 69 não funcionaram na terça-feira, dia 27.

O comando da greve avalia como positiva esta situação, em função da paralisação estar apenas começando e mesmo aqueles bancários que foram trabalhar e aquelas agências, muitas delas fora do centro da cidade, que não foram alcançadas pelo movimento grevista, a partir de amanhã, este número pode mudar.

"Esperamos que a força da greve faça com que os bancos apresentem uma proposta que garanta emprego decente aos bancários. Com lucros acima de R$ 27,4 bilhões obtidos somente no primeiro semestre deste ano, os bancos possuem todas as condições de atender as reivindicações da categoria, de modo a valorizar o trabalhador, distribuir renda, reduzir desigualdades e contribuir para o desenvolvimento do país", avalia Iaci Terezinha Azamor, presidente do Sindicato dos Bancários de Campo Grande.

A greve aprovada pela categoria, no último dia 22, teve a chance de não acontecer, na sexta-feira, quando mais uma rodada de negociação foi realizada com a Fenaban (Federação Nacional dos Bancos), na esperança de haver uma melhora na proposta anterior que foi de 7,8% sobre todos os itens econômicos da pauta de reivindicação. Ao invés disso, os banqueiros menosprezaram a categoria, oferecendo apenas 8% de reajuste, ou seja, apenas 0,56% de aumento real, ficando muito aquém do que a categoria deseja nesta negociação, que é uma reivindicação de 12,8% de reajuste (sendo 5% de ganho real mais a inflação do período). Além de lutar por um índice reajuste de 12,8%, a categoria reivindica ainda o fim da rotatividade nos postos de trabalho, mais contratações, fim das metas abusivas, combate ao assédio moral, mais segurança, igualdade de oportunidades e inclusão bancária sem precarização, dentre outros itens.

Sabendo dos transtornos que isso causaria a população, os bancários estão nas portas dos bancos explicando os motivos da greve e pedindo apoio e a compreensão dos clientes e usuários, que sofrem com as altas taxas de juros, as tarifas exorbitantes, as filas intermináveis pela falta de funcionários, a insegurança e a precarização do atendimento bancário.

CertFica

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Dólar fecha em queda pelo segundo dia seguido
Economia
Caixa já disponibilizou mais de R$ 25 bilhões para micro e pequenas empresas na pandemia
Economia
Procon Estadual tem atendimento especializado para superendividados
Economia
Saques de recursos do auxílio está disponível para nascidos em novembro
Economia
Dólar cai e fecha a R$ 5,60 com esperança de estímulo fiscal nos EUA
Economia
Ninguém acerta as seis dezenas e Mega-Sena vai a R$ 32 milhões
Economia
IGP-M sinaliza alta nos aluguéis
Economia
Mega-Sena sorteia nesta terça-feira prêmio de R$ 29 milhões
Economia
Saque do auxílio para beneficiários do Ciclo 2 já está disponível
Economia
Dólar fecha abaixo de R$ 5,60 com recuperação da China

Mais Lidas

Polícia
Carta de arrependimento é escrita por advogado que matou PM no trânsito
Cidade
Detran-MS promete agilizar atendimento utilizando totens de serviços
Economia
Dólar fecha em queda pelo segundo dia seguido
Justiça
Em sessão "sofrida", MS ganha julgamento do gás boliviano