Menu
Busca terça, 22 de setembro de 2020
(67) 99647-9098
Aguas - super banner
Esportes

Enxurrada de ações na Justiça ameaça CBF e calendário de 2014

25 dezembro 2013 - 09h36Via Uol

O calendário do futebol em 2014 já está sob séria ameaça por conta da promessa de enxurrada de ações na Justiça comum para discutir o rebaixamento no Brasileiro. O histórico de resolução lento para essas questões judiciais e o tempo apertado até o Nacional indicam problemas para a CBF.

Grupos de torcedores do Vasco e da Portuguesa já articulam processo judiciais para evitar a queda a Série B e só esperam a decisão final do STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva), na sexta-feira, sobre o assunto. Os próprios clubes não descartam entrar na Justiça comum com o mesmo objetivo. Na primeira instância esportiva, já houve decisões que levam ao rebaixamento os dois times.

A outra vez que houve uma disputa na Justiça comum em relação aos rebaixados na competição foi no caso Gama, em 2000. O clube brasiliense recorreu para evitar uma queda determinada pela Justiça Desportiva, que livrou o Botafogo.

Teve sucesso. Mas a questão demorou sete meses para ser resolvida após uma disputa de liminares entre o clube, a confederação e o Botafogo, além da criação da Copa João Havelange. O imbróglio durou de novembro de 1999 a julho de 2000.

Naquela época, o Brasileiro só começava no segundo semestre. Agora, está previsto para 20 de abril pelo calendário da CBF. Com o Estatuto do Torcedor, a tabela tem que ser divulgada no final de fevereiro de 2014. Isso significa que a CBF tem menos de dois meses para resolver a disputa sem afetar o Nacional.

Advogados que atuam nos casos consideram impossível uma solução jurídica em tão pouco tempo. Ainda mais se levar em conta que torcedores do Vasco e da Portuguesa vão entrar em fóruns fora do Rio de Janeiro, espalhados por São Paulo, Santa Catarina. Haverá conflito de jurisdições e possibilidade de várias liminares que exijam a inclusão de um time no Brasileiro.

Nenhum dos advogados acredita em possíveis ameaças da Fifa ou CBF por ações na Justiça comum até porque entendem que o regulamento da entidade permite esse tipo de recurso. As duas organizações fracassaram em reprimir o Gama, em 2000, quando chegaram a fazer um inquérito que não deu em nada. E uma suspensão da confederação no ano da Copa-2014 é um cenário impossível.

O caso é mais complicado do que o do Gama, visto que envolve pelo menos três clubes, Portuguesa, Vasco e Fluminense – o Flamengo ainda poderia entrar no imbróglio, dependendo do resultado do julgamento. Naquele episódio, era uma ação de um clube, enquanto agora devem ser várias. Advogados que vão atuar nestas ações acreditam que a CBF será forçada a fazer um acordo e talvez aumentar o Brasileiro, elevando o para 22 times.

Por enquanto, a entidade se mantém à espera até que surjam, de fato, ações judiciais. “Isso nem está com o jurídico'', explicou o diretor jurídico da entidade, Carlos Eugênio Lopes. Na véspera da decisão do STJD, a única certeza é de que dificilmente haverá uma solução fácil e rápida para o Brasileiro-2014.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Esportes
Covid-19: com seis infectados, Flamengo encara Barcelona-EQU nesta terça
Esportes
Com uma novidade de Tite em convocação para início das Eliminatórias
Esportes
Em emendas parlamentares, esporte de MS recebe R$ 1,64 milhão
Esportes
Vídeo: Corinthians é recebido com protesto pela torcida no aeroporto
Esportes
Vídeo - Neymar é expulso por dar tapa em jogador que o chamou de "macaco"
Esportes
Projeto Amigos do Parque volta neste final de semana
Esportes
Moreninha lll ganhará pista de skate e quadra de areia
Esportes
Messi se reapresenta ao Barcelona após tentativa frustrada de saída
Esportes
São Paulo e Fluminense se enfrentam pelo Brasileirão neste domingo
Esportes
Brasileirão deste sábado tem Flamengo, Corinthians e Santos

Mais Lidas

Geral
Caminhoneiro é feito refém por dois dias durante assalto na fronteira
Política
AO VIVO: Bolsonaro discursa na ONU
Política
Conta no Twitter de Puccinelli é invadida por hacker
Polícia
Idosa de 66 anos é presa com quatro cápsulas de droga nas partes íntimas