Menu
Busca quinta, 28 de maio de 2020
(67) 99647-9098
Geral

Feriado de Páscoa requer atenção redobrada nas estradas

Educação, fiscalização e calendário de campanhas e ações podem contribuir com diminuição de acidentes e óbitos no trânsito

20 abril 2019 - 17h25Rayani Santa Cruz, com informações da assessoria

Com a chegada da Páscoa, muitos brasileiros saem para viagens e passeios em família. Neste período, porém, são recorrentes os flagrantes de condutores que extrapolam o consumo de bebidas alcoólicas, realizam ultrapassagens incorretas ou deixam de utilizar equipamentos de segurança, o que intensifica os riscos de acidentes e mortes no trânsito. No ano passado, entre 29 de março e 1º de abril, a Polícia Rodoviária Federal registrou leve queda em óbitos nas rodovias federais do país: de 83, em 2017; o número caiu para 70, em 2018.

Excesso de velocidade e ultrapassagem irregular foram, assim como nos últimos feriados, as condutas mais registradas pela PRF. Foram 59.673 imagens capturadas pelos radares fotográficos por velocidade acima do limite – somadas às 68 mil autuações deste tipo em 2017, a média é de 63,8 mil nos últimos dois anos.

Ainda no feriado da Semana Santa do último ano, também foram multados 760 condutores por associação de álcool e direção e 460 por falta do uso de cadeirinha.

A especialista em educação digital e diretora da Procondutor, empresa especializada em formação e capacitação de condutores, Claudia de Moraes, defende o uso de equipamentos de segurança para crianças e animais. "Os itens obrigatórios para crianças e pets são tão imprescindíveis para a segurança deles quanto o uso do cinto é para os adultos", afirma.

Para ela, a fiscalização deve ser aliada a outros dois fatores. "Além do aumento da fiscalização, a educação é o melhor caminho para a diminuição de acidentes. No entanto, paralelamente a ela, é fundamental que haja um calendário de campanhas e ações efetivas em relação a esses temas", sugere Claudia.

O Brasil é o quinto país no ranking com mais mortes de trânsito no mundo, totalizando 47 mil por ano, o equivalente a um óbito a cada 12 minutos. "A primeira ação para uma mudança de cenário é a educação, que, inclusive, deve ser prioridade. Isso faria com que os condutores respeitassem mais as leis de forma consciente, ao invés de acharem que o único prejuízo ao cometerem imprudências é somente no próprio bolso", conclui Claudia.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Há um ano, tragédia que matou o campo-grandense Gabriel Diniz comovia o Brasil
Geral
Mascarado esperando atendimento no CRS Tiradentes diverte pacientes
Geral
Hemosul convoca doadores de sangue afastados pelo frio
Geral
Obras ao redor do Cavaleiro Guaicuru, no Parque das Nações, são retomadas
Geral
Veículos com placa final 1 e 2 devem ter o licencimaneto quitado até dia 31 de maio
Geral
App do Magazine Luiza ganha botão para denunciar violência contra mulheres
Geral
Mandetta entra em “quarentena remunerada” e é proibido de ter cargos privados por 6 meses
Geral
Mega-Sena pode sortear prêmio de R$ 33 milhões nesta quarta-feira
Geral
AO VIVO - José Mauro, da Sesau, presta contas na Câmara
Geral
Com músicos infectados, Zezé e Luciano estão “livres” do coronavírus

Mais Lidas

Geral
Há um ano, tragédia que matou o campo-grandense Gabriel Diniz comovia o Brasil
Economia
Governo quer emprestar US$ 4,01 bilhões de bancos internacionais
Justiça
Ary Raghiant Neto será empossado Vice-Presidente do Conselho de Colégios da OAB do Mercosul
Política
“Não entendo o porquê a Energisa questiona a CPI se não existem irregularidades”, diz Orro