Menu
Busca quinta, 11 de agosto de 2022
(67) 99647-9098
Governo - Dengue
Geral

Jovens viram jogos como válvula de escape na pandemia

Jogadores contaram que games foram uma forma de se conectar com o mundo quando o isolamento foi necessário

09 dezembro 2021 - 19h12Pedro Molina

Durante o novo cenário de isolamento social da pandemia do coronavírus, muitas pessoas procuraram novas formas de se comunicar com o mundo afora, como redes sociais, lives, vídeos, e diversas outras maneiras, mas nenhuma se destacou tanto quanto os games, indo desde jogos de celular e console até os jogos de computador, todos nos mais diferentes gêneros, como terror, FPS (First Person Shoter, mas conhecidos como jogos de tiro em primeira pessoa), fantasia, etc.

Desde o início da pandemia, no ano de 2020, vem se notando um crescimento no número de jogadores em diversas plataformas, como Xbox, PlayStation, Steam, Epic Games e diversas outras, e esse crescimento se manteve constante, com novos jogadores constantemente surgindo, sendo pessoas que nunca jogaram algum jogo antes e viram uma oportunidade de conexão com o mundo afora durante o isolamento ou veteranos do mundo dos jogos que voltaram com o tempo livre extra proporcionado pela pandemia.

Victor Wanderley, 26 anos, contou à reportagem do JD1 Notícias que os jogos tiveram uma importância para sua conexão com o mundo durante esse período.

"Os jogos me ajudaram a me conectar com o mundo através das interações online que tive durante esse tempo de isolamento social, conversando e interagindo com amigos, eles me ajudaram a não me sentir solitário e isolado durante os períodos em que fiquei em casa.", respondeu Victor.

Também jogador, Guilherme Lopes, de 21 anos, comentou que os jogos foram uma distração durante a quarentena e uma forma de manter contato com amigos.

“Bem, eles foram uma forma de entretenimento que me ajudou bastante numa época que obrigou a gente a ficar tanto tempo em quarentena. Uma forma de se conectar com seus amigos já que pessoalmente não era mais uma opção muito viável.”, disse Guilherme.

Já para Lorenzo Borille, de 18 anos, os jogos foram uma espécie de farol de esperança neste momento difícil que vem sendo a pandemia de Covid-19.

“Durante esses tempos difíceis, e especialmente por estar longe da família, os jogos me ajudaram a ver que ainda há esperança, que eu não estou sozinho nessa luta, e com todas as noticias de mortes e pessoas sofrendo na TV, os jogos foram uma porta para um mundo fantasioso na qual eu estivesse seguro, para que eu tivesse menos medo e pudesse me divertir, especialmente com o lançamento do jogo Deltarune, que eu vi que nós podemos passar por esses tempos difíceis e em breve teremos nosso mundo de volta.”, desabafou.

Os jogos ajudaram de diversas maneiras as pessoas durante a pandemia, desde jovens até pessoas mais velhas, servindo como uma válvula de escape para todo o estresse, apreensão e sentimentos negativos que se acumularam durante a pandemia e a quarentena, mostrando novamente a importância que a conexão gerada por esse meio tem para as pessoas.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Superlua de esturjão irá iluminar a noite do brasileiro nesta quinta
Geral
JD1TV: Outdoor de mercado cai durante ventania
Geral
Black Friday Fronteira é lançada e deve atrair 40 mil turistas
Geral
Golpista, filha rouba R$ 725 milhões da mãe
Geral
Mega-sena pode fazer mais um milionário nesta quarta-feira
Geral
JD1TV: Bêbado, pai filma filho de 10 anos dirigindo a mais de 140km/h em MS
Informe Publicitário
Nuhatê Casa Hotel, a opção em Trancoso
Geral
Simaria faz festa de aniversário para filha sem a presença da irmã Simone
Geral
Viu a Melissa? Pinscher está desaparecida na região do Aero Rancho na Capital
Geral
Suzana Vieira é internada com sequelas da Covid-19

Mais Lidas

Polícia
Menino mata padrasto a tiros, joga corpo no rio e foge com a 'namorada' de 11 anos
Política
PSD terá mais três partidos coligados
Comportamento
JD1TV: Após três anos, Festival do Sobá volta 'com tudo' amanhã
Polícia
Fisioterapeuta para na delegacia por fazer procedimentos estéticos na Capital