Menu
Busca sexta, 22 de outubro de 2021
(67) 99647-9098
TJMS outubro21
Geral

Após o caso de estupro no campus da Capital, os alunos demonstraram preocupação na unidade II de Trê

14 abril 2011 - 09h29Perfil News

Após o caso da jovem estudante estuprada dentro do campus da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), na Capital, na última segunda-feira (11) estudantes do campus de Três Lagoas realizaram denúncias sobre problemas na unidade e estão preocupados com a insegurançal.

De acordo com as denúncias, estudantes reclamam de vários problemas encontrados no campus, como a falta de segurança, cantina e Xerox.

Os universitários percebem a precariedade da unidade dois, devido às obras que estavam paradas, problemas relacionados ao estacionamento, a falta de iluminação nos corredores, principalmente na passarela que dá acesso a entrada do campus.

Jeferson Rodrigo é aluno do curso de História, no período noturno, e afirma ser um perigo a falta de iluminação, podendo sim acontecerem casos como o estupro da UFMS de Campo Grande, além de acidentes.

Marcos Vinícius está cursando Engenharia de Produção, em período integral, e relata que mora em Ilha Solteira/SP, e que a pesar da comida da cantina ser ruim, ele se alimentava todos os dias no local, agora que foi fechada tem que se deslocar para fora do campus.

O diretor relatou que a reitoria tem investido, e o mesmo faz o possível para melhorar a situação do campus, onde existem projetos para atenderem os casos mais necessitados, mas como existe muita burocracia e tudo funciona através de licitações, as mudanças demoram acontecerem.

Em relação à cantina, Menone explica que realmente recebia reclamações, mas a mesma funciona através de licitação, e que no dia 24 de março, antes do vencimento, o responsável retirou os pertences e entregou o local.

Um trailer está oferecendo refeições no campus, até que entre outro edital e a cantina volte a funcionar.

Maria Aparecida Lima dos Santos, Professora Doutora no curso de História, relatou que a situação em relação à escuridão é preocupante, e existe há muito tempo. A mesma afirma que o Diretor do campus mostra preocupação em melhorar a unidade de ensino.

A pesar do interesse em realizar mudanças, existe um problema relacionado à existência de vários campi, que são diversas unidades pelo Estado, da UFMS, onde o processo de centralização impede a resolução de problemas do cotidiano.

Maria Lima afirma que problemas como o da cantina e do Xerox, também não podem ser deixados para trás. "Deve haver uma movimentação dos usuários, é obrigação da comunidade exigir a qualidade e se manifestarem publicamente. Usar a mídia de forma responsável".

Preocupada com a situação, a professora disse que a população acadêmica precisa se organizar e reivindicar. “Porque é público, não se critica, não se exige. A população deve fazer uma manifestação séria, com postura e desenvolvimento. Os problemas precisam ser expostos para serem resolvidos”.

Com informações do jornal Perfil News.

Unica - primavera

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Você tem alguma história de terror real legal para contar? Mande para o JD1 Notícias
Geral
Trecho da Rui Barbosa será interditado durante uma semana
Geral
Shoppings da Capital se unem à CDL para ajudar famílias afetadas pelo temporal
Geral
Para custear exame de filho com DMD, mãe faz barras de chocolate para vender
Geral
Com oito filhos, mãe anuncia gravidez de gêmeos e dispara: 'queremos mais'
Geral
Pastor embolsa R$ 30 milhões da Igreja Universal e foge
Geral
Procon-MS e Detran notificam autoescolas por práticas contra clientes
Geral
Governo muda data da prova de seleção de estagiários
Geral
Para não cuidar de idoso, família procura filhos do primeiro casamento em MS
Geral
Com pandemia, religiosos evangelizam até por ligação

Mais Lidas

Polícia
Homem pula o muro e flagra a ex-mulher com outro e transtornado agride ela e tranca os dois
Brasil
Vídeo: Homem se desespera ao ver que racha com os amigos acabou em morte
Geral
Com oito filhos, mãe anuncia gravidez de gêmeos e dispara: 'queremos mais'
Geral
Pastor embolsa R$ 30 milhões da Igreja Universal e foge