Menu
Busca domingo, 25 de agosto de 2019
(67) 99647-9098
Geral

Cheia no Pantanal provoca morte de peixes e PMA fala em prejuízo incalculável

22 março 2011 - 14h08
Além de causar prejuízos à pecuária, estimados em R$ 190 milhões, com a perda de gado, a cheia na planície pantaneira também provoca a morte de peixes há pelo menos três semanas. Na região de Corumbá, o major da PMA (Polícia Militar Ambiental), César Freitas, diz que é impossível calcular a quantidade de peixes mortos e que o prejuízo é incalculável. “Nossa equipe registrou uma faixa de 2 quilômetros de espécies mortas ou que estão na superfície em busca de oxigênio”, relatou o capitão. “A decoada está surpreendendo. Geralmente durante apenas três dias”, completa. Entre os exemplares mortos, é possível ver espécies como armal, jaú, dourado, pintado, cachorra e arraias. O major da PMA de Corumbá acredita que mais peixes ainda devam morrer com a cheia na região. Agora, a preocupação da corporação é a pesca predatória, já que as espécies estão vulneráveis. Os policiais têm realizado fiscalizações constantes, pois, com os peixes na superfície, os pescadores tendem a descumprir a legislação ambiental. “O peixe pode ser consumido, desde que esteja dentro das exigências: equipamento permitido, tamanho mínimo, cota e licença de pesca”, explica o major, revelando que pescadores foram flagrados capturando os peixes para comércio. Desde que foi registrada a morte de peixes pela decoada, a PMA autuou 15 pessoas, na maioria por captura de pescados com tamanhos inferiores aos permitidos por lei. O valor das multas aplicado até agora somou R$ 16,2 mil. Além disso, segundo balanço divulgado pela Polícia, foram apreendidos 283 quilos de pescados das espécies pacu, pintado, cachara, jaú e barbado; oito barcos de alumínio; nove motores de popa; dois barcos de madeira; um veículo; seis varas de bambu com garatéias (três anzóis fixados um no outro) e três varas de bambu com arpões. Rio Negro - No fim de janeiro, cerca de mil toneladas de peixes morreram por conta da decoada no Rio Negro, em Aquidauana. O fenômeno é comum na região do Pantanal. Na decoada, a vegetação local entra em decomposição na seca. Com a chegada da cheia, esse material orgânico, junto com a água em alta temperatura, contribui para diminuir o oxigênio, forçando os peixes a subir à superfície. Fonte: CG News

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Estados pedem ajuda do Governo Federal para combate a incêndios
Geral
Famasul firma parceria em campanha de vacinação do Rotary Club Campo Grande
Geral
Rally dos Sertões continua neste sábado com ação social e show
Geral
Acumulada, Mega-Sena sorteia hoje prêmio de R$ 35 milhões
Geral
Sala de Situação Integrada une órgãos para controle e combate de queimadas
Geral
Mulher tem dedo amputado enquanto fazia compras
Geral
Vídeo – Incêndio no Parque dos Poderes
Geral
Confira o que abre e fecha neste feriadão
Geral
Emha recebe prêmio nacional de habitação em Foz do Iguaçu
Geral
Fácil do Aero Rancho passa por reforma e Águas Guariroba reduz atendimento

Mais Lidas

Geral
Mulher tem dedo amputado enquanto fazia compras
Fim de Semana
Esquadrilha da Fumaça se apresenta em Campo Grande neste domingo
Geral
Rally dos Sertões continua neste sábado com ação social e show
Clima
Chuva deve chegar só em setembro