Menu
Busca quinta, 28 de maio de 2020
(67) 99647-9098
Geral

Abrasel-MS repudia fala de futuro ministro do novo governo

Osmar Terra, futuro ministro da Cidadania quer impor restrições à venda de bebidas alcoólicas no país

22 dezembro 2018 - 07h00Da redação

Depois que o futuro ministro da Cidadania, ex-deputado federal Osmar Terra (MDB), disse em entrevista ao jornal O Globo que estuda limitar a venda de bebidas alcoólicas em lugares mais violentos do Brasil, a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes de MS (Abrasel-MS), emitiu nota de repúdio em relação a possibilidade e disse que as medidas seriam antidemocráticas.

Terra, afirmou para O Globo que a ideia está sendo estudada junto ao presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL) e justificou que o plano é mapear áreas mais violentas para restringir vendas após determinados horários e até mesmo fechar bares após ás 23h. Ele citou o exemplo da cidade paulista de Diadema, que segundo ele, reduziu o número de homicídios depois da imposição. O futuro ministro afirmou que os altos números de mortes no trânsito são devido o uso de álcool.

Para Juliano Wertheimer , presidente da associação “não será proibindo a venda ou exposição de bebidas, impondo toques de recolher, ou outras medidas autoritárias que se resolverá problemas de segurança ou de violência no trânsito”.

Veja a nota na íntegra:

Diante das declarações do futuro ministro da Cidadania, Osmar Terra, que deseja impor restrições à venda de bebidas alcoólicas, entre outras medidas antidemocráticas, a Abrasel MS - Associação Brasileira de Bares e Restaurantes, em consonância com a entidade nacional, vem a público repudiar tais intenções.

Não será proibindo a venda ou exposição de bebidas, impondo toques de recolher, ou outras medidas autoritárias que se resolverá problemas de segurança ou de violência no trânsito.

Os estabelecimentos que vendem bebidas alcoólicas são responsáveis pela geração de milhares de postos de empregos e pagam altos impostos aos Governos.

Nas leis brasileiras já existem dispositivos, que se aplicados corretamente, ajudam na resolução desse problema. Não pode o governo querer se eximir de suas responsabilidades, por meio de medidas que não são aplicáveis em um país democrático.

A Abrasel MS espera que o governo que assumirá em 1° de janeiro não leve a termo tais declarações, sob pena de criar novos problemas, como o desemprego, diminuição da arrecadação, além da possibilidade do estímulo da venda clandestina de bebidas, criando um grave problema social.

Educação, saúde e segurança pública de qualidade são os caminhos corretos, cidadãos e democráticos para enfrentar a violência e a criminalidade.

Juliano Wertheimer 
Presidente 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Há um ano, tragédia que matou o campo-grandense Gabriel Diniz comovia o Brasil
Geral
Mascarado esperando atendimento no CRS Tiradentes diverte pacientes
Geral
Hemosul convoca doadores de sangue afastados pelo frio
Geral
Obras ao redor do Cavaleiro Guaicuru, no Parque das Nações, são retomadas
Geral
Veículos com placa final 1 e 2 devem ter o licencimaneto quitado até dia 31 de maio
Geral
App do Magazine Luiza ganha botão para denunciar violência contra mulheres
Geral
Mandetta entra em “quarentena remunerada” e é proibido de ter cargos privados por 6 meses
Geral
Mega-Sena pode sortear prêmio de R$ 33 milhões nesta quarta-feira
Geral
AO VIVO - José Mauro, da Sesau, presta contas na Câmara
Geral
Com músicos infectados, Zezé e Luciano estão “livres” do coronavírus

Mais Lidas

Geral
Há um ano, tragédia que matou o campo-grandense Gabriel Diniz comovia o Brasil
Economia
Governo quer emprestar US$ 4,01 bilhões de bancos internacionais
Justiça
Ary Raghiant Neto será empossado Vice-Presidente do Conselho de Colégios da OAB do Mercosul
Política
“Não entendo o porquê a Energisa questiona a CPI se não existem irregularidades”, diz Orro