Menu
Busca quarta, 23 de setembro de 2020
(67) 99647-9098
TJMS setembro20
Geral

Empresário de MS é preso em SP com R$ 600 mil falsos

16 junho 2011 - 17h19Extraída do Facebook do empresário

A Polícia Civil de São Paulo apreendeu nessa segunda-feira, dia 13, mais R$ 400 mil em notas falsas. O material estava guardado em um quarto de hotel em Higienópolis e seria utilizado por homens especializados no golpe do “super-paco”.

Dois integrantes do bando foram presos no mesmo bairro por integrantes da 3ª Divecar (Delegacia de Repressão a Desmanches Ilegais), do Deic (Departamento de Investigações sobre Crime Organizado).

A equipe prendeu o empresário luso-brasileiro Israel Mendes da SIlva, de 32 anos, que atuava em Mato Grosso do Sul e o taxista Roney do Rosário Cunha, de 37, quando deixavam uma churrascaria na Avenida Angélica. Segundo o delegado Wuppslander Ferreira Neto, da D.R.Desmanches Ilegais, havia três meses que os policiais tentavam identificar os especialistas no golpe do “super-paco”.

Na sequência, os policiais foram até um hotel na rua Barão de Tatuí, onde localizaram outra maleta, cujo segredo do trinco era o número 171. Nela foram encontradas notas falsas e tarjetas, como as do Banco Central, para prender as cédulas. O material estava no quarto utilizado pelos golpistas. O balanço das apreensões até agora já é de R$ 600 mil, num total de 12 mil notas de R$ 50.

Para o delegado, a produção bem cuidada do “super-paco” viabilizava o golpe, pois quem recebe o pacote, com tarjetas do Banco Central e notas novas, acaba confiando na transação. Outro ponto a ser observado é que devido à quantidade de notas sendo entregues em locais públicos, poucas pessoas abrem o pacote para contar, como explicou Ferreira Neto.

O taxista, que é paraense e diz morar no Rio de Janeiro, admitiu que seu objetivo em São Paulo era faturar R$ 2 mil no golpe, mas não revelou o alvo do crime. Já Israel Mendes da Silva afirmou ser empresário do ramo de turismo e intermediações e alegou ter seus negócios em Mato Grosso do Sul e Portugal. “Não sei de golpe. Só arrumei alguém para trocar dinheiro por dólares. Meu objetivo era ganhar uma comissão como intermediário”, contou Roney do Rosário Cunha.

O empresário, porém, admitiu que em março, durante outra intermediação, teve problemas. “Arrumei uma venda de pedras preciosas, mas os interessados eram ladrões. Queriam o dinheiro dos compradores”, disse.

As cédulas falsas, segundo o taxista, foram produzidas em Pernambuco. O delegado Ferreira Neto autuou os dois por crime de moeda falsa.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Alguém viu o Steferson? Jovem desapareceu no Canguru
Geral
Guarda resgata gambá ferido no cemitério Santo Amaro
Geral
Garras mira em bancas de jogo do bicho da capital
Geral
Pastor Mauro terá cortejo fúnebre e enterro só para a família
Geral
Loubet, Patrícia & Adriana marcam retomada de eventos com público
Geral
Rudel do Detran, diz que novas regras de trânsito "reduzem burocracia"
Geral
Mauro Clementino, pastor da Terceira Batista, morre de coronavírus
Geral
Dupla detalha assassinato de diarista: “Tiramos a pele do rosto com a faca”
Geral
Vídeo - Após protestos, Pedro Juan abrirá fronteira
Geral
Inscrições para residência médica no Hospital Regional já estão abertas

Mais Lidas

Polícia
Dois são presos tentando entrar com drogas em presídio
Polícia
Iagro aprende 120 cabeças de gado e documentação falsa
Polícia
Operação contra o jogo do bicho vaza e é antecipada
Polícia
No Pernambuco, bandido usa nome de campo-granense para comprar celular