Menu
Busca segunda, 22 de abril de 2019
(67) 99647-9098
Geral

"Choro, mas prefiro ver as notícias a esquecer", diz mulher de Anderson

15 abril 2018 - 09h23Agência Brasil

Há um mês, desde que o marido Anderson Pedro Gomes, 39 anos, foi assassinado com três tiros, Ágatha Arnaus Reis e o filho Artur, de 1 ano e dez meses, moram com a mãe dela, em Inhaúma, na zona norte do Rio de Janeiro. A vida segue entre burocracias relacionadas à morte de Anderson, o tratamento do filho com deficiência e a expectativa para a solução do crime. Para Ágatha, as investigações devem ser feitas de forma sigilosa e sem açodamento.

“Não cabe também apresentarem uma pessoa e depois falarem que estão enganados, que é outra, então, que corra do jeito que tem que ser feito”, afirmou a viúva, que costuma trocar mensagens com parentes da vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ) para quem Anderson trabalhava no dia da morte dele. O motorista trabalhava para a vereadora em geral às terças-feiras e no dia do assassinato completou dois meses que ele prestava os serviços para ela.

Na tentativa de buscar forças e superar a violência do assassinato, Ágatha tem apoio nos parentes e amigos. "A minha família sempre foi muito presente e a dele também. A gente mora em bairros vizinhos e eu vou muito lá também. A minha família e a dele participam muito da minha vida e da vida do Artur como já era sempre. Agora, eu preciso mais, mas eles já eram muito presentes”, afirmou.

Espírita, Ágatha se apega à doutrina para aplacar a saudade. Segundo ela, o espiritismo explica os significados e motivações dos acontecimentos mais dolorosos da vida, mas está difícil seguir os ensinamentos. “Eu esbravejei. Falei que não era justo. Fiquei com raiva de Deus porque a gente tinha muita coisa para fazer ainda e tento ficar pensando nos motivos, na situação. Escuto muita gente, mais voltada ao Espiritismo, falando que era a hora dele, tanto que foi tão rápido e Deus foi bom com ele, essas coisas, mas nada, mesmo a gente acreditando e dando uma amenizada, a gente não consegue ficar tranquila”, disse.

Para a viúva, é doloroso ver o filho e saber que ele não terá o pai ao lado para ver o seu desenvolvimento. “Desde a gravidez eu soube que o Artur ia ser um bebê que precisaria operar com 16 semanas. Fiz um exame que furaram minha barriga ainda grávida para tirar líquido amniótico. Então, a gente passou muita coisa mesmo e ele não ver o desenvolvimento do Artur depois de ter passado tudo isso, me magoou muito mesmo sabendo que ele está vendo em um outro lado [no plano espiritual]. É muito dolorido tirarem a vida de uma pessoa que ainda tinha muita coisa para fazer. Dá um nó na cabeça. É o que mais me dói no momento”, disse.

Na tentativa de retomar a normalidade, Ágatha voltou a trabalhar como agente de pessoal no Centro Integrado de Educação Pública (CIEP), de Tomás Coelho, na zona norte, onde o carinho e a atenção são constantes. “Muita gente me parava no corredor e falava comigo”, disse. “As pessoas me param nas ruas e perguntam se podem me abraçar. Eu confesso que gosto de receber este carinho e ver as notícias. Eu choro, junto com a mãe dele, mas prefiro ver do que ir esquecendo.”

Simbolismo

A morte do motorista Anderson Gomes representa mais do que a perda de um marido para Ágatha Reis. O assassinato dele na noite do dia 14 de março, no Estácio, região central do Rio, ao lado de Marielle Franco virou um símbolo de resistência à violência. Ágatha lembra que ela e o marido, no dia seguinte às mortes, iriam ao endocrinologista do filho.

“O Anderson nem ficou sabendo da conclusão das coisas. O Artur começou o tratamento hormonal e faz a maior diferença, agora, no desenvolvimento dele. Dói muito o pai não estar presente, porque a gente passou por tantas coisas juntos, principalmente, na fase de querer ter filho e nessas coisas [do tratamento] com o Artur. O Anderson me faz uma falta tremenda, principalmente, na criação do nosso filho, no dia a dia”, disse Ágatha à Agência Brasil.

A viúva por um momento se perde entre lembranças e fotografias: “Nós éramos muito amigos de conversar sobre qualquer besteira. Nossos momentos de almoço e de janta, quando a gente estava junto, eram sempre sentados conversando. Eu perdi mais que um marido, perdi um amigo porque nós éramos amigos mesmo. Não sei nem descrever a falta que eu sinto”.

Segundo Ágatha, a vinda de Artur era um desejo de Anderson, que sonhava em ser pai. “Foi ele que me pediu para parar de tomar remédio, porque a nossa diferença de idade é significativa. Ele não tinha outros filhos, então, ele ficou bem contente [com o anúncio da gravidez]”, disse.

pmcg - prestação de contas

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Unimed é autuada por mau atendimento
Geral
Mais de R$ 1 milhão é pago pelo TCE-MS a conselheiros
Geral
Vídeo - Águia Negra lamenta morte de ex-jogador
Brasil
Ex-estrela do programa Raul Gil comete suicídio
Cidade
Com suspeita de pneumonia, bebê é resgatado por helicóptero
Geral
Distritos de Jaraguari serão asfaltados nos próximos dias
Geral
Avianca cancela 50 voos em Campo Grande
Geral
TRE divulga gabarito do processo seletivo para estagiários de ensino médio
Geral
Mega acumula e poderá pagar R$ 90 milhões na quarta-feira
Geral
Seminário em memória às vítimas de acidente de trabalho acontece nesta segunda, na capital

Mais Lidas

Polícia
Casal morre em acidente na MS-164
Brasil
Ex-estrela do programa Raul Gil comete suicídio
Polícia
Jovem morre afogado em piscina do Corumbaense Futebol Clube
Polícia
Vídeo - Ex-jogador do Águia Negra morre em acidente