Menu
Busca segunda, 25 de março de 2019
(67) 99647-9098
TJMS março-19
Geral

Falta de pediatra na rede pública prejudica atendimento

22 dezembro 2010 - 11h28Alessandra de Souza
O problema com a falta de pediatras nos postos de saúde de Campo Grande continua. Segundo o Sindicato dos Médicos de MS (SinMed), faltam profissionais na rede pública de saúde por causa de problemas como a remuneração, que consideram abaixo da média. Outra preocupação apontada pelo Sindicato é a violência sofrida pelos profissionais nos postos de saúde. Segundo Rosely Coelho Scandola, advogada do Sindicato dos Hospitais e Estabelecimentos de Serviços de Saúde do Estado (SINDHESUL), atualmente a pediatria está entre as especialidades médicas mais desvalorizada do país. "A questão do salário é complicada, pois os profissionais dependem do repasse dos convênios. Em Campo Grande, o reajuste autorizado pela ANVISA foi de 6,73% até junho deste ano, e os convênios propõem aos prestadores de serviços o reajuste de apenas 2%", conta. Um exemplo é o preço de uma diária que atualmente varia de R$ 75,00 (setenta e cinco reais) a R$ 104,00 (cento e quatro reais) nas enfermarias, nos apartamentos de R$ 144,00 (cento e quarenta e quatro reais) a R$ 221,00 (duzentos e vinte e um reais) sendo que o preço médio de custo deveria ser de no mínimo R$ 285,00 (duzentos e oitenta e cinco reais) para enfermaria, R$ 424,00(quatrocentos e vinte e quatro reais) para apartamento, sem qualquer lucro ou vantagem para o hospital, segundo dados do Sindhesul. Faltam profissionais A prefeitura de Campo Grande admite que faltam profissionais, mas considera que o salário está dentro das condições do orçamento municipal. Geralmente os pediatras não se interessam pelas vagas, e é preciso recorrer aos recém-formados. Na capital são 162 pediatras atendendo na saúde pública municipal. No posto de saúde Dr. Ênio Cunha, no bairro Guanandi, a situação é difícil. Existem pediatras atendendo, porém só durante a manhã e a noite e sem dias específicos. No começo da tarde, a dona de casa Raquel dos Santos esperava atendimento com o filho de dois anos no colo. Cansada de esperar, teve de procurar atendimento particular para a criança, que passava mal desde a manhã. "Não tem como esperar até as 19h pelo atendimento", lamentou. O prefeito Nelsinho Trad, durante reunião de balanço com a imprensa nesta quarta-feira (22), falou sobre o problema. Segundo ele, houve contratação de gente para saúde em 2010, mas o pediatra é um profissional em falta. "Temos a demanda, mas depende de termos mão-de-obra formada. Estamos na expectativa de quem está saindo das faculdades", conclui. Fonte: Midia Max

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Indígenas liberam ponte após negociação
Geral
Jornalistas promovem workshop “Inove sua imagem”, na capital
Geral
Segue aberto prazo para cadastro na Agehab
Geral
Lances para leilão no Detran encerram nesta segunda
Geral
Governo divulga resultado do 37º Curso de Formação da Agepen
Geral
Índios fecham ponte que liga Paraná ao Mato Grosso do Sul
Geral
Cantor sertanejo morre em acidente na BR-163
Geral
Porto Murtinho se tornará o maior polo exportador de MS
Geral
Mulheres assinam 72% dos artigos científicos publicados pelo Brasil
Geral
Preço e confiança faz com que medicamentos genéricos cresçam no mercado

Mais Lidas

Polícia
Imagem Forte - Homem é executado com mais de 20 disparos em Ponta Porã
Política
Vídeo - Deputado apanha de vereador e sai machucado
Saúde
Ministério da Saúde faz campanha de alerta sobre tuberculose
Brasil
Diretor Domingos Oliveira morre aos 83 anos no Rio