Menu
Busca domingo, 25 de agosto de 2019
(67) 99647-9098
Geral

Aposentado faz segunda doação de medula óssea

Wilmar conta que o procedimento cirúrgico não deixa sequelas

30 janeiro 2019 - 11h58Joilson Francelino

O aposentado Wilmar Nery da Silva, aposentado, 55 anos, fez na semana passada sua segunda doação de medula óssea e alerta para os mitos que impedem algumas pessoas de realizarem o procedimento.

Wilmar explica que no Brasil são permitidas, pelo Registro Nacional de Doadores da Medula Óssea (REDOME), três doações alogênicas. A primeira doação é feita em centro cirúrgico, extraindo-se a medula do osso da bacia e as outras duas através de coleta por aférese, que é similar à doação de sangue.

Em junho de 2016, Wilmar fez sua primeira doação e ele fala sobre o primeiro mito que as pessoas temem ficar paralíticas por acreditar que a medula é retirada da coluna. “Fui levado para o Hospital das Clínicas de Curitiba, passei pelo procedimento cirúrgico e a medula foi tirada da minha bacia e não deixou sequelas”, ressalta. Wilmar conta que na segunda, precisou fazer uso de medicação por cinco dias, para aumentar o número de células tronco no sangue. “A única coisa que senti durante esses dias foi o osso como se formigando, mas nada que incomode”, contou. O segundo procedimento foi realizado no último dia 22 de janeiro, no Hospital Albert Einstein, em São Paulo. “É um processo tranquilo, eu fiquei de repouso por pouco tempo e depois já estava tudo normal”, disse.

Para o aposentado, o mais importante é a desmistificação da doação. Ele conta que muita gente chega a desistir quando acha um receptor. “A falta de informação atrapalha e as pessoas acabam desistindo da doação quando encontram uma compatibilidade, por pensar que é um processo que poderia trazer algum prejuízo pra ela”, lamenta.

No Brasil, há mais de 3,7 milhões de doadores de medula óssea cadastrados, o que coloca o país como o terceiro maior banco do mundo, ficando atrás apenas da Alemanha (cerca de 6,2 milhões) e dos Estados Unidos (quase 7,9 milhões). Embora o número seja expressivo, a chance de encontrar um doador totalmente compatível é de 1 para cada 100 mil.

A chance de compatibilidade preocupa ainda mais o aposentado, já que a falta de informação faz muita gente desistir. Para ele, falar da importância da doação de medula óssea nunca é demais. “Muita gente já tentou de tudo e sua última tentativa é o transplante de medula, é muito importante que as pessoas se cadastrem e não desistam”, ressalta.

Wilmar disse que já sabe quem recebeu sua primeira doação e ainda não conhece quem vai receber a segunda. “Só podemos saber quem é depois de dois anos do procedimento e, se for da vontade dos dois, o REDOME faz o encontro”, relata. O aposentado ressalta ainda que o procedimento da cirurgia não tem custo algum para o doador. “Eles pagam a passagem, hospedagem, translado, e você só vai para retirar”, disse.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Estados pedem ajuda do Governo Federal para combate a incêndios
Geral
Famasul firma parceria em campanha de vacinação do Rotary Club Campo Grande
Geral
Rally dos Sertões continua neste sábado com ação social e show
Geral
Acumulada, Mega-Sena sorteia hoje prêmio de R$ 35 milhões
Geral
Sala de Situação Integrada une órgãos para controle e combate de queimadas
Geral
Mulher tem dedo amputado enquanto fazia compras
Geral
Vídeo – Incêndio no Parque dos Poderes
Geral
Confira o que abre e fecha neste feriadão
Geral
Emha recebe prêmio nacional de habitação em Foz do Iguaçu
Geral
Fácil do Aero Rancho passa por reforma e Águas Guariroba reduz atendimento

Mais Lidas

Geral
Mulher tem dedo amputado enquanto fazia compras
Fim de Semana
Esquadrilha da Fumaça se apresenta em Campo Grande neste domingo
Geral
Rally dos Sertões continua neste sábado com ação social e show
Clima
Chuva deve chegar só em setembro