Menu
Busca segunda, 22 de abril de 2019
(67) 99647-9098
Geral

Assad critica "campanha de mentiras dos EUA" no Conselho de Segurança

15 abril 2018 - 17h21Agência Brasil

O presidente da Síria, Bashar al Assad, criticou neste domingo (15) o que chamou de "campanha de falácias e mentiras" contra seu país por parte de Estados Unidos, França e Reino Unido no Conselho de Segurança da ONU, durante uma reunião em Damasco com deputados russos. A informação é da agência EFE.

"A agressão tripartite com mísseis contra a Síria foi acompanhada de uma campanha de falácias e mentiras no Conselho de Segurança por parte dos mesmos países agressores contra a Síria e a Rússia", alegou Assad, segundo um comunicado divulgado em sua conta no Telegram.

O líder sírio disse ainda que Rússia e Síria "não só estão em uma batalha contra o terrorismo, mas também para proteger a lei internacional baseada no respeito à soberania dos Estados soberanos e à vontade dos seus povos".

Ainda segundo o comunicado, Assad fez estas declarações durante um encontro com uma delegação do partido Rússia Unida, ao qual o presidente russo, Vladimir Putin, é filiado.

A agência de notícias estatal síria (Sana) acrescentou que os parlamentares russos afirmaram que "a agressão tripartite contra a Síria é uma violação clara das convenções internacionais e ocorreu em um momento em que os sírios tentam restaurar a estabilidade e continuar o processo de reconstrução".

Russos derrubaram 70 mísseis, diz Assad

Assad elogiou aos parlamentares russos os velhos sistemas de defesa antiaérea do país, de origem soviética e que, segundo ele, derrubaram mais de 70 mísseis lançados no ataque conjunto de Estados Unidos, Reino Unido e França na madrugada de sexta-feira (13) para sábado (14).

Segundo o deputado Dmitri Sablin, que participou da reunião, Assad disse que o bombardeio foi repelido com foguetes fabricados nos anos 70. "Os filmes americanos nos dizem que o armamento russo é antiquado, mas agora vimos quem realmente está atrasado", afirmou o presidente sírio, segundo Sablin.

O parlamentar disse a jornalistas de seu país em Damasco que Assad calcula em US$ 400 bilhões a conta para reconstruir o país árabe depois da guerra.

Segundo Sablin, Assad prometeu dar preferências às empresas russas na reconstrução da Síria e vetar a participação de companhias ocidentais em licitações.

O ataque com mísseis contra várias instalações militares sírias foi dirigido, segundo Washington, a locais onde eram produzidas e armazenadas armas químicas, incluindo as que teriam sido usadas no suposto ataque contra a cidade de Duma, na província de Ghouta Oriental.

Segundo a Rússia, entre os alvos do ataque estavam um centro de pesquisa científica em Damasco, um quartel da Guarda Republicana, uma base de defesa antiaérea, vários aeroportos militares e armazéns com armas.

O chefe do Kremlin denunciou ontem que a "agressão" à Síria ajuda os terroristas que atuam no país árabe e advertiu que o ataque ameaça o sistema de relações internacionais.

pmcg - prestação de contas

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Unimed é autuada por mau atendimento
Geral
Mais de R$ 1 milhão é pago pelo TCE-MS a conselheiros
Geral
Vídeo - Águia Negra lamenta morte de ex-jogador
Brasil
Ex-estrela do programa Raul Gil comete suicídio
Cidade
Com suspeita de pneumonia, bebê é resgatado por helicóptero
Geral
Distritos de Jaraguari serão asfaltados nos próximos dias
Geral
Avianca cancela 50 voos em Campo Grande
Geral
TRE divulga gabarito do processo seletivo para estagiários de ensino médio
Geral
Mega acumula e poderá pagar R$ 90 milhões na quarta-feira
Geral
Seminário em memória às vítimas de acidente de trabalho acontece nesta segunda, na capital

Mais Lidas

Polícia
Casal morre em acidente na MS-164
Brasil
Ex-estrela do programa Raul Gil comete suicídio
Polícia
Jovem morre afogado em piscina do Corumbaense Futebol Clube
Polícia
Vídeo - Ex-jogador do Águia Negra morre em acidente