Menu
Busca quinta, 23 de setembro de 2021
(67) 99647-9098
Gov - Estado que Cresce (set21)
Esportes

Arena Corinthians: entenda laudo da Odebrecht sobre acidente

17 abril 2014 - 11h01Via Terra
Construtora da Arena Corinthians, a Odebrecht nega que tenha sido responsável pelo acidente que matou dois operários no ano passado. A empresa se defendeu das acusações com um laudo apresentado nessa quarta-feira. O documento apresenta diversos fatores que descartam a hipótese de um problema no solo onde estava apoiado o guindaste.

O laudo de defesa da Odebrecht foi elaborado inicialmente por Roberto Kochen e depois certificado por mais três especialistas em engenharia de solo. O estudo possui mais de mil páginas e pode ser resumido em cinco pontos que tentam provar que só há duas possíveis causas para o acidente - erro de operação ou problema na máquina. Vale lembrar que um estudo da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) teve conclusão diferente e culpou o solo pelo ocorrido, mas foi ignorado pela Odebrecht.

Veja detalhes do laudo da Odebrecht:

Forma da queda já serve como prova
Um dos engenheiros que avaliaram o laudo, Alberto Henriques Teixeira, destacou que "a própria forma da queda da lança do guindaste demonstra a não ruptura do solo". Ou seja, de acordo com ele, basta ver imagens do acidente para concluir que a Odebrecht não teve culpa no ocorrido. Porém, a construtora não divulgou todas imagens do laudo, alegando que isso poderia interferir no sigilo da investigação.

Água não amoloceu o solo
Simulações feitas com terreno úmido comprovaram que o solo era muito impermeável. Na época do acidente, a cidade de São Paulo sofria com muitas chuvas, mas o estudo aponta que a água foi drenada pelas laterais e não afetou o solo.

Piso não deixou guindaste escorregar
A parte superior do aterro onde estava o guindaste chama-se pista de material granular. De acordo com o laudo, esse local estabilizou adequadamente o guindaste, sem deixá-lo escorregar por causa do peso da estrutura.

Não houve inclinação anormal
A construtora mostrou ilustração para provar que o guindaste não estava além do limite imposto pela fabricante do guindaste. Esse limite é calculado por um software e, de acordo com Kochen, seria necessário haver uma inclinação quatro vezes maior para comprovar que houve problema no solo.

Solo não rompeu por pressão da máquina
O peso do guindaste gera uma pressão enorme no solo, mas isto não pode alcançar aterro antigo, terceira camada do solo. De acordo com laudo da Odebrecht, a pressão só alcançou o aterro compactado, o que é normal e não contribui para rompimento do solo.
Unica - inverno

Deixe seu Comentário

Leia Também

Esportes
Dardistas de MS são convocados para os Sul-Americanos Sub-18 e Sub-23 de Atletismo
Esportes
Marta passa Pelé na artilharia da Seleção
Esportes
Atletas da capital vão representar MS em Campeonato Jiu-Jitsu
Esportes
Yeltsin Jaques "fez história na Paralimpíadas de Tóquio", diz Rose Modesto
Esportes
Yeltsin Jacques é recepcionado pelo Corpo de Bombeiros no Aeroporto nesta terça-feira
Esportes
Tóquio 2020: Cerimônia de encerramento encanta com a beleza da diversidade
Esportes
Anvisa paralisa jogo Brasil x Argentina e jogadores poderão ser deportados
Esportes
Campeonato Brasileiro de Handebol acontece de 03 a 07 de setembro em MS
Esportes
MS recebe Campeonato Brasileiro de Handebol neste fim de semana e feriado
Esportes
Primeiro ouro de parataekwondo da história vai para brasileiro

Mais Lidas

Geral
Vídeo: "Peixe de bosteiro", morador de rua engana população de Paranaíba
Polícia
Menino de 2 anos mata prima atropelada após dar partida em carro
Polícia
Funcionários da Energisa ficam sob mira de arma ao tentar podar árvores na Vila Olinda
Polícia
Operação “Dark Money” investiga desvio de R$ 23 milhões no esquema de corrupção em Maracaju