Menu
Busca sábado, 23 de outubro de 2021
(67) 99647-9098
Senar 18 10 21
Geral

Aposentado faz segunda doação de medula óssea

Wilmar conta que o procedimento cirúrgico não deixa sequelas

30 janeiro 2019 - 11h58Joilson Francelino

O aposentado Wilmar Nery da Silva, aposentado, 55 anos, fez na semana passada sua segunda doação de medula óssea e alerta para os mitos que impedem algumas pessoas de realizarem o procedimento.

Wilmar explica que no Brasil são permitidas, pelo Registro Nacional de Doadores da Medula Óssea (REDOME), três doações alogênicas. A primeira doação é feita em centro cirúrgico, extraindo-se a medula do osso da bacia e as outras duas através de coleta por aférese, que é similar à doação de sangue.

Em junho de 2016, Wilmar fez sua primeira doação e ele fala sobre o primeiro mito que as pessoas temem ficar paralíticas por acreditar que a medula é retirada da coluna. “Fui levado para o Hospital das Clínicas de Curitiba, passei pelo procedimento cirúrgico e a medula foi tirada da minha bacia e não deixou sequelas”, ressalta. Wilmar conta que na segunda, precisou fazer uso de medicação por cinco dias, para aumentar o número de células tronco no sangue. “A única coisa que senti durante esses dias foi o osso como se formigando, mas nada que incomode”, contou. O segundo procedimento foi realizado no último dia 22 de janeiro, no Hospital Albert Einstein, em São Paulo. “É um processo tranquilo, eu fiquei de repouso por pouco tempo e depois já estava tudo normal”, disse.

Para o aposentado, o mais importante é a desmistificação da doação. Ele conta que muita gente chega a desistir quando acha um receptor. “A falta de informação atrapalha e as pessoas acabam desistindo da doação quando encontram uma compatibilidade, por pensar que é um processo que poderia trazer algum prejuízo pra ela”, lamenta.

No Brasil, há mais de 3,7 milhões de doadores de medula óssea cadastrados, o que coloca o país como o terceiro maior banco do mundo, ficando atrás apenas da Alemanha (cerca de 6,2 milhões) e dos Estados Unidos (quase 7,9 milhões). Embora o número seja expressivo, a chance de encontrar um doador totalmente compatível é de 1 para cada 100 mil.

A chance de compatibilidade preocupa ainda mais o aposentado, já que a falta de informação faz muita gente desistir. Para ele, falar da importância da doação de medula óssea nunca é demais. “Muita gente já tentou de tudo e sua última tentativa é o transplante de medula, é muito importante que as pessoas se cadastrem e não desistam”, ressalta.

Wilmar disse que já sabe quem recebeu sua primeira doação e ainda não conhece quem vai receber a segunda. “Só podemos saber quem é depois de dois anos do procedimento e, se for da vontade dos dois, o REDOME faz o encontro”, relata. O aposentado ressalta ainda que o procedimento da cirurgia não tem custo algum para o doador. “Eles pagam a passagem, hospedagem, translado, e você só vai para retirar”, disse.

Unica - primavera

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Vídeo - Energisa terá até helicóptero para possível vendaval
Geral
Vídeo - "Seremos eficientes", garante Marquinhos sobre vendaval
Geral
Ministro do TSE fala sobre confiabilidade de urnas eletrônicas ao JD1 Notícias
Geral
Pfizer tem alta eficácia contra Covid em crianças, diz estudo
Geral
Depois da capital, Estado também decreta ponto facultativo dia 1° de novembro
Geral
Ao vivo: Corpo de Bombeiros fala sobre plano de prevenção para tempestade prevista no fim de semana
Geral
Você tem alguma história de terror real legal para contar? Mande para o JD1 Notícias
Geral
Trecho da Rui Barbosa será interditado durante uma semana
Geral
Shoppings da Capital se unem à CDL para ajudar famílias afetadas pelo temporal
Geral
Para custear exame de filho com DMD, mãe faz barras de chocolate para vender

Mais Lidas

Clima
Áudio: Atenção - tabela do Inmet é real, não é fake
Clima
Vídeo: Força-tarefa está pronta para novo vendaval
Internacional
Alec Baldwin dispara com arma cenográfica e mata diretora de fotografia
Clima
Previsão de chuva com ventos assusta