Menu
Busca quinta, 19 de setembro de 2019
(67) 99647-9098
Geral

Agentes dizem que greve tem adesão de 60%; prefeito fala em ir à Justiça

05 janeiro 2011 - 12h30
A adesão à greve dos agentes de saúde e epidemiológicos passa de 60%, segundo o presidente do sindicato que representa a categoria, Amado Cheikh. Dos 900 servidores, 600 aderiram à paralisação, segundo ele. A paralisação gerou tensão com o prefeito de Campo Grande, Nelson Trad Filho que, depois de anunciar o corte de ponto, hoje afirmou que pode ir à Justiça contra a categoria. Os trabalhadores estão reunidos esta manhã na Associação de Moradores do Bairro Danúbio Azul, para avaliar o primeiro dia da manifestação. Cerca de 100 servidores estão no local e muitos reclamam da ameaça do prefeito de Campo Grande, Nelsinho Trad (PMDB), de cortar o ponto dos grevistas. “Quando alguém ameaça cortar o ponto é porque não quer negociar”, destaca o presidente do sindicato. “O que a gente espera é que o prefeito olhe pela nossa situação. A questão não é só salarial. Existem diversas diferenças de produtividade e, além disso, nós cuidamos da saúde da população enquanto a nossa própria saúde está em jogo. Estamos olhando pela saúde, mas estamos adoencendo” reclama Célia de Jesus Bial da Silva, 36 anos, agente de saúde há três anos. Com uma lista de assinaturas nas mãos, Amado ressalta que conta com o apoio da população nesta manifestação. São cerca de 300 nomes com as respectivas profissões das pessoas que integram a lista de apoio à manifestação. Amado afirma que a lista foi apresentada ao prefeito e que a categoria tenta há um ano a melhoria salarial cobrada nesta manifestação. Os agentes reivindicam aumento de R$ 700,00 para R$ 2.100,00. Apunhalado - Em entrevista concedida esta manhã, na inauguração do residencial Ramez Tebet, o prefeito rebateu as críticas. “Me sinto apunhalado pelas costas”, afirma. Ele diz que conduzia as negociações tranquilamente e que até recebeu um documento assinado pelo presidente da entidade, datado de 31 de dezembro, no qual a categoria se comprometia a não parar as atividades. Nelsinho enfatiza que a data-base dos servidores é maio, portanto, considera “chantagem barata” a greve, que é feita no período de chuva em que o trabalho dos agentes torna-se ainda mais importante, devido ao risco de proliferação de insetos como o mosquito da dengue. Ele ressalta que o valor pleiteado não será alcançado porque representa 1,5% do orçamento da prefeitura. “Não tem cabimento”, completa. O prefeito manteve a ameaça de cortar ponto e tentará, na Justiça, colocar outros servidores no lugar dos grevistas. “Não vou abonar ponto nenhum. Todos os pontos serão cortados e vai para ficha funcional”, destaca o prefeito. Fonte: CG News

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Pedro Chaves lança livro ‘Refletindo Sobre o Brasil’
Geral
Maçons são homenageados na Câmara por atuação na capital
Geral
Odilon de Oliveira aborda depressão infantil na Câmara
Geral
Coronel David garante cronograma de concurso da PM/BM até homologação
Prazo definitivo para divulgação dos resultados está sendo cobrado pela SAD
Geral
Alems assina protocolo e reforça o cuidado com o meio ambiente
Geral
Funsat abre inscrições para cursos de qualificação profissional
Geral
Procon/MS descarta carne de carneiro e peixes no Mega Box Bom Jesus
Geral
Presidente da Fecomércio-MS palestrará no Café com Negócios
Geral
Vídeo: Lobinho invade escola na Mata do Jacinto
Geral
Aeroporto opera sem cancelamentos nesta manhã de quinta-feira

Mais Lidas

Polícia
Mulher que desapareceu há um mês é encontrada morta por suicídio
Polícia
Após divulgação de imagem, homem faz acordo para devolver veículo
Polícia
Vídeo - Mortes em série de gatos no Villagio Parati intrigam moradores
Geral
Árvore cai e Espírito Santo está interrompida