Menu
Busca sexta, 18 de setembro de 2020
(67) 99647-9098
Sebrae - Portas Abertas
Economia

Vendas no varejo brasileiro crescem 0,7% em novembro, diz IBGE

16 janeiro 2014 - 10h10Via G1
As vendas do comércio varejista brasileiro cresceram 0,7% em novembro, segundo dados divulgados nesta quinta-feira (16) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Essa foi a nona alta mensal seguida do indicador, que ganhou força quando comparada à taxa de outubro, de 0,3% (dado revisado). A receita nominal do setor cresceu 1,1% na comparação com o mês anterior, também acima da taxa de outubro, que fora de 0,8%.

Na comparação com novembro do ano anterior, o volume de vendas cresceu 7%, enquanto a receita teve alta de 13,8% no mesmo período. No ano, as vendas cresceram 4,3%, e a receita, 12%. E em 12 meses, 4,4% e 11,9%, respectivamente.

Segundo o IBGE, as vendas de veículos e motos, partes e peças tiveram o maior crescimento em relação a outubro, ao registrar uma alta de 2,5%.

Outras oito atividades do varejo mostraram avanço: artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (1,6%); tecidos, vestuário e calçados (1,5%); móveis e eletrodomésticos (1,5%); Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (1,1%) e combustíveis e lubrificantes (1,1%).

Também cresceram, mas a uma taxa menor que a das outras atividades, outros artigos de uso pessoal e doméstico (0,7%); livros, jornais, revistas e papelarias (0,6%) e material de construção (0,5%). A única queda foi partiu de equipamentos de escritório, informática e comunicação (-2,1%).

Em relação a novembro de 2012, o volume de vendas em hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo cresceu 5,7% e segue como o principal impacto sobre o varejo total.

"A despeito do aumento do poder de compra da população, a atividade continua abaixo da média, refletindo os preços do setor que, nos últimos doze meses, cresceram acima da inflação. Os acumulados foram de 1,9% no ano e de 2,3% para os últimos 12 meses", disse o IBGE, em nota.

Na sequência, por ordem de importância, aparecem móveis e eletrodomésticos, cujo crescimento foi de 9,1% e combustíveis e lubrificantes, com alta de 8,7%.  Outros artigos de uso pessoal e doméstico, que engloba lojas de departamentos, ótica, joalheria, artigos esportivos, brinquedos etc., exerceram a quarta maior contribuição, com avanço de 7,8% no volume de vendas.

Crescimento no Norte
Frente a 2012, vinte e seis unidades da federação tiveram aumento, principalmente Rondônia (16,9%), Acre (13,7%); Maranhão (13,4%), Paraíba (12,0%) e Paraná (10,0%). A única queda foi em Roraima (-1,3%).

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Brasil e Paraguai assinam acordo para reabrir a fronteira
Economia
Pagamentos do Ciclo 1 do auxílio emergencial estão concluídos
Economia
Sidrolândia ganha unidade produtora de leitões que vai gerar 100 empregos
Economia
Caixa paga auxílio para 3,9 mi de beneficiários hoje; veja quem recebe
Economia
Comércio na fronteira terá liberação "meia boca"
Economia
Caixa paga abono salarial nesta segunda; veja quem recebe
Economia
FGTS: Caixa deposita hoje para trabalhadores nascidos em novembro
Economia
Economista aponta três fatores para aumento no preço dos alimentos
Economia
Veja quem recebe o auxílio emergencial nesta sexta
Economia
Retomada do Turismo gera expectativa no setor

Mais Lidas

Oportunidade
Prefeitura oferece cursos online gratuitos e com certificado
Saúde
Quinze pediatras atenderão nas unidades de saúde da capital nesta manhã
Geral
Estudante morre depois de procedimento estético em clínica clandestina
Clima
Céu ficará nublado na capital e máxima não deve passar dos 35°C