Menu
Busca sexta, 07 de maio de 2021
(67) 99647-9098
Sebrae
Esportes

Pato 'reclamão' não cai bem no Corinthians

28 janeiro 2014 - 10h50Via Uol
Em seu primeiro jogo em 2014, Alexandre Pato repetiu o que já fizera outras vezes no ano passado e reclamou diante dos microfones. A fala não caiu bem para o atacante. Mano o rebateu de imediato, o capitão Paulo André alfinetou o companheiro e agora até o diretor de futebol, em entrevista ao Uol Esporte, também deu seu "puxão de orelha".

"O Pato, como qualquer um aqui dentro, pode falar o que ele quiser, mas é da democracia que nem todos concordem, não é? Ele não pode puxar da maneira que ele puxou", disse Ronaldo Ximenes.

Vaiado pela torcida após passar em branco na derrota por 1 a 0 para o São Bernardo, Pato mostrou seu descontentamento. "Eu não jogo sozinho, eu jogo com mais dez jogadores, não depende só de mim. Eu tento fazer o meu papel, tento fazer o que o professor vem pedindo. Hoje, ele [Mano Menezes] pediu para eu jogar na frente, ali, parado, mas infelizmente eu não peguei muito na bola. Na única chance que eu tive, chutei na trave", disse o camisa 7.

Mano reagiu na entrevista coletiva. Concordou que a bola não chegou, mas disse que o ataque também não deu "sequência" quando isso aconteceu. Paulo André, questionado sobre o assunto, disse que Pato tem de aprender a se encaixar no estilo que pede a torcida do Corinthians.

A sequência de respostas ao atacante mostra um cenário diferente daquele que se via em 2013. Ao longo de seu primeiro ano, Pato deu respostas mais duras em várias oportunidades na beira do gramado, a maior parte delas cobrando de Tite mais tempo em campo.

O técnico, os diretores e até o presidente sempre relevaram, ressaltaram a boa índole do atacante e diziam que "ruim seria se ele quisesse ficar no banco". Pressionado pela torcida, Pato já vê uma recepção diferente em sua primeira reclamação de 2014. No entanto, nada que vá render ao atacante uma bronca.

"Não tem aquela frase de que eu não concordo com o que dizes, mas vou defender até a morte o seu direito de dizê-lo? No Corinthians ninguém vai podar ninguém. Acho que ele não está nessa fase de incomodar. As pessoas reagiram, mas nada que possa mexer no ambiente", disse Ronaldo Ximenes, citando um pensamento famoso do francês Voltaire.

Pato não deve ser repreendido, mas a mudança nas reações é sintomática. "Eu acho que há uma mudança, uma diferença. Tem de se adaptar, entender. Também não era costumeiro reclamar do grupo, do comando. A gente resolvia tudo aqui dentro", "reparou" Paulo André.

Para o camisa 7, a hora é de decisão. O orgulho pelo fim das lesões e a paciência com a fase de adaptação acabaram, nas palavras de Ximenes. "Ele sabe que essa fase já passou. Ele começou 2013 muito bem, teve uma lesãozinha, não voltou igual. Esse período foi ultrapassado, e o Pato é um grande jogador e tenho certeza que vai mostrar todo seu potencial", disse o diretor de futebol do clube.
Girafa

Deixe seu Comentário

Leia Também

Esportes
AGORA É LEI: Atividade física é serviço essencial em MS
Esportes
Times brasileiros voltam a campo nesta quarta pela Libertadores e Sul-americana
Esportes
Atual campeão da Libertadores, Palmeiras recebe Del Valle pela 2ª rodada da competição
Esportes
Pista de skate improvisada por garotos do Aero Rancho é destruída
Esportes
Aos 16 anos, ciclista Chapadense assina contrato com Portugal
Esportes
Sorteio define grupos das seleções masculina e feminina de futebol na Olimpíada
Esportes
Vídeo: polícia usa bala de borracha durante confusão no Campeonato Sul-Mato-Grossense
Esportes
Após quase 5 anos, Renato Gaúcho deixa o comando do Grêmio
Esportes
Conmebol recebe 50 mil doses da CoronaVac para vacinar jogadores
Esportes
Flamengo é bicampeão da Supercopa do Brasil; a disputa contra o Palmeiras foi decidida nos pênaltis

Mais Lidas

Polícia
Jacaré é capturado dando 'rolê' em cidade de MS
Internacional
Estados Unidos inicia vacinação contra a Covid-19 em Nova York
Polícia
Morador de rua tenta matar desafeto a pauladas no interior do Estado
Polícia
Briga por capacete acaba em tentativa de homicídio