Menu
Busca terça, 25 de junho de 2019
(67) 99647-9098
Entrevista

'As condições do mercado para os artistas do MS são restritas', diz Jair Damasceno

18 julho 2011 - 16h46Sato Comunicação

Nascido em Tefé-AM, Jair Damasceno é formado em Pedagogia e pós graduado em Administração de Recursos Humanos . No entanto, em 1973 iniciou suas atividades como ator de teatro, e em 1975 como bailarino. Desde então, expande e compartilha suas experiências na área artística através da dança e teatro, como ator, diretor, professor, dramaturgo, preparador corporal dentre outras funçõe;, já tendo recebido nove homenagens como artista atuante.

Jornal de Domingo - Qual é a sua visão sobre o mercado de trabalho para os artistas do Mato Grosso do Sul?

Jair Damasceno - As condições do mercado para os artistas do MS são restritas, tanto na Capital como no interior. As dificuldades são muitas, principalmente pela ausência de uma visão empresarial "vocacionada" para o investimento na produção artística regional. Essa realidade dificulta maior investimento do artista na sua profissionalização. Por outro lado, começam a surgir cursos na área acadêmica voltados para áreas distintas, mas não dispomos de cursos técnicos profissionalizantes, que como em qualquer profissão, são essenciais.

E investimentos como o do Fundo de Investimentos Culturais, o FIC, são de fundamental importância para a formação e capacitação de profissionais das artes cênicas. Recentemente, um projeto meu juntamente com a atriz Gláucia Pires foi aprovado, e estamos capacitando atores e bailarinos em um curso intensivo, chamado "Da Criação à Cena", que será realizado até o dia 30 de julho.

Jornal de Domingo - Como as políticas de incentivo podem auxiliar os artistas do Estado?

Jair Damasceno - Apesar dos investimentos serem tímidos, suprem parte das necessidades, tanto no que diz respeito à produção e difusão dos bens culturais, quanto à possibilidade de capacitar os profissionais. São essas políticas que possibilitam alguma visibilidade ao artista do MS.

Jornal de Domingo - Na sua opinião a cultura sul-mato-grossense é valorizada?

Jair Damasceno - Difícil falar sobre isso sem referir-se o fato de que historicamente houve pouco investimento e não apenas financeiro, na cultura brasileira. A população é sedenta de cultura e arte porque são elementos inerentes ao próprio ser humano, mas não são vistos como prioridade.

Jornal de Domingo - Temos muitos artistas no Estado, no entanto poucos conseguem sobreviver de sua arte. Quais são as possíveis alternativas para que esses profissionais possam se sustentar com seu trabalho?

Jair Damasceno - Fundamentalmente a mudança de paradigma, no que diz respeito à percepção da importância da arte e cultura.

Jornal de Domingo - Como os artistas do Estado podem formar novos espaços culturais no MS e como aproveitar os já existentes?

Jair Damasceno - Pela organização e reivindicação junto às autoridades e à comunidade empresarial.]

Jornal de Domingo - Considerando que cultura é também educação, qual é a importância da dança, da música, do teatro no desenvolvimento do ser humano?

Jair Damasceno - São elementos transformadores, educativos e conscientizadores.

Jornal de Domingo - Qual a importância do incentivo de projetos e oficinas culturais na infância?

Jair Damasceno - Importantes para despertar a visão de mundo do ser em formação. E restrita porque não há continuidade para permitir inclusive o surgimento de maior número de artistas.

Jornal de Domingo - Qual o significado do teatro de rua e como ele funciona no Estado?

Jair Damasceno - Não trabalho diretamente com Teatro de Rua, mas sou apreciador e considero um segmento importante dentro da estética teatral. Temos alguns grupos em Campo Grande e bem poucos no interior, desenvolvendo um trabalho a partir de pesquisa. Deveria ser mais incentivado porque é uma linguagem difícil, exige habilidades diferentes das dos atores, diretores e criadores do teatro em recinto fechado. Por outro lado, ele trabalha diretamente com um público em trânsito ou que se interessa em parar em qualquer local de ruas ou praças e assistir.

Jornal de Domingo - Como está, na sua opinião, o acesso de comunidades carentes à arte?

Jair Damasceno - É importante salientar que alguns programas, quase todos governamentais, vêm procurando suprir de algum modo as necessidades. Pensar que temos muitas comunidades carentes em todos os fatores e claro, que efetivamente no tocante à arte. Muitas vezes isso gera uma confusão porque alguns projetos colocam o público como mero assistente, quando um trabalho de base deveria ser feito para revelar e manter artistas das próprias comunidades. Não existe carência de potencial criativo em qualquer nível econômico ou cultural, de qualquer população, o que existe é falta de oportunidade.

Jornal de Domingo - Muitos atores do MS tem o sonho de alcançar o auge da carreira atuando em grandes produções brasileiras. Qual é o seu conselho para essas pessoas?

Jair Damasceno - Descobrir-se enquanto artista e ator, que são coisas distintas também e preparar-se continuamente como se faz em qualquer profissão. Trabalhar suas habilidades, desenvolver-se intelectualmente e artisticamente. Tornar-se um profissional "capaz". A atriz Fernanda Montenegro diz que quando alguém pergunta algo parecido a ela, o conselho que dá é que "desistam". Endosso, pelo fato de que há uma ilusão e troca de valores porque algumas figuras obtém sucesso, às vezes bem rápido e quase que milagrosamente, sem preparo algum. Não quero tecer comentários sobre como isso pode acontecer e não só no Brasil. O público até que sabe distinguir isso, mesmo que às vezes não se importe, como não se importa com muitas outras coisas que acontecem.

Assembleia para todos - junho-19

Deixe seu Comentário

Leia Também

Entrevista
“A vítima precisa de apoio”, afirma Bruna Oliveira
Entrevista
“Todos têm direito à saúde e à igualdade”, afirma José Mauro
Entrevista
"Precisamos ter participação na taxa de emolumentos”, diz Sérgio Martins
Entrevista
“Valeu a pena todo o sacrifício”, afirma Paulo Passos
Entrevista
“Faremos trinta anos em quatro”, diz Valério Azambuja
Entrevista
"Estamos na faixa máxima de avaliação", diz Ayache

Mais Lidas

Brasil
Pai encontra corpo da filha desaparecida na casa do ex-namorado
Polícia
Pai atira em filho por causa de cobrança de dívida e foge
Polícia
Jornalista Letícia Alves falece aos 23 anos
Oportunidade
Semana começa com 149 vagas de emprego