Menu
Busca quarta, 20 de março de 2019
(67) 99647-9098
Geral

Campo Grande é a capital do divórcio

04 dezembro 2011 - 06h42

A taxa de divórcios bateu novo recorde no país em 2010, o que mostra que os casais que decidem acabar com o casamento estão optando cada vez mais pelo divórcio direto, em vez de passar antes pelo processo de separação. . É o que aponta a pesquisa Estatísticas do Registro Civil, divulgada nesta quarta-feira pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

De acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) o número de separações judiciais e divórcios cresceu em vários estados, inclusive em Mato Grosso do Sul.

Segundo a Pesquisa Registro Civil 2010, Mato Grosso do Sul registrou 3.900 divórcios concedidos em 1ª instância, com uma taxa geral de divórcio de 2,7%o que o coloca na 3ª posição entre as maiores taxas do País.

Em 2008 a taxa de divórcio em Mato Grosso do Sul era de 2%. No ano seguinte passou a 2,30% e em 2010 chegou a 2,70%, na média.

No ranking de capitais brasileiras, o maior índice de divórcios entre a população com 20 anos ou mais volta a ser de Campo Grande com 2.148 divórcios, fato que corresponde a uma taxa de 4%, bem acima da média nacional.

Em seguida aparecem Salvador e Boa Vista com taxa de divórcios de 1,8%, Brasília com 1,7%, Natal com 1,6% e Belo Horizonte com 1,5%. A menor taxa de divórcio é deTeresina com 0,2%.

Ainda em Mato Grosso do Sul, a cidade de Fátima do Sul que realizou 52 divórcios representa uma taxa bem acima da média nacional com índice de divórcio de 3, 86%. Sete Quedas que realizou 14 separações, tem taxa de 3,33%. Bataguassu apresentou taxa de 2,46% com 32 separações e Pedro Gomes obteve taxa de 2,06%, correspondente a 11 divórcios.

No Brasil, só no ano passado, foram registrados 243.224 processos judiciais ou escrituras públicas de divórcios e as separações totalizaram 67.623.

O primeiro da lista é o estado de Rondônia com a maior taxa – 3,5%o, seguido do Distrito Federal com 3,3%o, MS com 2,7%o; Espírito Santo com 2,5% e o Paraná com 2,3%.

As grande capitais brasileiras tiveram a seguinte taxa: São Paulo – 2,2%o – 6ª maior; Rio de Janeiro – 1,4%o – 5º menor.

A menor taxa de divórcio foi obtida no Piauí e Maranhão com 1%.

Os divórcios já vinham crescendo, e desde a década de 90 superavam as separações. No ano passado, no entanto, uma mudança na legislação deu novo impulso a esta tendência: os cartórios passaram a formalizar processos de divórcio, o que antes era feito somente na Justiça. Em 2010, para cada grupo de mil habitantes com mais de 20 anos, foi registrado 1,8 divórcio. No caso das separações, o índice foi de 0,5 por 1.000, o menor da série histórica, iniciada em 1984.

Filhos

Outra tendência que a pesquisa registra é o aumento no compartilhamento da guarda dos filhos, que cresceu de 2,7% em 2000 para 5,5% em 2010. No entanto, é ainda uma proporção muito pequena. Em geral, a pesquisa do IBGE mostra que a responsabilidade pela guarda fica mesmo com as mulheres (87% dos casos).

Uma das poucas exceções a esta regra é verificada na cidade de Salvador, onde 46,5% dos filhos de casais que se divorciaram ficaram sob guarda compartilhada. Em seguida aparecem Macapá com 13,8%, Boa Vista com 13,1%, Curitiba com 12,1%, São Luís com 11,6%, Rio Branco com 11,5%, Porto Alegre com 9,9%, Vitória com 9,6%, Florianópolis com 9%, Maceió com 7,4%, Campo Grande com 7,4% e Belém com 7,4%.

Na cidade de São Paulo, esta proporção não passa de 6%.

Em 40% das separações ou divórcios, os casais não tinham filhos, um crescimento de dez pontos percentuais em relação a 2000.

A pesquisa mostra também que, em 71% dos casos, as separações são consensuais. Nos casos em que há litígio, é quase sempre a mulher (71% dos casos) que requer o fim do casamento na fase de separação.

Já nos divórcios que não são consensuais (25% dos casos), há maior equilíbrio entre quem entra com o processo, sendo 52% dos pedidos feitos por mulheres e 48% por homens.

Uma das razões que explica por que homens tendem a tomar mais iniciativa na fase do divórcio do que na separação é que somente com o divórcio é possível casar novamente em cartório. Como homens tendem a ter mais facilidade para conseguir um segundo matrimônio (por razões culturais e pelo fato de se casarem, em média, com mulheres mais jovens), eles se mostram mais interessados em acelerar este processo.

Alessandra Messias

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
"5º Costelão do Cotolengo Sul-Mato-Grossense" acontece em abril
Geral
Massacre em Suzano completa uma semana
Geral
Prefeito e governador entregam moradias no loteamento Bom Retiro
Geral
Drogasil e Drogaria São Leopoldo são autuadas pelo Procon
Geral
Superlua poderá ser vista hoje nas américas do Sul e Norte
Geral
Representantes de TV aberta discutem novas tecnologias na Fertel
Geral
DeMolay’s serão homenageados quinta-feira, na Assembleia
Geral
PSDB Mulher cobra posição da bancada feminina no Congresso
Geral
Três vítimas do massacre em Suzano continuam hospitalizadas
Geral
Ex-governador do Paraná, Beto Richa, é preso pela terceira vez

Mais Lidas

Polícia
Orgia em motel vira caso de polícia
Polícia
Imagens fortes - Mais um é executado em menos de 24 horas na fronteira
Polícia
Vídeo - Um morre e outro fica ferido em execução na fronteira
Polícia
Adolescente é estuprada por quatro homens em Aquidauana