Menu
Busca segunda, 25 de janeiro de 2021
(67) 99647-9098
TJMS Janeiro/21 juizado de transito
Geral

Greve da enfermagem da Santa Casa continua

02 setembro 2010 - 06h20
Até que aconteça a audiência com o Tribunal Regional do Trabalho (TRT), prevista para esta quinta-feira (02), os auxiliares e técnicos de enfermagem da Santa Casa continuam em greve. Após tentativa de negociação sem sucesso, os auxiliares e técnicos de enfermagem da Santa Casa de Campo Grande decidiram permanecer paralisados. Conforme o diretor de comunicação do Sindicado de Enfermeiros de Mato Grosso do Sul (Siems), Lázaro Santana, a categoria reivindica 15% de aumento salarial mais cesta básica, feriado trabalhado, folga e convênio médico, o que segundo a direção do hospital, seria impossível conceder já que ocasionaria um impacto de pelo menos 40,21% na folha de pagamento. Atualmente, de acordo com tabela apresentada pelo diretor presidente da instituição, Jorge Martins, a média salarial dos trabalhadores de enfermagem está calculada da seguinte maneira: enfermeiro padrão – R$ 2.080,00; técnico – R$ 745,00 e auxiliar R$ 691,00, fora os demais valores associados ao salário, como a insalubridade e assiduidade. “Só estamos pagando abaixo de três hospitais particulares da capital. Em sã consciência não teríamos como dar nenhum aumento, pois não temos de onde tirar este valor que eles estão pedindo e é isso que explicamos para o ministério público e para os tribunais, pois daqui uns dias ao invés de fazer greve por aumento, eles vão paralisar por falta de pagamento em dia”, desabafa Martins. Para o diretor não haveria necessidade para greve, pois a data base deles aconteceu em maio e ainda não se esgotaram as negociações. “Não tem motivo para entrar em greve. Só se entra em greve quando exaure a capacidade de conversa entre os dois. Esta capacidade de não se exauriu. Já fizemos seis reuniões com a diretoria, três no Tribunal Regional do Trabalho e outra no Ministério Público do Trabalho”, conta. Após as reuniões, a Santa Casa propôs um reajuste de 5,59%, mas a classe só irá concordar com este valor se for uma determinação judicial. “O que o tribunal decidir tá decidido. Enquanto isso permanecemos paralisados”, afirma o representante do sindicato, Lázaro Santana. Por determinação do TRT, o sindicato declara que estão mantendo 100% dos funcionários nas áreas exigidas, que são o Pronto Socorro e o Centro de Terapia Intensiva (CTI). “Nos setores menos críticos estamos com 50%”, relata. Para a servidora Elpídia Santos Xavier, a greve é a única maneira de ter os direitos assegurados. “No ano passado nossa data base só saiu em dezembro, então não queremos que isso ocorra novamente este ano”, explica.
senar janeiro21

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Influencer morre aos 26 anos após complicações em cirurgia de lipo
Geral
Vídeo: Deck de recanto ecológico fica submerso pelo rio Olho D'água em MS
Geral
Ex adjunto da SAS tem alta após ser internado com complicações da Covid-19
Geral
Apostadores da Mega-Sena concorrem a prêmio de R$ 22 mi neste sábado
Geral
Onça resgatada em incêndio na Serra do Amolar é devolvida ao Pantanal
Geral
Energisa e Marinha inauguram centro para capacitação de militares
Geral
Vídeo: Gato 'bate' em criança para ela não subir na janela
Geral
Estudante brasileira de 16 anos descobre asteroide durante pesquisa
Geral
AO VIVO: Posse do novo presidente do TJ, Carlos Contar
Geral
Prefeitura convoca motoristas aprovados em processo seletivo de 2019

Mais Lidas

Polícia
Jacaré é capturado dando 'rolê' em cidade de MS
Internacional
Estados Unidos inicia vacinação contra a Covid-19 em Nova York
Polícia
Morador de rua tenta matar desafeto a pauladas no interior do Estado
Polícia
Briga por capacete acaba em tentativa de homicídio