Menu
Busca quinta, 23 de setembro de 2021
(67) 99647-9098
TJMS setembro21
Geral

Cientistas desvendam origem de meteoro que explodiu na Rússia

07 novembro 2013 - 12h10Via Folha
No amanhecer de 15 de fevereiro de 2013, uma imensa bola de fogo - um meteoro - assustou os moradores de Tcheliabinsk, na Rússia. Nove meses depois, os cientistas pelo menos descobriram de onde ele veio.

Outra revelação interessante foi identificar por que ninguém viu esse bólido chegando até que ele se destroçasse na atmosfera terrestre.

Tudo isso e mais está relatado em três novos estudos científicos, dois publicados hoje na "Nature", e um na "Science" de amanhã.

As diversas filmagens da entrada do pedregulho - estimado em 19 metros de diâmetro - permitiram calcular seu percurso pelo espaço até chegar a nós.

Em uma das pesquisas da "Nature", liderada por Jiri Borovicka, da Academia de Ciências da República Tcheca, os cientistas concluíram que o bólido passou as seis semanas que antecederam o impacto numa posição do céu que impedia sua observação pelos astrônomos.

Calculando a órbita completa, o grupo de cientistas percebeu que ela coincidia quase precisamente com a do asteroide 1999 NC43, que tem 2,2 km de diâmetro e se alterna em sua rota entre o cinturão de asteroides e as proximidades da Terra.

Isso faz com que seja provável que o meteoro de Tcheliabinsk fosse um pedaço que se desprendeu desse bólido. A chance de que as órbitas similares sejam apenas coincidência é de 1 em 10 mil.

Poder de fogo
No segundo estudo da "Nature", Peter Brown e seus colegas da University of Western Ontario, no Canadá, calculam que a explosão do asteroide ao adentrar a atmosfera teve a força de 500 mil toneladas de TNT.

Trata-se da maior explosão de asteroide no ar em um século, mas ainda inferior ao famoso episódio Tunguska, também na Rússia, em que um objeto de cerca de 50 metros gerou explosão equivalente a pelo menos 3 milhões de toneladas de TNT.

O estudo que sai na "Science", liderado por Olga Popova, da Academia Russa de Ciências, se concentrou mais nos estragos que foram causados pelo impacto.

O grupo visitou as áreas afetadas, recolheu pedaços de meteorito e contou os danos, que afetaram uma área com uma população superior a 1 milhão de pessoas.

É mais uma constatação de que o perigo dos asteroides é real e vale a pena os astrônomos continuarem monitorando a rota desses bólidos.
Unica - inverno

Deixe seu Comentário

Leia Também

Polícia
Vídeo: Ladrão furta mercado e conveniência em MS e acaba preso
Geral
Corpo é encontrado em córrego perto da rodoviária de Campo Grande
Geral
SMS de pesquisa de satisfação da empresa Energisa deixa usuários em dúvida
Geral
Surdos defendem Libras como segundo idioma oficial do Brasil
Geral
Mulher com doença rara, morre após receber diagnósticos errados
Geral
'Zé Calango' tem mal súbito e morre enquanto pilotava moto
Geral
Empresa de limpeza conserta moto após homem alegar que funcionários danificaram veículo
Geral
Motociclista morre após bater em uma capivara morta na pista
Geral
Você viu o Noah? Família procura por gato desaparecido há 60 dias
Geral
Homem alega ter moto danificada por empresa de limpeza em Campo Grande

Mais Lidas

Geral
Vídeo: "Peixe de bosteiro", morador de rua engana população de Paranaíba
Polícia
Menino de 2 anos mata prima atropelada após dar partida em carro
Polícia
Funcionários da Energisa ficam sob mira de arma ao tentar podar árvores na Vila Olinda
Polícia
Operação “Dark Money” investiga desvio de R$ 23 milhões no esquema de corrupção em Maracaju