Menu
Busca segunda, 17 de maio de 2021
(67) 99647-9098
TJMS - maio21
Geral

Força Nacional de Segurança vai atuar em conflito indígena em Mato Grosso do Sul

05 junho 2013 - 11h10Reprodução/Agência Brasil
A Força Nacional de Segurança (FNS) será enviada ao município de Sidrolândia, em Mato Grosso do Sul, palco de conflito entre indígenas e produtores rurais, onde na última quinta-feira (30) um índio foi morto a tiros durante uma operação, comandada pela Polícia Federal, de desocupação de uma fazenda. A tropa federal será enviada a pedido do governador do estado, André Puccinelli.

Desde o último dia 15, índios terenas ocupam a Fazenda Buriti. A ordem de reintegração de posse a favor do proprietário foi prorrogada, mas o prazo para cumprimento vence hoje pela manhã (05). O governo, por meio da Advocacia-Geral da União, tenta mais prazo para negociar a saída dos indígenas da fazenda.

No total, 110 homens da Força Nacional serão deslocados para a região. Eles começaram a ser mobilizados, ainda à noite, por via terrestre, de acordo com o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo. Outra parte da tropa seguiria hoje de avião. Além do envio da Força Nacional, Cardozo disse que o efetivo da Polícia Federal será ampliado no estado em função do acirramento dos conflitos.

“O governador Puccinelli pediu ao Ministério da Justiça a Força Nacional de Segurança, para que nós pudéssemos atuar na região de Sidrolândia tendo em vista a elevação do conflito hoje à tarde. O pedido já chegou e nós deferimos”. Nesta terça-feira (04), o governo recebeu informações de que mais um indígena foi baleado em conflito com fazendeiros na região de Sidrolândia.

Na quinta-feira (06), o governo vai receber os indígenas em uma reunião no Ministério da Justiça a fim de tentar negociar um acordo para desocupação pacífica da área.

Em Mato Grosso do Sul, a Força Nacional de Segurança vai estar submetida ao comando da Polícia Militar e a da Secretaria de Segurança do estado, segundo Cardozo. A situação não impedirá, por exemplo, que a tropa atue na desocupação da fazenda, caso a Justiça determine que a tarefa seja cumprida pelas forças policiais do estado. “A Secretaria de Segurança de Mato Grosso do Sul é que vai determinar o papel que terá a Força Nacional de Segurança. A partir daí o que fazemos é uma contribuição ao governo do estado, o comando é do estado”, disse. De acordo com o ministro, a Força Nacional permanecerá no estado pelo “tempo que for necessário”.

Apesar do acirramento dos ânimos, Cardozo espera que os conflitos sejam resolvidos sem uso da violência. “O governo espera o entendimento, faz um apelo a todas a partes envolvidas no conflito, na linha de que ninguém vai conseguir satisfazer direito acirrando conflitos, usando violência, não é essa a forma. Não é a violência a forma de resolver o conflito. Fazemos um apelo às lideranças de todos os envolvidos de que façam uma pactuação, não caiam na violência”.

Via Agência Brasil
Girafa

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Mulheres estão ficando grávidas cada vez mais tarde no Brasil
Geral
Conflito entre Israel e a Faixa de Gaza deixa oito crianças mortas hoje
Geral
Apostador da Mega-Sena pode levar R$ 33 milhões neste sábado
Geral
Confira os ganhadores dos kits da Iplace sorteados pelo JD1
Geral
Vice-governador de MS continua internado em SP, "consciente e orientado"
Geral
Mutirão de renovação de CNH com EAR continua neste sábado no Detran
Brasil
Mãe de Henry continuará em cela isolada, ela alega "temer pela vida"
Saúde
Covid-19: Governo compra 100 milhões de doses da vacina da Pfizer
Geral
AO VIVO: Busca pela segunda dose é baixa nesta sexta
Brasil
Depois de 16 anos na Record, jornalista Carla Cecato é demitida por e-mail

Mais Lidas

Polícia
Jacaré é capturado dando 'rolê' em cidade de MS
Internacional
Estados Unidos inicia vacinação contra a Covid-19 em Nova York
Polícia
Morador de rua tenta matar desafeto a pauladas no interior do Estado
Polícia
Briga por capacete acaba em tentativa de homicídio