Menu
Busca domingo, 19 de setembro de 2021
(67) 99647-9098
Gov - Estado que Cresce (set21)
Geral

Com protesto, servidores, professores e acadêmicos iniciam greve na UFMS

21 junho 2012 - 11h05Simão Nogueira

Entre apitos, gritos e batuques, tinha servidor até vestido de "morte", de luto pela educação no país. “É uma forma de protesto, mostrar que a educação está morrendo e o governo não está fazendo nada”, explica sobre a fantasia, o coordenador geral da Sista (Sindicato dos Trabalhadores das Instituições Federais de Ensino do Estado de Mato Grosso do Sul) , Lucivaldo Alves dos Santos. Este era o clima desta tarde na UFMS, após a deflagração da greve dos servidores e professores, que contou com a participação dos alunos. Fato inédito em Mato Grosso do Sul.

Foi com os gritos “a nossa luta unificou. É estudante, servidor e professor” que, segundo Lucivaldo, cerca de 300 pessoas saíram desde a unidade 8, passando corredor central, biblioteca e CCHS (Centro de Ciências Humanas e Sociais).

A animação era grande, de longe se podia ouvir onde o movimento estava concentrado. Quem está na universidade há 40 anos relembra dos altos e baixos vividos ali.

“Principalmente nos últimos 10 anos tem tido decadência tanto na questão física, corpo docente e de qualidade no ensino. A greve não é do professor, é da universidade”, fala o professor de Educação Física, José Luiz Finocchio, 63 anos.

A paralisação que envolve professores, técnicos e acadêmicos é resultado da assembleia realizada no último dia 15, considerada inédita pela participação das três classes.

José Luiz relembra que isso aconteceu poucas vezes e tem uma resposta pronta. “Isso reflete a condição que chegou o ensino”, completa.

A Adufms afirma que os docentes estão desde 2007 sem reajuste e que não há um percentual definido, mas a classe luta para pelo menos reposição da inflação do período dos últimos cinco anos.

Os acadêmicos eram quem conduziam a manifestação. Se por segundos era ouvido o silêncio, o tempo servia apenas para ensaiar o novo grito. A estudante do 1º semestre de Letras, Micaeli Monteiro de Oliveira, 18 anos, ressalta que a luta acadêmica é em prol das melhorias.

“Queremos principalmente exigir voto paritário. Já estava na hora, precisamos de muitas melhorias físicas e administrativas”, diz.

As próximas atividades do movimento serão reuniões nesta sexta-feira. Na parte da manhã será com técnicos e na tarde, dos professores.

A greve acontece em Campo Grande, Aquidauana, Bonito, Chapadão do Sul, Corumbá, Coxim, Naviraí, Nova Andradina, Paranaíba, Ponta Porã e Três Lagoas. Em todo País, a greve dos professores das universidades federais completou um mês no último domingo (17) e segue sem perspectiva para o fim do movimento.

Via Campograndenews

Unica - inverno

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Neto de Luciano do Valle morre após ser baleado em assalto
Geral
Prefeitura lança 1º campeonato público de Free fire e Clash royale em Campo Grande
Vídeos
'Cai devagarinho até embaixo': Funkeira leva tombo ao dançar em cima de carro
Geral
Corre que ainda da tempo! Mega-Sena sorteia prêmio de R$ 23,5 milhões hoje
Oportunidade
'Domingo em família' terá 2.128 oportunidades de emprego na Afonso Pena
Geral
Criança tem cabelo cortado em escola e pai entra com processo por discriminação
Geral
Após notícia que Pelé voltou à UTI, filha do craque nega e tranquiliza ‘se recuperando bem’
Entrevista
Agora: Valério Azambuja fala sobre concurso da GCM
Geral
Abandonada por amigos em deserto, brasileira morre de fome e sede
Geral
“Meu filho me sustentava, agora o Thales faz tudo por mim”, diz mãe de Paulo Gustavo

Mais Lidas

Polícia
Homem encontra pênis decepado dentro de pote no jardim da casa da mãe
Saúde
Com 8 meses de vacinação, MS é o 1º Estado a atingir imunidade coletiva
Polícia
Homem encontra o pai morto em avançado estado de decomposição na Vila Carvalho
Brasil
Homem coloca fogo em casa com ex-mulher e filhos dentro