Menu
Busca quinta, 01 de outubro de 2020
(67) 99647-9098
Geral

'Chance de falar bobagem na TV é grande', diz Datena sobre editoriais

26 fevereiro 2014 - 12h36Via Uol
Com o acirramento das tensões sociais no Brasil de hoje, os telejornais e seus âncoras têm cada vez mais frequentemente abandonado a neutralidade e se posicionado a respeito de casos como: o do menor infrator acorrentado pelo pescoço por justiceiros na zona sul do Rio; a morte do cinegrafista da Band atingido por um rojão durante uma manifestação, também no Rio; a truculência da polícia em São Paulo, no último sábado (22), durante uma manifestação contra a Copa do Mundo.

Alguns desses editoriais, por pressão das redes sociais e até por ataques diretos a membros da imprensa, acabam adotando um tom radical na defesa desta ou daquela instituição, o que leva alguns jornalistas a darem opiniões controversas e polêmicas. Mas qual o limite para a opinião expressa por um profissional da imprensa na TV, uma concessão pública? Ela pode influenciar a população a praticar atos de insubordinação às leis?

José Luis Datena, do "Brasil Urgente", da Band, disse ao Uol que, na TV, a chance de falar bobagem é muito grande, especialmente em seu caso, cujo programa é diário e de longa duração.

"O limite da opinião é o bom senso. Mas houve uma época em que eu fazia programa de rádio. Eram duas horas no rádio e mais duas horas e meia na TV. E aí você tem que dar opinião. A chance de falar bobagem é muito grande. Não é sempre que você acerta. Tem que ter um controle acima do limite. Então eu não julgo colegas que extrapolam. Já fiz muita cagada."

Já Luiz Bacci, apresentador do vespertino "Balanço Geral", da Record, alerta para os efeitos de um comentário mais inflamado: "Você precisa ser muito cuidadoso com os comentários. Se alguma pessoa sem instrução ouve aquela mensagem, se revolta, a gente não sabe o que ela é capaz de fazer. Em momento nenhum, você deve mostrar para o povo brasileiro que o caminho é esse, de arregaçar as mangas e fazer justiça com as próprias mãos, por exemplo. Entendo que o brasileiro está cansado [da morosidade da Justiça], mas o caminho não é esse."

Datena concorda. "A gente sabe que a população quer fazer justiça, mas você não pode dar uma resposta criminosa a um crime. E uma opinião que endosse isso, repetida mil vezes, acaba virando verdade. Pode provocar uma reação social."

Outro âncora da Band, o jornalista Ricardo Boechat, defende que a liberdade de opinião deve ser irrestrita. Para ele, qualquer tentativa de deformar esse conceito é negativo. "Existe liberdade relativa? Lógico que não me agrada ouvir tudo o que ouço, mas me agrada menos ainda saber que essas barbaridades não possam ser ditas. Veja bem, eu não estou aqui apoiando as opiniões abomináveis do deputado Jair Bolsonaro ou da Rachel Sheherazade, mas acho que as pessoas têm que ter a liberdade de serem, inclusive, idiotas."

E completa: "O que um jornalista não pode é cometer um crime. Eu não estou apoiando a opinião de nenhum canalha, mas acho que a melhor forma de calá-los é com a liberdade. Quero que essa gente morra no ostracismo, que o Bolsonaro não se eleja, que a Sheherazade tenha zero de audiência (embora eu duvide que isso vá acontecer). Repito, acho as opiniões deles abomináveis, mas acho mais abominável ainda querer calá-los. Os liberais têm de ser liberais correndo todos os riscos que a liberdade tem."
Terra Benta

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Reinaldo paga servidores nesta quinta
Geral
Pastor Dinho melhora e já está consciente
Geral
Campo-grandenses têm até 1h da madrugada para "ficar na rua"
Geral
Vitinho Park reabre nesta quarta
Geral
Fazendeiro mata eletricista que cortou luz por inadimplência
Geral
Vídeo - Raíssa perde o controle e joga creme em participantes da Fazenda
Geral
Gaeco cumpre mandados de busca em empresas de MS
Geral
Mulher suspeita que a atual namorada do seu ex-marido tenha envenenado sua gatinha
Geral
Mega-Sena pode pagar R$ 60 milhões no sorteio desta quarta
Geral
Homem cai dentro do córrego durante caminhada

Mais Lidas

Cidade
Vídeo - Famílias perdem tudo em incêndio Noroeste; saiba como ajudar
Cidade
Ação une irmãs do MT e MS em prol de animais do Pantanal
Justiça
Acusado de matar a tia com 24 facadas é condenado a 8 anos de prisão
Polícia
PMA autua pecuarista em R$ 10 mil por animais silvestres em cativeiro