Menu
Busca quarta, 28 de julho de 2021
(67) 99647-9098
Governo - covid atitudes
Geral

"A pandemia tem sido, sim, mais cruel com as mulheres", diz Luciana Azambuja

Subsecretária de Políticas Públicas para Mulheres do Estado falou sobre o Mapa do Feminicídio de Mato Grosso do Sul

22 junho 2021 - 12h12Joilson Francelino

A subsecretária de Políticas Públicas para Mulheres do Estado, Luciana Azambuja, falou durante a sessão desta terça-feira (22), na Câmara Municipal, sobre o Mapa do Feminicídio de Mato Grosso do Sul: um mapeamento das mortes violentas de mulheres, tipificadas como feminicídio, ocorridas no Estado no ano de 2020. Segundo ela, a violência doméstica e familiar “independe de idade, cor ou religião”.

“Não poderia me furtar em trazer essa conversa para a Capital do Estado, com quase um terço da população. Que a gente consiga unir esforços. A pandemia tem sido, sim, mais cruel com as mulheres. Não é uma questão de justiça ou segurança pública: é uma questão de cidadania, educação e direitos humanos. Temos muitos projetos de lei tramitando no Município e no Estado. Que os senhores tenham essa pauta como uma política permanente. Que nos ajudem a mudar um comportamento que tem matado nossas mulheres e deixado nossas crianças e adolescentes órfãos”, disse.

A convite da vereadora Camila Jara, Azambuja apresentou dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública que mostram que, em 2020, 8 mulheres foram agredidas fisicamente durante a pandemia a cada minuto. Além disso, uma em cada 4 mulheres, com mais de 16 anos, sofreu algum tipo de violência nos últimos 12 meses.

Em Mato Grosso do Sul, foram 17 mil boletins de ocorrência por violência doméstica, com 40 feminicídios, registrados no último ano. Somente em Campo Grande foram 12 casos, um aumento de 120% em relação a 2019, quando 5 mulheres foram mortas. Mais da metade dos casos envolvem ex-companheiros.

“A violência doméstica e familiar independe de idade, cor ou religião. Quais as políticas públicas que temos para as crianças e adolescentes que são vítimas de violência e presenciaram as mortes de suas mães? Um trauma que vão carregar para a vida toda. Não se calem. Denunciem”, finalizou.

Vai di Vinho

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Comissão de Direitos Humanos debate migração no contexto da pandemia
Geral
Com duas vaginas, influencer do OnlyFans dá à luz a bebê saudável
Geral
Depois de quatro anos paralisada, UTE William Arjona é reinaugurada em Campo Grande
Geral
Com Covid, Arlindo Namour morre no Proncor
Geral
Vídeo: 'Rapidinha' na cozinha da errado e casal é flagrado só no love
Geral
Vídeo: Ator da Globo é flagrado agredindo namorada
Geral
Prefeitura oferece design de sobrancelhas e esmaltação a usuárias do SUS
Geral
Morre o advogado Gelson Marquês Batista
Geral
Casa de Passagem está aberta para doações e acolhimentos no frio
Geral
Na FIEMS, ministro é cobrado por mais "segurança jurídica"

Mais Lidas

Geral
Vídeo: “Casado me deito, com chifre me levanto”, corno flagra traição da esposa
Brasil
Vídeo: 'Corno escandaloso' descobre traição e faz barraco em estacionamento
Geral
Vídeo: Homem surta e se joga em frente a ônibus em movimento; cenas fortes
Polícia
Pai encontra filho de 18 anos enforcado na varanda de casa