Menu
Busca quarta, 18 de setembro de 2019
(67) 99647-9098
Geral

Greve da enfermagem da Santa Casa continua

02 setembro 2010 - 06h20
Até que aconteça a audiência com o Tribunal Regional do Trabalho (TRT), prevista para esta quinta-feira (02), os auxiliares e técnicos de enfermagem da Santa Casa continuam em greve. Após tentativa de negociação sem sucesso, os auxiliares e técnicos de enfermagem da Santa Casa de Campo Grande decidiram permanecer paralisados. Conforme o diretor de comunicação do Sindicado de Enfermeiros de Mato Grosso do Sul (Siems), Lázaro Santana, a categoria reivindica 15% de aumento salarial mais cesta básica, feriado trabalhado, folga e convênio médico, o que segundo a direção do hospital, seria impossível conceder já que ocasionaria um impacto de pelo menos 40,21% na folha de pagamento. Atualmente, de acordo com tabela apresentada pelo diretor presidente da instituição, Jorge Martins, a média salarial dos trabalhadores de enfermagem está calculada da seguinte maneira: enfermeiro padrão – R$ 2.080,00; técnico – R$ 745,00 e auxiliar R$ 691,00, fora os demais valores associados ao salário, como a insalubridade e assiduidade. “Só estamos pagando abaixo de três hospitais particulares da capital. Em sã consciência não teríamos como dar nenhum aumento, pois não temos de onde tirar este valor que eles estão pedindo e é isso que explicamos para o ministério público e para os tribunais, pois daqui uns dias ao invés de fazer greve por aumento, eles vão paralisar por falta de pagamento em dia”, desabafa Martins. Para o diretor não haveria necessidade para greve, pois a data base deles aconteceu em maio e ainda não se esgotaram as negociações. “Não tem motivo para entrar em greve. Só se entra em greve quando exaure a capacidade de conversa entre os dois. Esta capacidade de não se exauriu. Já fizemos seis reuniões com a diretoria, três no Tribunal Regional do Trabalho e outra no Ministério Público do Trabalho”, conta. Após as reuniões, a Santa Casa propôs um reajuste de 5,59%, mas a classe só irá concordar com este valor se for uma determinação judicial. “O que o tribunal decidir tá decidido. Enquanto isso permanecemos paralisados”, afirma o representante do sindicato, Lázaro Santana. Por determinação do TRT, o sindicato declara que estão mantendo 100% dos funcionários nas áreas exigidas, que são o Pronto Socorro e o Centro de Terapia Intensiva (CTI). “Nos setores menos críticos estamos com 50%”, relata. Para a servidora Elpídia Santos Xavier, a greve é a única maneira de ter os direitos assegurados. “No ano passado nossa data base só saiu em dezembro, então não queremos que isso ocorra novamente este ano”, explica.
Toka do Jacare - perkal

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Eleição para composição do CRO/MS termina nesta tarde
Geral
Aumentou desigualdade de rendimentos entre as famílias, aponta pesquisa
Geral
PDV resultará em redução anual de R$ 8 mi, com despesa de pessoal
Geral
Anatel realiza operação de combate à pirataria de equipamentos de telecomunicações
Geral
Diretor da Emha esclarecerá dúvidas ao vivo nesta quarta, no JD1
Geral
Reinaldo estará em Rio Verde com “Governo Presente”
Geral
Aeroporto da capital opera sem atrasos e cancelamentos nesta manhã
Geral
Árvore cai e Espírito Santo está interrompida
Geral
Bolsonaro aprova lei que obriga agressor doméstico a ressarcir Estado
Geral
Eleição para Conselheiros Tutelares ocorre dia 6 de outubro

Mais Lidas

Geral
Supermercado Real, no São Conrado, é autuado por vender produtos vencidos
Brasil
Vídeo – Torcedor do Athletico tem a mão dilacerada ao manusear rojão
Internacional
Vídeo - De cueca, homem cai de prédio ao fugir da casa da amante
Oportunidade
TIM abre vagas para jovem aprendiz na capital