Menu
Busca terça, 14 de julho de 2020
(67) 99647-9098
TJMS julho20
Geral

Associação tenta derrubar o poder do TJ de afastar titulares de cartórios

28 julho 2011 - 10h21

A Anoreg (Associação dos Notários e Registradores do Brasil) contesta no STF dispositivo sobre demissão de titulares de cartórios em Mato Grosso do Sul.

A entidade entrou com Ação Direta de Inconstitucionalidade no Supremo Tribunal Federal e pede liminar contra Regimento Interno do Tribunal de Justiça que estabelece como função do TJ demitir delegatários dos serviços do foro extrajudicial.

A Anoreg também quer que todos os processos disciplinares instaurados contra titulares dos cartórios sejam suspensas, assim como as decisões já tomadas.

Segundo a aAssociação, a norma regimental "é flagrantemente inconstitucional, por violação do princípio da legalidade, do devido processo legal e da ampla defesa (artigos 37, parágrafo 6º, e 5º, incisos LII e LV, da Constituição Federal (CF)", além de ofender "o próprio Código de Organização e Divisão Judiciária do Estado de Mato Grosso do Sul (Lei Estadual 1.511/94)".

Segundo a associação, esse tipo de definição cabe ao Conselho Superior da Magistratura, que tem competência para "nomear, exonerar, promover, remover, demitir ou aposentar servidores da justiça".

Em maio, o Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul negou recurso da tabeliã Joanna Dar´c de Paula Almeida contra a decisão de março que determina a perda da titularidade do 1º Tabelionato de Protesto de Campo Grande.

Enquanto existe a possibilidade de recurso, o cartório ainda está em poder de Joanna Dar´c. Não há previsão de quanto a decisão vai ser cumprida.

Joanna Dar´c perdeu o cartório como decisão final em um processo administrativo que começou em 2006. A Corregedoria entendeu que a tabeliã teve atitudes incompatíveis com a responsabilidade exigida pelo cartório.

Ela é alvo de vários processos e tem uma condenação por crime contra o sistema financeiro nacional. Ela e Almir Almeida, com que era casada à época, foram denunciados por terem movimentado US$ 619,1 mil em uma conta do então banco Banestado em Nova Iorque, nos Estados Unidos, no ano de 1996, sem autorização para isso, e sem pagamento de impostos, o que configura crime. O dinheiro estava em uma conta em nome da empresa Darimla Corporation, de propriedade da tabeliã e de Almir e foi descoberto em investigação da Polícia Federal.

Vacinne

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Prefeitura multa Consórcio Guaicurus em R$ 12 milhões
Geral
Carnaval no Rio pode acontecer só em junho
Geral
Governo amplia prazo de redução de jornada e suspensões de contratos
Geral
Orro quer proibir atos públicos para evitar aglomerações
Geral
Aos 27 anos, Adalberto perde a luta contra o coronavírus
Geral
Saque de auxílio emergencial é liberado para beneficiários do 3º lote
Geral
Mãe pede leite, remédio ou dinheiro para salvar bebê com anomalia
Geral
Funsat encaminha mulheres vítimas de violência ao mercado de trabalho
Geral
Licenciamento de veículos pode ser emitido online
Geral
Blogueira de MS afirma estar com Covid-19 e faz “recebidos” de vitaminas

Mais Lidas

Polícia
Ex-patroa é denunciada por abandono de incapaz que resultou em morte
Saúde
MP solicita inspeção em frigoríficos no interior
Polícia
Comerciante foi morta porque reconheceu voz de ex-funcionário, diz investigação
Política
“Caso de polícia”, diz Fábio sobre fake news de lockdown na capital