Menu
Busca domingo, 17 de janeiro de 2021
(67) 99647-9098
Governo Futebol
Geral

Após o caso de estupro no campus da Capital, os alunos demonstraram preocupação na unidade II de Trê

14 abril 2011 - 09h29Perfil News

Após o caso da jovem estudante estuprada dentro do campus da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), na Capital, na última segunda-feira (11) estudantes do campus de Três Lagoas realizaram denúncias sobre problemas na unidade e estão preocupados com a insegurançal.

De acordo com as denúncias, estudantes reclamam de vários problemas encontrados no campus, como a falta de segurança, cantina e Xerox.

Os universitários percebem a precariedade da unidade dois, devido às obras que estavam paradas, problemas relacionados ao estacionamento, a falta de iluminação nos corredores, principalmente na passarela que dá acesso a entrada do campus.

Jeferson Rodrigo é aluno do curso de História, no período noturno, e afirma ser um perigo a falta de iluminação, podendo sim acontecerem casos como o estupro da UFMS de Campo Grande, além de acidentes.

Marcos Vinícius está cursando Engenharia de Produção, em período integral, e relata que mora em Ilha Solteira/SP, e que a pesar da comida da cantina ser ruim, ele se alimentava todos os dias no local, agora que foi fechada tem que se deslocar para fora do campus.

O diretor relatou que a reitoria tem investido, e o mesmo faz o possível para melhorar a situação do campus, onde existem projetos para atenderem os casos mais necessitados, mas como existe muita burocracia e tudo funciona através de licitações, as mudanças demoram acontecerem.

Em relação à cantina, Menone explica que realmente recebia reclamações, mas a mesma funciona através de licitação, e que no dia 24 de março, antes do vencimento, o responsável retirou os pertences e entregou o local.

Um trailer está oferecendo refeições no campus, até que entre outro edital e a cantina volte a funcionar.

Maria Aparecida Lima dos Santos, Professora Doutora no curso de História, relatou que a situação em relação à escuridão é preocupante, e existe há muito tempo. A mesma afirma que o Diretor do campus mostra preocupação em melhorar a unidade de ensino.

A pesar do interesse em realizar mudanças, existe um problema relacionado à existência de vários campi, que são diversas unidades pelo Estado, da UFMS, onde o processo de centralização impede a resolução de problemas do cotidiano.

Maria Lima afirma que problemas como o da cantina e do Xerox, também não podem ser deixados para trás. "Deve haver uma movimentação dos usuários, é obrigação da comunidade exigir a qualidade e se manifestarem publicamente. Usar a mídia de forma responsável".

Preocupada com a situação, a professora disse que a população acadêmica precisa se organizar e reivindicar. “Porque é público, não se critica, não se exige. A população deve fazer uma manifestação séria, com postura e desenvolvimento. Os problemas precisam ser expostos para serem resolvidos”.

Com informações do jornal Perfil News.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Lewandowski determina que governo federal forneça oxigênio e insumos a hospitais de Manaus
Geral
"Vai com bum bum tam tam, viva o Butantan!": MC Fioti grava clipe sobre a CoronaVac
Geral
COVID: Itália proíbe voos brasileiros e orienta viajantes
Geral
Doguinho tem rins e fígado afetados após ser picado por escorpião e família pede ajuda
Geral
TJ ganha reconhecimento facial
Geral
Vídeo: Mentora fitness corre de biquíni na Afonso Pena
Geral
Defensoria Pública de MS pretende evitar prisões irregulares
Geral
Mega-Sena pode pagar prêmio de R$ 13 milhões no sábado
Geral
Polícia Federal abre concurso com 1.500 vagas
Geral
Sindicato dos Bancários se manifesta contra reestruturação no Banco do Brasil

Mais Lidas

Polícia
Jacaré é capturado dando 'rolê' em cidade de MS
Internacional
Estados Unidos inicia vacinação contra a Covid-19 em Nova York
Polícia
Morador de rua tenta matar desafeto a pauladas no interior do Estado
Polícia
Briga por capacete acaba em tentativa de homicídio