Menu
Busca quinta, 09 de abril de 2020
(67) 99647-9098
TJMS Topo
Geral

Governador quer acabar com favelas em MS

22 novembro 2010 - 23h42
O governador André Puccinelli pretende intensificar a construção de casas populares em Mato Grosso do Sul a partir de 2011, tendo como uma das metas a erradicação de favelas. Ao empossar hoje (22) os novos membros do Conselho Estadual das Cidades (CEC-MS), André reconheceu o importante papel da entidade consultiva nos primeiros quatros anos de governo e pediu que os conselheiros continuem auxiliando na busca de recursos e definição de projetos para ampliar a meta de moradias. A área habitacional é um dos setores em que o CEC atua em apoio ao governo, para assessorar e propor diretrizes de políticas públicas. “A Habitação é um item em que o governo fez muito, e vamos intensificar no próximo mandato, para que a construção civil seja um dos fatores positivos nas medidas de enfrentamento à crise”, afirmou o governador. As ações desencadeadas desde 2007 nesta área vão fazer com que Mato Grosso do Sul chegue ao fim de dezembro com o saldo de aproximadamente 44.200 unidades, em diversos estágios de construção e entrega, número que supera a previsão inicial do programa MS Cidadão – Casa da Gente, lançado por André no primeiro ano da gestão. “Eram 40 mil unidades. Ousamos um pouco. E, agora, ombreados com o Conselho das Cidades, nos caminhos já desbravados em Brasília, queremos carrear mais recursos federais, para, junto com os recursos do Estado e dos municípios, chegar a uma meta ainda mais ousada, de 50 mil casas”, afirmou Puccinelli. Conforme o governador, o programa tem duas vertentes importantes: ser um suporte para combater períodos de crise, e garantir teto a família que estão na fila do déficit. Na garantia da casa própria, um dos enfoques no novo período de administração vai ser a erradicação de favelas. André lembrou que esse resultado foi alcançado em Campo Grande, que durante sua gestão na Prefeitura se tornou a primeira capital brasileira a colocar fim a esse tipo de aglomerado urbano de submoradias. “Queremos priorizar os investimentos na retirada de famílias das áreas de risco e fundos de vale, para termos o orgulho de, como feito em Campo Grande, não termos mais favela em nenhum município”. Atuante Na gestão que termina em 2010, o Conselho Estadual das Cidades de Mato Grosso do Sul foi um dos mais atuantes. As 26 reuniões realizadas ao longo de dois anos resultaram em ações e decisões que trouxeram resultados concretos. Um deles, na área de Habitação, fez com que o município de Bodoquena fosse incluído na destinação de recursos de um programa do governo federal para desfavelização. A inclusão saiu por resolução do Conselho, que fez valer essa decisão junto ao Ministério das Cidades. Para o governador André Puccinelli e o secretário de Habitação e das Cidades, Carlos Marun, que também preside o CEC-MS, o exemplo mostra como a atuação participativa das instituições que compõem o Conselho é necessária. “O Conselho tem atuado bem, só temos a agradecer e pedir que continuemos trabalhando muito”, finalizou André Puccinelli. Fonte: Capital News

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Casa da Mulher Brasileira repudia discurso de delegado Wellington
Geral
Frota de ônibus será reduzida na capital nos feriados de Páscoa
Geral
Economia assusta mais que pandemia, diz pesquisa Ranking
Geral
Pagode ou Sertanejo? Lives de Bruno e Marrone e Péricles animam o "Fique em Casa"
Geral
Crivella decreta estado de calamidade pública no Rio
Geral
Vídeo - Marília Mendonça agradece "trabalho incrível" de Mandetta em live
Geral
Atenção: Links falsos do auxílio emergencial chegam a 6,7 milhões de brasileiros
Geral
Reinaldo pede consciência para vencer a pandemia mais rápido
Geral
Escritor Olavo diz que Mandetta deveria ser preso por esconder cura para coronavírus
Geral
Empresas de turismo não podem cobrar multa para remarcar reserva, diz Procon-MS

Mais Lidas

Saúde
Após conserto, municípios começam receber respiradores
Geral
Casa da Mulher Brasileira repudia discurso de delegado Wellington
Brasil
David Uip não aceita intromissão de Bolsonaro em seu tratamento
Brasil
Brasil tem 941 mortes e 17.857 casos confirmados de coronavírus