Menu
Busca quinta, 13 de maio de 2021
(67) 99647-9098
TJMS - maio21
Geral

Com protesto, servidores, professores e acadêmicos iniciam greve na UFMS

21 junho 2012 - 11h05Simão Nogueira

Entre apitos, gritos e batuques, tinha servidor até vestido de "morte", de luto pela educação no país. “É uma forma de protesto, mostrar que a educação está morrendo e o governo não está fazendo nada”, explica sobre a fantasia, o coordenador geral da Sista (Sindicato dos Trabalhadores das Instituições Federais de Ensino do Estado de Mato Grosso do Sul) , Lucivaldo Alves dos Santos. Este era o clima desta tarde na UFMS, após a deflagração da greve dos servidores e professores, que contou com a participação dos alunos. Fato inédito em Mato Grosso do Sul.

Foi com os gritos “a nossa luta unificou. É estudante, servidor e professor” que, segundo Lucivaldo, cerca de 300 pessoas saíram desde a unidade 8, passando corredor central, biblioteca e CCHS (Centro de Ciências Humanas e Sociais).

A animação era grande, de longe se podia ouvir onde o movimento estava concentrado. Quem está na universidade há 40 anos relembra dos altos e baixos vividos ali.

“Principalmente nos últimos 10 anos tem tido decadência tanto na questão física, corpo docente e de qualidade no ensino. A greve não é do professor, é da universidade”, fala o professor de Educação Física, José Luiz Finocchio, 63 anos.

A paralisação que envolve professores, técnicos e acadêmicos é resultado da assembleia realizada no último dia 15, considerada inédita pela participação das três classes.

José Luiz relembra que isso aconteceu poucas vezes e tem uma resposta pronta. “Isso reflete a condição que chegou o ensino”, completa.

A Adufms afirma que os docentes estão desde 2007 sem reajuste e que não há um percentual definido, mas a classe luta para pelo menos reposição da inflação do período dos últimos cinco anos.

Os acadêmicos eram quem conduziam a manifestação. Se por segundos era ouvido o silêncio, o tempo servia apenas para ensaiar o novo grito. A estudante do 1º semestre de Letras, Micaeli Monteiro de Oliveira, 18 anos, ressalta que a luta acadêmica é em prol das melhorias.

“Queremos principalmente exigir voto paritário. Já estava na hora, precisamos de muitas melhorias físicas e administrativas”, diz.

As próximas atividades do movimento serão reuniões nesta sexta-feira. Na parte da manhã será com técnicos e na tarde, dos professores.

A greve acontece em Campo Grande, Aquidauana, Bonito, Chapadão do Sul, Corumbá, Coxim, Naviraí, Nova Andradina, Paranaíba, Ponta Porã e Três Lagoas. Em todo País, a greve dos professores das universidades federais completou um mês no último domingo (17) e segue sem perspectiva para o fim do movimento.

Via Campograndenews

Girafa

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Suzano terá mega fábrica em Rio Pardo
Geral
Mega-Sena sorteia hoje prêmio acumulado de R$ 27 milhões
Brasil
Cachorro arrasta corpo de recém-nascido carbonizado pela rua
Geral
Assembleia analisa projeto que prevê  intérpretes de libras em delegacias 
Geral
Estudo confirma presença de dinossauros em MS
Geral
Policial Militar salva bebê que se afogou com o leite materno
Geral
Visitas em presídios seguem suspensas até dia 26 de maio
Cidade
Aulas presenciais voltam dia 19 de julho em Campo Grande
Geral
JD1 e iPlace do Bosque dos Ipês sortearão kits com acessórios do iPhone
Geral
MS contrata banco por R$ 13,5 mi para emissão de cartões do 'Mais Social'

Mais Lidas

Polícia
Jacaré é capturado dando 'rolê' em cidade de MS
Internacional
Estados Unidos inicia vacinação contra a Covid-19 em Nova York
Polícia
Morador de rua tenta matar desafeto a pauladas no interior do Estado
Polícia
Briga por capacete acaba em tentativa de homicídio