Menu
Busca sexta, 07 de maio de 2021
(67) 99647-9098
Gov_MS-Cresce_Maio21
Geral

Academia de Letras do MS protesta contra tributação de livros

A estimativa é de que os preços dos livros podem subir até 20%, com isso a ASL divulga o "Não ao imposto do livro"

22 abril 2021 - 12h10Academia Sul-Mato-Grossense de Letras

“Quando uma reforma tributária pretende incluir impostos que acarretarão aumento no custo de livros, não há romance que dê certo; não há conto que conte; não há poesia que pulse; não há literatura e cultura que vinguem”, afirmou o presidente da Academia Sul-Mato-Grossense de Letras (ASL), acadêmico Henrique de Medeiros, ao comentar a insistência dos órgãos federais em impor aumento na tributação editorial no país.

Segundo Medeiros, a ASL está tomando posição e divulgando pelas mídias sociais um engajamento pelo “Não ao Imposto do Livro!”De acordo com estudos que vêm sendo feitos pelo setor, a estimativa é de que os preços dos livros podem subir até 20% com aplicação da alíquota de imposto de 12%. Segundo o acadêmico e atual membro da Comissão de Cultura da ASL, Rubenio Marcelo, “o mercado livreiro está atravessando um momento de apreensão”; para ele, “tornar o livro mais caro e inacessível a determinadas camadas da população apenas agrava ainda mais a falta de políticas públicas para a leitura”. No ano passado, um abaixo-assinado com mais de 1 milhão de assinaturas defendeu a não tributação do livro.

De acordo com pesquisa feita em parceria pelo Itaú Cultural com o Instituto Pró-Livro através do Ibope Inteligência, no momento da compra de um livro o fator preço influencia 22% dos leitores brasileiros (é, também, principal fator de influência no momento da escolha de que título comprar). O Acadêmico Américo Calheiros, membro da Diretoria da ASL, criticou a posição da Receita Federal em divulgar que o imposto pode ser aplicado porque livros não são consumidos pelos mais pobres. Calheiros avalia essa posição como discricionária e que o aumento de custos também irá atingir a área de livros didáticos, que totalizam mais da metade das vendas de livros no país.

O acadêmico Samuel Xavier Medeiros, também membro da Diretoria da ASL, disse acreditar que os protestos de significativos setores da sociedade, inclusive com um manifesto entregue à comissão avaliadora da proposta da reforma tributária pelo Instituto Pró-Livro devem contribuir para que essa lei não tenha chance de passar pelo Congresso e influenciar negativamente o mercado livreiro e a população leitora.

A Academia Sul-Mato-Grossense de Letras está também disponibilizando em seu perfil no Facebook um tema de avatar para aqueles que desejarem expor em suas mídias sociais o protesto pelo aumento dos livros no país e se engajar pelo “Não ao Imposto do Livro”. 

Girafa

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Motociclista fica em estado grave após cair e ser arrastado por 20 metros pela moto
Geral
“Segurança pública perde um dos seus grandes protagonistas”, diz Reinaldo sobre delegado Mikaill
Geral
Motorista para no puteiro e atrasa entrega de vacinas
Geral
Em situação de emergência total, Hemosul funciona em tempo integral no sábado
Geral
Mais de 250 empregos podem ser gerados por projetos do Codecon
Cidade
Prefeitura abre pré-cadastro para vacinação de pessoas entre 18 e 29 anos
Saúde
MS recebe mais de 50 mil doses da AstraZeneca nesta quinta
Geral
Leilão do exército tem 38 caminhões, ônibus e picapes
Geral
Depac Cepol suspenderá atendimento na manhã desta sexta-feira
Geral
Motociclista invade preferencial e quase morre em acidente

Mais Lidas

Polícia
Jacaré é capturado dando 'rolê' em cidade de MS
Internacional
Estados Unidos inicia vacinação contra a Covid-19 em Nova York
Polícia
Morador de rua tenta matar desafeto a pauladas no interior do Estado
Polícia
Briga por capacete acaba em tentativa de homicídio