Menu
Busca quarta, 22 de janeiro de 2020
(67) 99647-9098
Perkal Topo - janeiro-20
Economia

Senado mantém abono salarial para quem ganha até dois mínimos

Proposta reduz economia da reforma da Previdência em R$ 76,4 bilhões

02 outubro 2019 - 07h15Priscilla Porangaba, com informações da Agência Brasil

Com a queda no quórum, o governo sofreu uma derrota na votação de um dos destaques da reforma da Previdência. Na madrugada desta quarta-feira (2), o Plenário do Senado derrubou a restrição do abono salarial a quem ganha até R$ 1.364,43.

Com a retirada do ponto da proposta de emenda à Constituição (PEC), a economia com a reforma da Previdência cai para R$ 800,2 bilhões nos próximos dez anos.

Com a derrota, o abono salarial continuará a ser pago aos trabalhadores - com carteira assinada há pelo menos cinco anos - que recebem até dois salários mínimos.

A restrição do pagamento do abono salarial geraria economia de R$ 76,2 bilhões ao governo nos próximos dez anos, segundo o Ministério da Economia.

O governo precisava de 49 votos para derrubar o destaque apresentado pelo Cidadania e manter a restrição ao abono salarial, que constava do texto aprovado pela Câmara dos Deputados e pela Comissão de Constituição e Justiça do Senado, mas teve sete votos a menos que o necessário.

O destaque obteve 42 votos sim que manteria o texto da Câmara e 30 votos não que retiraria o ponto da reforma, mas a maioria foi insuficiente para manter a restrição.

Destaques rejeitados

Logo depois da derrota, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), encerrou a sessão e marcou a continuação da votação dos destaques para as 11h desta quarta-feira. Antes de perder a votação do abono salarial, o governo tinha conseguido derrubar dois destaques com maioria folgada. Um destaque de autoria do Podemos foi retirado mediante acordo.

De autoria do MDB, o primeiro destaque rejeitado foi uma emenda de redação que impediu que o texto-base da PEC da reforma da Previdência fosse alterado e voltasse para a Câmara. O governo venceu a votação por 75 a 0.

O segundo destaque rejeitado, apresentado pelo PT, buscava restabelecer a aposentadoria por periculosidade para profissões de risco, como motoboys, vigilantes, guardas municipais e de trânsito, seguranças e agentes que manuseiam explosivos. A proposta foi derrubada por 71 votos a 3.

Um destaque do Podemos que buscava restabelecer a autorização para que prefeituras criassem regimes próprios de Previdência para os servidores foi retirado pelo partido, depois de dúvidas se a proposta alteraria o mérito da reforma da Previdência e acarretaria o retorno do texto para a Câmara dos Deputados.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Brasil e Alemanha assinam acordo de cooperação no setor agrícola
Economia
Mato Grosso do Sul é o maior exportador de tilápia do Brasil
Economia
Receita Federal recupera R$ 5,2 bilhões em dívidas de empresas
Economia
Com simplificação no processo, MS bate recorde em abertura de negócios
Economia
Campo Grande é campeã em novas empresas em 2019
Economia
Dólar sobe mais uma vez e fecha o dia a R$ 4,19
Economia
Refis segue até março com superdescontos
Economia
PIS pode ser sacado nesta quinta para nascidos em janeiro e fevereiro
Economia
Brasil está se adequando para ser membro pleno da OCDE, diz Bolsonaro
Economia
Receita paga restituições do lote residual de janeiro do IRPF nesta quarta

Mais Lidas

Polícia
Motociclista fica gravemente ferido após acidente
Internacional
China confirma 17 mortes pelo coronavírus
Polícia
Pesca durante piracema faz pescadores levarem multa de R$ 5 mil
Polícia
Homem é assassinado com facada no pescoço