Menu
Busca quarta, 25 de novembro de 2020
(67) 99647-9098
TJMS Novembro20 Juizado de transito
Economia

Reajuste de energia elétrica será de 17,49% no MS

06 abril 2011 - 20h40Arquivo

A conta de energia elétrica de 815 mil consumidores sul-mato-grossenses, de 73 municípios, vai sofrer reajuste médio de 17,49% a partir desta sexta-feira. O tarifaço será maior, de 18,57%, para os 653,6 mil residências, conforme o aumento autorizado pela Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) ontem. O reajuste será superior ao pleito de 17,56% solicitado pela Enersul (Empresa Energética de mato Grosso do Sul). Os consumidores de alta tensão vão pagar 14,82% a mais.

Os consumidores vão arcar com as consequências da devolução de R$ 151,2 milhões, que foram cobrados indevidamente pela concessionária após erro no cáculo da revisão tarifária de 2003 a 2008. Conforme o relator do processo e diretor da Aneel, Romeu Rufino, a devolução elevou o percentual do reajuste em 5,16 pontos percentuais, de 12,33% para 17,49%. “Ele (o ressarcimento) deixa de existir, por isso faz o componente financeiro ser tão importante”, justificou-se Rufino.

Inflação

Nos últimos nove anos, a conta de energia elétrica teve aumento de 186% no Brasil, enquanto a inflação acumulada foi de 86%. Nunca o órgão regulador considerou o fator inflacionário para beneficiar o consumidor. No entanto, neste ano, o relator recorreu ao IGPM para conceder reajuste maior à Enersul. Ele argumentou que, entre 2007 e 2011, a energia em Mato Grosso do Sul subiu menos que a inflação. O IGPM ficou em 31,14% no período, enquanto o reajuste foi de 16%.

O aumento deste ano é 11,48 pontos percentuais superior à inflação oficial (6,01%), medida pelo IPCA, e quatro vezes superior a meta de 4,5% estabelecida pelo Banco Central.

“Achamos o percentual muito alto, mas somos os guardiões da lei e do contrato. Fizemos ações tentando reduzir, mas não fomos bem sucedidos”, explicou-se o relator do processo.

O percentual autorizado à Enersul é 10,25 pontos percentuais acima dos 7,24% concedidos à Cemig, concessionária responsável pelo fornecimento de energia a 7 milhões de consumidores em Minas Gerais. Até o diretor-geral da Aneel, Nelson Hubner, tentou justificar o tarifaço da Enersul. “No processo de reajuste temos pouca margem de manobra, nossa função é respeitar os contratos, a função voluntarista da agência vai cair em ações judiciais. Não gostamos de ter tarifas elevadas, mas é nossa função cumprir os contratos”, disse, ao responder aos questionamentos dos deputados estaduais Marquinhos Trad (PMDB) e Paulo Corrêa (PR), que foram à Brasília acompanhar a reunião.

Segunda maior

Com a decisão da Aneel, a tarifa cobrada pela Enersul passa a ser a segunda maior do país, com custo de R$ 0,4309 o quilowatt/hora, abaixo do valor cobrado pela Energisa Minas Gerais - Distribuidora de Energia S.A, de R$ 0,43907. “Ficaremos em segundo até o reajuste de outras distribuídoras, que começam a ocorrer ainda este mês. Devemos ficar em 12 ou 13 no ranking depois de junho”, destacou Trad, completando que “eles estão restritos a contratos, eles ficam congelados, engessados dentro do contrato. O que deu para fazer contratualmente foi feito”.

Com informações do jornal Correio do Estado.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Veja quem são os beneficiário que recebem parcela do auxílio nesta quarta
Economia
Caixa libera saques do auxílio emergencial para nascidos em junho
Economia
Nascidos em fevereiro recebem auxílio emergencial nesta segunda
Economia
Caixa faz novo pagamento do auxílio emergencial neste domingo
Economia
Mega-Sena pode pagar prêmio de R$ 75 milhões neste sábado
Economia
Com novo sistema, apostas nas lotéricas podem ser pagas com Pix
Economia
Veja quem são os beneficiários que recebem auxílio nesta sexta
Economia
MS impulsionará retomada da economia
Economia
Caixa paga 3ª parcela do auxílio para beneficiários do Bolsa Família
Economia
Mega-Sena sorteia hoje prêmio acumulado de R$ 50 milhões

Mais Lidas

Internacional
Morre Maradona, um dos gênios do futebol
Geral
Santa Casa suspende visitas hospitalares na unidade
Geral
MS tem melhor resultado na produção industrial já registrado em outubro
Saúde
Campo Grande passa de 43 mil infectados por coronavírus