Menu
Busca terça, 21 de maio de 2019
(67) 99647-9098
Geral

Agência de Metrologia fiscaliza materiais escolares

10 janeiro 2011 - 13h22
A Agência Estadual de Metrologia de Mato Grosso do Sul (AEM/MS), órgão delegado do Inmetro, realiza até o dia 21 de janeiro, em Campo Grande, a fiscalização de materiais escolares, durante a Operação “Volta às Aulas”. Na atividade serão analisados quantitativamente os artigos escolares, para verificar se a quantidade indicada é a mesma que consta dentro da embalagem. A operação fiscaliza produtos como cadernos, fichários, colas, resmas de papel, massas de modelar e outros que podem constar na lista de materiais escolares. Alguns produtos como cadernos, lápis de cor e giz de cera são periciados por meio do pré-exame no próprio estabelecimento comercial. Já os produtos que são fiscalizados pelo peso e metragem são recolhidos para testes no Laboratório de Pré-Medidos da Agência. Os fabricantes que tiveram seus produtos reprovados serão autuados e poderão apresentar defesa em um prazo de até dez dias. As irregularidades verificadas deverão ser sanadas imediatamente, caso contrário o fabricante poderá receber multa de acordo com a irregularidade. Ouvidoria Se o consumidor suspeitar de qualquer problema no que diz respeito à quantidade do produto relacionada à informação no rótulo, deve ligar para a Ouvidora da AEM/MS, por meio do telefone 0800 67 52 20. Certificação Artigos escolares fabricados e comercializados no Brasil serão certificados compulsoriamente pelo Inmetro. A portaria definitiva foi publicada no fim de dezembro de 2010, estabelecendo a obrigatoriedade do selo de identificação da conformidade em artigos escolares. Fabricantes nacionais e importadores terão até 7 de junho de 2012 para se adequarem às regras, e mais 12 meses para a comercialização de produtos em conformidade para o varejo. O prazo final estabelecido para o comércio termina em 7 de abril de 2014. Os requisitos têm como objetivo minimizar as ocorrências de acidentes que podem colocar em risco a saúde e a segurança de crianças que utilizam estes produtos. Dos 174 Programas de Avaliação da Conformidade compulsórios implementados, muitos são destinados ao universo infantil. “O Inmetro desenvolveu regulamentação compulsória para vários itens de uso infantil, como brinquedos, mamadeiras e chupetas, dispositivos de retenção automotiva e, agora, artigos escolares. Aumentaremos o leque, em breve, com artigos para festas infantis, berços e carrinhos de bebê, sempre visando a saúde e a segurança das crianças”, afirma Alfredo Lobo, diretor da Qualidade do Inmetro. O foco do Inmetro em regulamentar e exigir certificação dos produtos de uso infantil tem origem no acompanhamento que é feito sobre recalls e relatos de acidentes de consumo, não só nos sites de importantes entidades regulamentadoras dos Estados Unidos e da Europa, mas, principalmente, no Banco de Dados de Acidentes de Consumo desenvolvido pelo próprio Instituto. O banco, que pode ser acessado no site do Inmetro, revela que o setor de artigos infantis é o que apresenta a maior incidência de acidentes de consumo. São considerados artigos escolares qualquer objeto ou material com motivos ou personagens infantis utilizados em ambiente escolar e/ou atividades educativas, com ou sem funcionalidade lúdica, por crianças menores de 14 anos. Alguns destes materiais são acondicionadores de lanches (lancheiras e merendeiras, acompanhadas de seus acessórios); apontadores; artigos destinados a transporte individual de material escolar (estojos, pastas e mochilas); todos os tipos de canetas, lápis, lapiseiras, giz de cera, pincéis, tintas, borrachas, colas, réguas, corretores adesivos ou a tinta e tesouras de ponta redonda. Não estão considerados nesta certificação livros, revistas e gibis, giz para quadro negro e mobiliário escolar, além de produtos enquadrados em outro regulamento, como brinquedos e artigos de festa. “Os ensaios vão ser divididos por grupos. A faixa etária até três anos é a mais crítica, por ser considerada a idade oral. De três a seis anos, a criança passa a ter mais interação com os produtos. De seis a oito, é preciso analisar os usos improváveis do produto. E de oito a 14 a criança e/ou adolescente já possui melhor coordenação motora e uma boa noção de perigo”, completa Lobo. Para obter o selo de identificação da conformidade, os artigos escolares serão submetidos a testes químicos (nível de toxidez para produtos que entram em contato com alimento, como lancheiras, ou quanto à tinta da caneta), mecânicos e físicos (se soltam tinta e mancham, se possuem arestas cortantes), elétricos (artigos escolares que possuam aparatos elétricos tais como pisca-pisca, som etc.), ftalatos (toxicidade e maleabilidade do plástico) e biológicos (para produtos que a criança pode colocar na boca ou interagir com alimentos). Prazos para Adaptação 7 de junho de 2012: Fabricantes e importadores não poderão mais fabricar e importar artigos escolares fora de conformidade. 7 de junho de 2013: Fabricantes e importadores não poderão mais comercializar para o varejo artigos escolares fora de conformidade. 7 de abril de 2014: O comércio varejista só poderá vender artigos escolares certificados pelo Inmetro. Fonte: Noticias MS
Fac Feijoada 2019

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Compadre Washigton está internado após assalto
Geral
Onze pessoas morrem e uma fica ferida em chacina
Geral
Motociclista morre em acidente na BR-163
Geral
Ativistas pelos direitos humanos e LGBT são homenageados na capital
Geral
Após investigação, diretor de presídio é dispensado em Dourados
Geral
Reservatório no Distrito Federal chega a 100% de capacidade
Geral
Universidade leva serviços gratuitos à comunidade no próximo dia 25
Geral
CapacitaSUAS avança em MS e estado reforça pioneirismo na Assistência Social
Geral
Mega-Sena pode pagar 7 milhões neste sábado
Geral
Novas medidas deixarão banda larga mais acessível, segundo Anatel

Mais Lidas

Polícia
Troca de tiros termina com homem morto e PM ferido
Educação
Estão abertas as Inscrições para o Encceja
Polícia
Guarda municipal responsável pelo transporte de arsenal é preso
Geral
Motociclista morre em acidente na BR-163