Menu
Busca terça, 14 de julho de 2020
(67) 99647-9098
TJMS julho20
Geral

Incêndio destrói ônibus que servia de moradia para família de artesão

15 agosto 2011 - 10h18Pedro Peralta

Em pouco mais de 10 minutos, o fogo destruiu um ônibus que era utilizado como casa e local de trabalho de um artesão. As chamas além de atingir todo o veículo, com pertences dentro, também ameaçou a residência de madeira onde o ônibus estava estacionado, no bairro Noroeste.

"Foi tudo muito rápido. Ficamos com medo do fogo chegar em nossa casa, mas também desesperados com a destruição do ônibus. Era a casa deles, tudo que tinham. Agora perderam tudo", diz, ainda chorando, a moradora da residência e nora do proprietário do ônibus, Fernanda Lourenço Cornélio, de 29 anos.

No veículo, moravam o artesão Claudinei da Silva, a esposa e a neta de 5 anos. Todos os pertences da família - móveis, eletrodomésticos e roupas – e materiais de trabalho do artesão estavam dentro do ônibus. Tudo foi destruído pelo incêndio.

Eles viajaram para trabalhar em Aquidauana na quinta-feira (11) e deixaram o veículo estacionando no local porque o motor estava estragado. Fernanda não sabe explicar como o fogo começou, nem a causa e diz que as portas estavam trancadas.

"Minha filha estava vendo TV quando sentiu um cheiro de queimado e desligou. Achamos que era um curto-circuito e olhamos pela casa, mas não encontramos nada. Então, vi fumaça saindo da porta do ônibus, fui tentar abrir, mas a maçaneta estava muito quente e desisti", conta.

Ela foi pedir ajuda aos vizinhos e acionou os bombeiros. Os populares tentaram apagar o fogo com extintores de incêndio de carros, até a chegada do resgate, mas Fernanda conta que o vento só aumentava as chamas.

O fogo chegou a poucos metros da residência e, de acordo com os bombeiros, as chamas podiam ser vistas da BR-262, logo na entrada do bairro. Duas viaturas e mais de 2 mil litros de água foram necessários para controlar o incêndio.

A causa do incêndio só será confirmada após perícia, mas o superaquecimento de algum aparelho eletrodoméstico é apontado como a principal causa, de acordo com os bomebiros."Pode ser que algum equipamento tenha sido esquecido ligado e super aqueceu. Esse calor que está fazendo pode ter contribuido", explica o tenente Duilio.

A moradora ressalta que na noite de ontem entrou no ônibus para fechar as portas e nenhum equipamento estava ligado. No entanto, ela diz que dentro do veículo é muito quente e acredita que isso possa ter ajudado no incidente.

Ajuda

O artesão sobrevive com o dinheiro que consegue fazendo gravações em objetos e alugando materiais para festa. Com o incêndio, Fernanda diz que o sogro não terá como trabalhar e onde morar, já que perdeu todos os seus pertences.

A família pede a ajuda da população, que possa fazer qualquer tipo de doação. "O que puderem ajudar é válido, porque perderam tudo", diz Fernanda.

Eles precisam, principalmente, de roupas de criança para a neta de 5 anos, móveis e eletrodomésticos. O artesão já foi avisado sobre o incêndio e está retornando para Campo Grande.

As doações podem ser feitas na residência, que fica na rua Frei Caneca, quadra 288, lote 19 – Jardim Noroeste. O telefone para contato é 9242-8943.

Vacinne

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Prefeitura multa Consórcio Guaicurus em R$ 12 milhões
Geral
Carnaval no Rio pode acontecer só em junho
Geral
Governo amplia prazo de redução de jornada e suspensões de contratos
Geral
Orro quer proibir atos públicos para evitar aglomerações
Geral
Aos 27 anos, Adalberto perde a luta contra o coronavírus
Geral
Saque de auxílio emergencial é liberado para beneficiários do 3º lote
Geral
Mãe pede leite, remédio ou dinheiro para salvar bebê com anomalia
Geral
Funsat encaminha mulheres vítimas de violência ao mercado de trabalho
Geral
Licenciamento de veículos pode ser emitido online
Geral
Blogueira de MS afirma estar com Covid-19 e faz “recebidos” de vitaminas

Mais Lidas

Polícia
“Encontraram o monstro”, diz primo de Carla sobre assassino
Polícia
Ex-patroa é denunciada por abandono de incapaz que resultou em morte
Saúde
MP solicita inspeção em frigoríficos no interior
Polícia
Comerciante foi morta porque reconheceu voz de ex-funcionário, diz investigação