Menu
Busca segunda, 18 de março de 2019
(67) 99647-9098
Geral

Greve da enfermagem da Santa Casa continua

02 setembro 2010 - 06h20
Até que aconteça a audiência com o Tribunal Regional do Trabalho (TRT), prevista para esta quinta-feira (02), os auxiliares e técnicos de enfermagem da Santa Casa continuam em greve. Após tentativa de negociação sem sucesso, os auxiliares e técnicos de enfermagem da Santa Casa de Campo Grande decidiram permanecer paralisados. Conforme o diretor de comunicação do Sindicado de Enfermeiros de Mato Grosso do Sul (Siems), Lázaro Santana, a categoria reivindica 15% de aumento salarial mais cesta básica, feriado trabalhado, folga e convênio médico, o que segundo a direção do hospital, seria impossível conceder já que ocasionaria um impacto de pelo menos 40,21% na folha de pagamento. Atualmente, de acordo com tabela apresentada pelo diretor presidente da instituição, Jorge Martins, a média salarial dos trabalhadores de enfermagem está calculada da seguinte maneira: enfermeiro padrão – R$ 2.080,00; técnico – R$ 745,00 e auxiliar R$ 691,00, fora os demais valores associados ao salário, como a insalubridade e assiduidade. “Só estamos pagando abaixo de três hospitais particulares da capital. Em sã consciência não teríamos como dar nenhum aumento, pois não temos de onde tirar este valor que eles estão pedindo e é isso que explicamos para o ministério público e para os tribunais, pois daqui uns dias ao invés de fazer greve por aumento, eles vão paralisar por falta de pagamento em dia”, desabafa Martins. Para o diretor não haveria necessidade para greve, pois a data base deles aconteceu em maio e ainda não se esgotaram as negociações. “Não tem motivo para entrar em greve. Só se entra em greve quando exaure a capacidade de conversa entre os dois. Esta capacidade de não se exauriu. Já fizemos seis reuniões com a diretoria, três no Tribunal Regional do Trabalho e outra no Ministério Público do Trabalho”, conta. Após as reuniões, a Santa Casa propôs um reajuste de 5,59%, mas a classe só irá concordar com este valor se for uma determinação judicial. “O que o tribunal decidir tá decidido. Enquanto isso permanecemos paralisados”, afirma o representante do sindicato, Lázaro Santana. Por determinação do TRT, o sindicato declara que estão mantendo 100% dos funcionários nas áreas exigidas, que são o Pronto Socorro e o Centro de Terapia Intensiva (CTI). “Nos setores menos críticos estamos com 50%”, relata. Para a servidora Elpídia Santos Xavier, a greve é a única maneira de ter os direitos assegurados. “No ano passado nossa data base só saiu em dezembro, então não queremos que isso ocorra novamente este ano”, explica.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Fazendeiro morre após bater moto contra placa de sinalização
Geral
Reinaldo assume compromisso de asfaltar toda a cidade de Paranhos
Geral
Em entrevista, Marun fala sobre reforma da Previdência
Geral
Microempreendedores são dispensados de pagar alguns tributos em MS
Geral
Governador entrega cem moradias em Paranhos
Geral
Moro mantém Força Nacional em MS
Geral
Testes genéticos contribuem para diagnósticos e tratamento de câncer
Geral
Na semana da água, associação destaca preservação da Bacia do Guariroba
Geral
Netflix vai remover imagens de acidente real de Bird Box
Geral
Fecomércio-MS busca inconstitucionalidade da cobrança do ICMS no STF

Mais Lidas

Polícia
Homem mata ex-esposa com golpes de machadinha
Polícia
Mulher é esfaqueada nas costas por usuário de drogas
Cidade
Ato contra o STF será às 17 horas na Afonso Pena
Geral
Netflix vai remover imagens de acidente real de Bird Box