Menu
Busca quarta, 05 de agosto de 2020
(67) 99647-9098
Fim de Semana

Som da Concha mistura psicodelia e arrasta-pé neste domingo

As apresentações começam às 18h, na Concha Acústica Hellena Meirelles e a entrada é gratuita

18 novembro 2018 - 13h22Da redação com assessoria

Sons psicodélicos somados ao balanço do arrasta-pé. O Som da Concha deste domingo (18) contará com a criatividade de estilos diversos – mas não antagônicos – da banda Os Alquimistas e do violonista Carlos Colman. As apresentações começam às 18 horas na Concha Acústica Helena Meirelles, no Parque das Nações Indígenas. O projeto é da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul (FCMS) e a entrada é franca.

Atração principal, Carlos Colman iniciou sua carreira na década de 1970 em Mato Grosso do Sul. É um entusiasta da música pantaneira e sertaneja tradicional, dos sons de viola e dos ritmos regionais e fronteiriços que inspiraram suas composições, entre elas “Castelânia”.

Filho de músico e professor de violão, Colman começou no Grupo Therra. Participou da gravação de vários projetos, como Prata da Casa, Caramujo Som, Mato Grosso do Som, Festival do Chamamé e Festival do Mercosul.

Sua apresentação no Som da Concha contará com canções que navegam em vários estilos da música de raiz, entre elas a polca, o chamamé, a toada e o arrasta-pé, além de novas composições do álbum “Parceria”, gravado este ano.

Já a abertura do Som da Concha fica por conta da banda Os  Alquimistas, formada em 2013 pelos irmãos Leota (piano) e Perin (vocal e contrabaixo) e o amigo Boloro (baterista). Inspirados pelo gênero Psychobilly, os músicos utilizam-se de equipamentos antigos, provocando uma sonoridade única.

A banda aposta na criatividade de um repertório totalmente autoral. A inspiração veio de covers dos Mutantes, The Beatles e outros. “Pensamos que uma banda que faz cover é só uma banda, a gente quer influenciar as pessoas com nosso som”, diz Perin.

A banda está lançando suas músicas autorais na internet, de forma independente. A sonoridade mescla o peso do rock, a cultura psicodélica e sons do sertão. Já as letras são bem ácidas: “tem um pouco da inquietação de outros tempos”, afirma Leota.

Vacinne

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Aquidauana terá lockdown
Fim de Semana
Autocine volta domingo com “O menino da Porteira”
Fim de Semana
Michel Teló, Roberta Miranda e Fernando e Sorocaba fazem live neste domingo; acompanhe
Fim de Semana
Da música internacional ao gospel, confira as lives deste sábado
Fim de Semana
Daniela Mercury, Milton Nascimento a Alceu Valença fazem live neste domingo
Fim de Semana
Mais lidas – R$ 60 por cabeça não impediu de "Bosque Drive In" lotasse
Fim de Semana
Fim de semana tem Jads e Jadson, Sambô e Toquinho; Confira as lives
Fim de Semana
Katy Perry e The Killers transmitem ao vivo nesta sexta-feira

Mais Lidas

Justiça
"Fecha ou não fecha", Justiça dá três dias para Marquinhos se posicionar
Internacional
Área de explosão tinha galpões com produto químico, diz Governo Libanês
Justiça
TJ bate recorde em julho
Internacional
Sobe para 50 número de mortos por explosão em Beirute