Menu
Busca quinta, 02 de julho de 2020
(67) 99647-9098
Esportes

Custo para levantar e operar o Itaquerão vai superar R$ 1 bilhão

19 outubro 2012 - 11h01Rivaldo Gomes - 18.out.12/Folhapress

Os R$ 820 milhões divulgados como custo total do Itaquerão não representam o preço real da obra e da operação do estádio corintiano.

A conta, se forem considerados os gastos com sistemas elétrico e de tecnologia, equipamentos provisórios - como os cerca de 20 mil assentos da arquibancada móvel -, mobília e impostos, ultrapassa R$ 1 bilhão.

De acordo com o jornal Folha de São Paulo o contrato firmado entre o Corinthians e a Odebrecht não contempla diversos itens básicos para o funcionamento da arena.

A segunda cláusula do acordo define, por exemplo, que "equipamentos e infraestrutura necessários à operação do estádio" não estão incluídos no contrato.

Fora do orçamento de R$ 820 milhões estão equipamentos que serão utilizados na Copa-2014, como ar-condicionado, sistema de tecnologia da informação, iluminação provisória, carrinho para o transporte de maca, a própria maca, bandeiras etc.

O gastos com essa aparelhagem para o uso no Mundial é estimado em R$ 50 milhões, mas ainda não está definido quem pagará a conta - se Corinthians, Prefeitura de São Paulo, governo do Estado ou governo federal.

O Estado de São Paulo ainda vai bancar as estruturas provisórias dentro do estádio: mais R$ 50 milhões na conta.

Na soma dos R$ 820 milhões também não foi orçado o valor com mobília (estrutura de mídia, mesas, computadores e armários).

Em sua proposta, a Serpal, empresa que concorreu com a Odebrechet para erguer a arena, previa desembolsar R$ 39 milhões com esses itens.

O Corinthians afirma que o mobiliário "será pago pelos locadores das áreas, sejam os camarotes, sejam os restaurantes, sejam os espaços de hospitalidade".

Por ser estádio da Copa de 2014, o Itaquerão ainda foi beneficiado pelas isenções fiscais concedidas pelas esferas públicas. O contrato do Corinthians com a Odebrecht prevê essas desonerações.

O preço do estádio já foi fechado contando as anistias. Se tivesse de pagar os impostos, a conta encareceria mais R$ 63 milhões - este foi o valor estimado pela Serpal.

O contrato não inclui também a remoção e realocação dos dutos da Transpetro que passavam pelo terreno. O Corinthians afirma ter pago R$ 10 milhões pela obra.

Somados todos esses incrementos, o preço real do estádio corintiano chega a exato R$ 1,032 bilhão.

Responsabilidades
Reza o contrato que o Corinthians deve pagar à Odebrecht, em até cinco dias úteis após o pedido de cada empréstimo-ponte, 10% do "preço fixo global" (R$ 820 milhões). Até agora, foram feitos dois empréstimos-ponte - no total de R$ 250 milhões -, e o clube não pagou os R$ 164 milhões devidos.

O Corinthians diz que essa dívida será incluída no financiamento total, que começará a ser pago quando o estádio estiver funcionando ou quando os direitos sobre seu nome forem vendidos.

O risco de atraso na entrega da arena também é previsto no acordo entre as partes. Se o prazo estourar mais do que 90 dias, a Odebrecht terá de pagar ao Corinthians R$ 100 mil por dia de atraso.

Via Folha

Totem_Alcool Gel

Deixe seu Comentário

Leia Também

Esportes
Campo Grande sediará a Liga das Nações que foi adiada para 2021
Esportes
Fluminense perde para o Volta Redonda na reestreia de Fred
Esportes
Nenê testa positivo para covid-19 e está fora do Campeonato Carioca
Esportes
Amigos do Parque volta com nova formatação durante pandemia
Esportes
Operário convoca torcedores para se associarem e ajudar o Clube
Esportes
Etapa nacional dos Jogos Escolares da Juventude é cancelada
Esportes
Em "novo normal", Flamengo bate por 3 a 0 o Bangu na volta do Carioca
Esportes
Flamengo e Bangu reabrem Campeonato Carioca após paralisação
Esportes
Dividas de clubes de futebol com a Receita Federal podem ser suspensas
Esportes
Corrida Digital tem estratégia inovadora

Mais Lidas

Saúde
Coronavírus: mais 386 novos casos totalizam 9.062 em MS
Polícia
Pai e filho morrem em capotamento de carreta na capital
Geral
Hoje é o último dia para pedir o auxílio emergencial
Polícia
“Gritou que estava sendo roubada e levada”, diz prima de Carla sobre sequestro