Menu
Busca terça, 19 de março de 2019
(67) 99647-9098
Geral

Após quase um ano, estuprador é condenado a uma década de prisão por ataque à aluna da UFMS

08 março 2012 - 11h40

O tatuador Robson Vander Lan, de 29 anos, responsável por uma série de estupros em Campo Grande, foi condenado a dez anos de prisão pelo ataque a uma universitária no campus da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul). O estupro, ocorrido em 11 de abril do ano passado, levou à sua prisão, revelando outras cinco vítimas.

Na época, a estudante sofreu violência sexual em um matagal próximo à ponte que liga o teatro Glauce Rocha ao bloco dos cursos de Química, Economia e Administração da Universidade. A vítima conseguiu escapar, correndo nua em busca de socorro. O caso provocou protesto dos estudantes, que fecharam a avenida Costa e Silva e exigiram mais segurança. A jovem pede indenização de R$ 250 mil na Justiça. Robson foi condenado por estupro e roubo com emprego de arma. Além de ter sido reconhecido pela vítima e confessado o crime, análise de material genético comprovou que foi ele o autor da violência sexual contra a jovem. Por sua vez, a defesa do estuprador alegou que a relação sexual foi consentida.

Contudo, para o juiz Paulo Afonso de Oliveira, em substituição legal na 2ª Vara Criminal, o diálogo travado com o estuprador foi uma tentativa da vítima de escapar de uma violência ainda maior. A defesa também questionou o crime de roubo, pois os pertences da jovem foram deixados no local pelo estuprador. Porém, antes da violência sexual, ele roubou a bolsa da jovem, um celular e R$ 10.

No depoimento, Robson admitiu que só deixou os objetos porque a vítima fugiu e então ele “deixou tudo para trás”. A pena pelo estupro foi de 8 anos e do roubo de 2 anos. A condenação deve ser cumprida em regime fechado. Robson tem uma extensa lista de crimes contra mulheres, além de furtos e roubos. Ele foi condenado por esfaquear uma namorada grávida até a morte.
 
Desde 2010, cometeu uma série de estupros. Após ser preso, relatou - com calma, frieza e por vezes rindo - que primeiro, queria roubar, mas depois, por impulso, violentava as vítimas. Ele disse que as escolhia por um único critério: que a vítima estivesse em um local de pouca visibilidade. Depois, mudou de conduta: escondeu o rosto para fugir das fotografias durante audiência na Justiça sobre outro caso.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
DeMoley’s serão homenageados quinta-feira, na Assembleia
Geral
PSDB Mulher cobra posição da bancada feminina no Congresso
Geral
Três vítimas do massacre em Suzano continuam hospitalizadas
Geral
Ex-governador do Paraná, Beto Richa, é preso pela terceira vez
Geral
Mais de três toneladas de materiais são recolhidos em ação contra o aedes
Geral
Estado “bate o martelo” e oito horas volta em 1º de julho
Geral
IEL e Sesi fazem parceria para atender empresa
Geral
PDV chega amanhã à Assembleia; Conheça os detalhes
Geral
Grupo vai às ruas em protesto contra assassinato de mulheres
Geral
Irmã do deputado Barbosinha morre aos 74 anos

Mais Lidas

Polícia
Orgia em motel vira caso de polícia
Polícia
Mistério: adolescentes desaparecem a caminho da escola
Polícia
Menina de dez anos se mata com arma do pai, em São Paulo
Polícia
Vídeo - Um morre e outro fica ferido em execução na fronteira